O ARCO DE CHARLES MAGUEREZ E A FORMAÇÃO EM FISIOTERAPIA: PROMOVENDO UM OLHAR AMPLIADO E POSSIBILITANDO MUDANÇAS NA REALIDADE

Júlio César Matos Monteiro, Vitória Suyane Ferreira da Cruz, Gabriel Pereira de Oliveira Souza, Ana Catarina Leite Véras Medeiros, Ricardo Gois de Aguiar, Ana Maria Braga de Oliveira, Renan Guedes de Brito

Resumo


INTRODUÇÃO: O arco de Charles Maguerez é uma ferramenta que trabalha na perspectiva do ensino pela problematização, a partir de cinco etapas, a observação da realidade, identificação dos pontos-chaves, teorização, hipóteses de solução e aplicação na realidade. Esse método busca o desenvolvimento de sujeitos críticos-reflexivos, tornando-os atores sociais e modificadores na realidade onde estão inseridos. No curso de fisioterapia esse método possibilita uma visão ampliada da saúde superando a lógica centrada na reabilitação. Sendo assim, buscou-se descrever a experiência dos acadêmicos de fisioterapia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Campus Universitário Professor Antônio Garcia Filho, durante a disciplina Prática de ensino na Comunidade II. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Os estudantes realizaram uma visita para conhecimento do território e identificaram como aparelho social, uma escola de ensino fundamental. Entre algumas das necessidades observadas, percebeu-se a questão da sobrecarga postural. Assim, partindo desse ponto-chave prosseguiu-se para a etapa da teorização, surgindo como explicações as posturas adotadas na escola e a sobrecarga causada pelo peso das mochilas. Procedeu-se então, o estudo sobre sobrecarga postural e sobre carregamento de peso, considerando o público-alvo, e após, definiram-se as hipóteses de solução para intervir na comunidade. Foram propostas duas intervenções, sendo a primeira a pesagem das mochilas dos estudantes, do 2º ao 5º ano fundamental, atrelada ás explicações sobre as atividades e propostas seguintes. Foram então analisados 82 estudantes, 40 do sexo masculino e 42 do sexo feminino, entre 6 e 14 anos. Desses, 63,7% carregavam acima de 10% do seu peso corporal, sendo 37,5% entre 10-15% e 26,2% acima de 15%, caracterizando uma sobrecarga postural nesses estudantes, trazendo uma importância nessa atuação visto que muitos estão em fase de desenvolvimento e podem levar a comprometimento. Após essas observações, foi proposta a segunda intervenção com o intuito de dar feedback acerca do observado para a escola, estudantes e sua família. Para isso, foi elaborado um relatório dos dados para a escola e para os estudantes foi aplicado um quiz com perguntas sobre saúde que estimulassem o cuidado e conhecimento corpóreo e foram dadas explicações sobre a estrutura da coluna e sobrecarga postural. Além disso, foi entregue um cartão para cada aluno, contendo o peso que carregava e qual deveria seria o ideal, para entrega aos familiares. IMPACTOS: A utilização do Arco por parte dos acadêmicos de fisioterapia possibilitou atuar diretamente no problema observado, promovendo um novo olhar, tanto dos estudantes quanto da escola em relação á sobrecarga postural, estimulando o cuidado em saúde e fortalecendo a intersetorialidade e a importância do fisioterapeuta nesse cuidado integral, indo além do foco meramente reabilitador. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Conclui-se que esse método de ensino se constitui uma importante ferramenta para a formação em saúde, pois incentiva a capacidade de observação, crítica e reflexão, corresponsabilizando o acadêmico pela construção do seu aprendizado e o estimulando a propor soluções que tragam impactos na saúde da população, tornando-os agentes transformadores da realidade onde estão inseridos.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.