RESIDÊNCIAS MULTIPROFISSIONAIS EM SAÚDE DA FAMÍLIA: CONTRIBUINDO PARA A REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS PARA ATUAÇÃO NA APS

Ana Paula Medeiros Pereira, Jorge Henrique Santos Saldanha

Resumo


INTRODUÇÃO: A partir das mudanças no perfil epidemiológico da população e da reorganização do modelo de atenção á saúde, foi colocada a necessidade de reorientação da formação do fisioterapeuta para um perfil mais coletivo, que tenha como principal foco a prevenção de doenças e promoção da saúde, possibilitando sua inserção na Estratégia de Saúde da Família (ESF), através dos Núcleos de Apoio a Saúde da Família (NASF). Os NASFs dão suporte ás equipes de saúde da família, sob a lógica do apoio matricial, que se dá em duas vertentes: suporte técnico-pedagógico, compartilhando o saber específico com a ESF; e retaguarda assistencial, realizando atendimento aos usuários e famílias que necessitem de um acompanhamento individual. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da FESF/FioCruz teve sua implantação no município de Camaçari/BA em 2015. Os residentes fisioterapeutas estão inseridos nos NASFs juntamente com residentes professores de Educação Física e Nutricionistas e apoiam entre 7 a 8 equipes, distribuídas em 5 unidades. Os mesmos desenvolvem atividades de acolhimento, grupos, atendimento ambulatorial e domiciliar, que podem acontecer de maneira individual ou compartilhada com outro profissional, reuniões com as equipes de referência, reunião do NASF, articulação de rede de serviços, entre outras atividades. Um corpo pedagógico composto por preceptores e apoiadores pedagógicos acompanham as atividades dos residentes e contribuem para refletirem sobre suas práticas. IMPACTOS: As residências multiprofissionais em Saúde da Família podem ser potencializadoras na reorientação da formação do fisioterapeuta com foco na aquisição de habilidades e competências importantes para a atuação na APS, especificamente no NASF. Assim, uma equipe formada por diversos profissionais, uma área de abrangência menor do que a prevista nas normatizações da Estratégia de Saúde da Família, o NASF apoiando uma menor quantidade de equipes do que o previsto, com espaços destinados a discussão e problematização sobre o processo de trabalho desenvolvido com a possibilidade de discussão e problematização mediada por um corpo pedagógico, as residências podem potencializar nos residentes uma reflexão sobre a formação, possibilitando a transformação para um olhar mais coletivo e de prevenção e promoção da saúde, além da aquisição de novas habilidades e competências importantes para a atuação nesse nível de atenção. Além disso, a busca por a possibilidade de realizar acolhimento, escuta qualificada, formação de vínculo, resposta positiva, resolutividade, co-responsabilização, ampliação do olhar para o território, compreendendo o sujeito inserido em um contexto social contribui para a ampliação da atuação para além dos aspectos biológicos, repercutindo na qualidade do cuidado aos usuários e coletivos. Atualmente o programa já formou 6 residentes Fisioterapeutas e está em formação de mais 5 profissionais com mais competências e habilidades para atuar na Atenção Básica. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A partir do exposto, percebe-se que uma residência multiprofissional em saúde da família pode contribuir para a construção e aprimoramento de competências profissionais, contribuindo para a atuação do fisioterapeuta na atenção básica/ESF. O foco na atenção básica contribui para a educação permanente dos fisioterapeutas e qualificação para atuar junto ás equipes de saúde da família.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.