UM OLHAR DA FISIOTERAPIA PARA AS SOBREVIVENTES DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

Regielly Candido da Silva, Alessandra de Sá Earp Siqueira, Juliana Garcia Gonçalves

Resumo


OBJETIVOS: O presente estudo teve por objetivo analisar o papel da fisioterapia no cuidado às sobreviventes do câncer do colo do útero a partir do olhar de pacientes sobreviventes e de fisioterapeutas. MÉTODOS: Pesquisa qualitativa, composta por roteiros de entrevista semi-estruturada, realizadas com fisioterapeutas e pacientes do ambulatório de um hospital de referência no tratamento de câncer ginecológico. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Os relatos compartilhados revelam a experiência de viver com os efeitos tardios do tratamento, o papel do fisioterapeuta no cuidado às sobreviventes, e questões relacionadas às políticas públicas de saúde e a atenção fisioterapêutica em oncologia. CONCLUSÕES: Além das questões corporais, frutos das sequelas da doença e do tratamento, estas mulheres falam da sua dificuldade de reinserção social e afetiva e do sofrimento gerado pela sua nova condição. A fisioterapia desempenha um importante trabalho junto às sobreviventes do câncer do colo do útero, resultando em melhora da qualidade de vida e da capacidade funcional dessas mulheres.


Palavras-chave


Fisioterapia. Oncologia. Sobreviventes. Câncer do colo do útero.

Texto completo:

PDF

Referências


Pinto C, Ribeiro JLP. A qualidade de vida dos sobreviventes do cancro. Rev Port Sau Pub 2006; 24(1): 37-56.

Bray F, Jemal A, Grey N, Ferlay J, Forman D. Global cancer transitions according to the Human Development Index (2008-2030): a population-based study. The Lancet Oncol 2012; 13 (8): 790-801.

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. [Internet]. [acessado em 2018 fev 22). Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/.

Organização Mundial da Saúde (OMS). International Agency for Research on Cancer. Globocan IARC, 2012. [Internet] [acessado 2015 mar 15]. Disponível em: http://globocan.iarc.fr/.

Greenwald HP, McCorkle R. Sexuality and Sexual Function in Long-Term Survivors of Cervical Cancer. J Women's Health. 2008; 17 (6): 955-963.

Wenzel L, DeAlba I, Habbal R, Klushman BC, Fairclough D, Krebs LU. et al. Quality of life in long-term cervical cancer survivors. Ginecol Oncol 2005; 97(2): 310-317.

Boini S, Briançon S, Guillemin F, Galan, P Hercbebrg, S. Impact of cancer ocurrence on health-related quality of life: a longitudinal pre-post assessment. Health Qual Life Outcomes 2004; 2(1): 1.

Farmer BJ, Smith ED. Breast cancer survivorship: are African women considered? A concept analysis. Oncol Nurs Soc 2002; 29(5): 779-787.

Morgan MA. Cancer Survivorship: History, Quality-of-Life Issues, and the Evolving Multidisciplinary Approach to Implementation of Cancer Survivorship Care Plans. Oncol Nurs Forum 2009; 36(4): 429-436.

Mullan F. Seasons of Survival: Reflections of a Physician with Cancer. N Engl J Med 1985; 313(4): 270-273.

Brasil. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução nº 364 de 20 de maio de 2009. Reconhece a Fisioterapia Onco-Funcional como especialidade do profissional Fisioterapeuta e dá outras providências. Diário Oficial da União 2009; 16 mai.

Franceschini J, Scarlato A, Cisi MC. Fisioterapia nas principais disfunções sexuais pós-tratamento do câncer do colo do útero: revisão bibliográfica. Rev Bras Cancerol 2010; 56(4): 501-506.

Kluthcovsky ACGC, Urbanetz AAL. Qualidade de vida em pacientes sobreviventes de câncer de mama comparada à de mulheres saudáveis. Rev bras ginecol obstet. 2016; 34(10): 453-458.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. [Internet]. [acessado 2015 fev 20]. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/web_comissoes/conep/index.html.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas:proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad Sau Pub2011; 27 (2): 389-394.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70; 2008.

Nogueira ACC, Silva LB. As desigualdades de gênero: um enfoque na questão da saúde pública. Trabalho apresentado no “XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Caxambú - MG”; 2008.

Ashing-Giwa KT, Tejero JS, Kim J, Padilha GV, Kagawa-Singer M, Tucker MB, et al. Cervical cancer survivorship in a population based sample. Ginecol oncol 2009; 112(2): 358-364.

Oliveira CL, Sousa FPA, Garcia CL, Mendonça MRK, Menezes IRA, Brito Junior FE. Câncer e imagem corporal: perda da identidade feminina. Rev Rene 2012; 11(número especial): 53-60.

International Association for the study of pain. Dor do câncer [Internet]. [Acessado 2015 Dez 8]. Disponível em: http://www.iasppain.org/files/Content/ContentFolders/GlobalYearAgainstPain2/CancerPainFactSheets/CancerPain_Portuguese.pdf.

Camargo MC, Marx AG. Reabilitação física no câncer de mama. São Paulo, SP: Roca; 2000.

Wagner LI, Cella D. Fatigue and cancer: causes, prevalence and treatment approaches. Br J Cancer 2004; 91(5): 822-828. 23. Vidal MLB, Santana CJD, Paula CLD, Carvalho MCMP. Disfunção sexual relacionada à radioterapia na pelve feminina: diagnóstico de enfermagem. Rev Bras Cancerol 2013; 59(1): 17-24.

Foldspang A, Mommsen S. The international continence society (ICS) incontinence definition: Is the social and hygienic aspect appropriate for etiologic research? J Clin Epidemiol 1997; 50(9):1055-1060.

Batista MRFF, Rocha FCV, Silva DMG, Silva Júnior FJG. Autoimagem de clientes com colostomia em relação à bolsa coletora. Rev Bras Enf 2011; 64(6): 1043-1047.

Silveira LMC, Ribeiro VMB. Grupo de adhesión al tratamiento: espacio de “enseñanza” para profesionales de la salud y pacientes. Interface – Comunic Saúde Educ 2005; 9(16): 91-104.

Subtil MML, Goes DC, Gomes TC, Souza ML. O relacionamento interpessoal e a adesão na fisioterapia. Fisioter Mov 2011; 24(4): 745-753.

Brasil. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011-2022. [Internet]. [acessado 2015 jul 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 874, de 16 de maio de 2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2013; 16 mai.

Negri B, Viana A. O Sistema Único de Saúde em dez anos de desafio. São Paulo, SP: Sobravime; 2002.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v5n9.p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.