TRAJETOS FORMATIVOS NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE - PRÁTICAS E SABERES NA INTERSEÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE, SERVIÇOS DE SAÚDE E COMUNIDADE

Estela Rozeno dos Santos, Tarsila Figueiredo Ferreira, Caíque Sales Melo, Eduarda Barbosa de Barros, Ana Victória Baião Guimarães, Vanessa Salgado, Jorge Henrique Saldanha, Milena Maria Cordeiro de Almeida

Resumo


INTRODUÇÃO: A formação dos profissionais de saúde para a atuação na Atenção Básica á Saúde (ABS) representa um desafio porque exige a superação do modelo curativista e centrado na doença, ainda hegemônico na Universidade e serviços de saúde. Através de um modelo contra hegemônico e estratégico da Promoção da Saúde, o primeiro desafio que se apresenta é a articulação de saberes específicos da profissão com os pressupostos da Saúde Coletiva, ao exemplo da compreensão da saúde em seu conceito ampliado, ações interdisciplinares, intersetoriais e transformadoras da realidade social. Neste sentido, o presente projeto apresenta uma proposta de superação do desafio de formação dos profissionais de saúde para o Sistema Único de Saúde, aproximando saberes e práticas da Universidade, serviços de saúde da ABS e usuários através da extensão universitária. Para tanto, os objetivos deste trabalho foram levantar, acompanhar, apoiar e propor práticas na Atenção Básica á Saúde em duas Unidades de Saúde da Família de um Distrito Sanitário de Salvador, Bahia. A perspectiva assumida foi a de colaboração entre serviço e Universidade e tem contribuído para o aprimoramento da formação profissional dos estudantes dos cursos de saúde UFBA. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Através do levantamento, acompanhamento e apoio ao desenvolvimento de práticas em saúde direcionadas ao perfil da população do território, em colaboração com as equipes da Estratégia da Saúde da Família e Núcleo de Apoio á Saúde da Família (ESF/NASF), foram realizadas ações como: participação nas reuniões de equipes ESF/NASF para levantamento de necessidades da população do território; acompanhamento contínuo do Grupo de Práticas Corporais; acompanhamento de outros grupos pré-existentes da Unidade de Saúde da Família (USF), como o Grupo Amanhã sem dor, o Grupo de relaxamento e o Grupo de gestantes; participação e apoio de ações estratégicas da USF Garcia, ao exemplo do Programa Saúde na Escola e ações propostas pela comunidade, como o evento social Faz Mais Garcia. IMPACTOS: Todos os grupos acompanhados e atividades realizadas trouxeram experiências novas e aproximaram os estudantes do campo da Saúde Coletiva e de seus pressupostos, permitindo a interação com as reais necessidades e problemas da população. Essas experiências proporcionaram uma reflexão sobre a importância das ações de prevenção, promoção, qualidade de vida e saúde sob seu conceito ampliado, o que representa uma formação em saúde para a atenção integral no SUS. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A participação na extensão foi marcada pela ampliação do olhar, motivação e interesse dos estudantes na superação dos limites acadêmicos e técnicos das práticas de saúde, superando o modelo prioritariamente técnico-assistencial. Reconhece-se também que há muito a ser consolidado e construído, tanto na estruturação de novas parcerias, intra e intersetoriais, como na institucionalização, compartilhamento e publicitação das experiências. Assim, avança-se tanto na ampliação da relevância técnico-científica da Universidade, como na formação de profissionais mais solidários e engajados na transformação social da realidade de desigualdades do Brasil.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.