VIVÊNCIAS EM SAÚDE I: O PRIMEIRO CONTATO COM O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Maria Eduarda Leal do Nascimento Cruz, Adriana dos Santos Pereira, Auxiliadora Renê de Melo Amaral, José Eduardo de Lima Leal Alves Monteiro, Sara Rúbia de Souza Franco

Resumo


INTRODUÇÃO: A contextualização do processo saúde doença é indispensável como conhecimento-estratégia para a formação de profissionais de saúde qualificados a atuar em todos os níveis do Sistema Único de Saúde (SUS). A disciplina de Vivências em Saúde I ofertada pelo curso de Fisioterapia, da Universidade Pernambuco - Campus Petrolina, tem como objetivo introduzir precocemente os alunos do primeiro período, através da interdisciplinaridade na observação sobre o processo saúde doença com foco nos variados cenários de prática e promovendo discussões reflexivas acerca dos processos políticos e sociais do SUS. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: A vivência da disciplina proporcionou a experimentação das principais questões do processo saúde doença e do processo de consolidação e o funcionamento do SUS, através de visitas técnicas nos níveis da atenção primária, secundária e terciária da saúde. Posteriormente a estas visitas, houve debates em sala de aula, além de acesso ao conteúdo explicativo para o desenvolver e aprimorar habilidades na identificação dos eventos de saúde mais relevantes, os quais impactam na situação de morbidade e mortalidade da região. Por fim foram elaborados produtos acadêmicos, como poemas, teatros, documentários, maquetes da rede de saúde da região e seminários como resultados do processo de ensino de aprendizagem da disciplina de Vivências em Saúde I. IMPACTOS: Ao final da disciplina os produtos elaborados caracterizaram as impressões sobre o funcionamento do SUS na região, levantando aspectos como o acolhimento, a humanização, o trabalho multiprofissional, o trabalho da rede e dos sistemas. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Pode-se observar que a inserção precoce dos alunos ingressantes do curso de fisioterapia nos ambientes de prática do SUS, aparenta contribuir de forma positiva para a formação dos alunos, pois além de possibilitar um acesso prévio a ação do profissional de saúde, e do próprio SUS, serviu para quebrar preconceitos estabelecidos com base em estereótipos e experiências passadas, o que facilitará sua opinião crítico-reflexiva diante das potencialidades e dificuldades da saúde pública nacional.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.