ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA E DISPNEIA EM INDIVÍDUOS COM DISTROFIA MIOTÔNICA DE STEINERT: SÉRIE DE CASOS

Jéssica Araújo MAGAVE, Suellem Jamile Sousa BEZERRA, Camila Santos CHAGAS, Daniela Gonçalves OHARA, Cleber Alexandre de OLIVEIRA

Resumo


Introdução: A Distrofia Miotônica de Steinert (DMS) é uma doença genética progressiva e sistêmica, que apresenta como principais características a perda da força muscular global e a miotonia. Essas alterações podem afetar o desempenho desses indivíduos nas atividades de vida diária (AVDS), o que ocasiona prejuízo no nível de independência dos mesmos. Outro fator a ser considerado é a sensação de dispneia, sintoma frequente nessa população, principalmente durante a execução das AVDS. Objetivo: Avaliar o nível de independência para realização das AVDS, assim como a sensação de dispneia em indivíduos com DMS. Métodos: Estudo transversal, no qual foram avaliados dados antropométricos; nível de independência em relação a qualquer tipo de auxílio para realizar as AVDS, por meio do índice de Barthel modificado; e a sensação de dispneia por meio da escala do Medical Research Concil modificada (mMRC) em indivíduos adultos com DMS. Procedeu-se à análise descritiva por meio de médias, desvios-padrão, porcentagens e números absolutos. Resultados: Foram avaliados quatro indivíduos (homens: 3; mulheres: 1) ao total, com média de idade de 33,25±6,5 anos, massa corporal de 64,5±21,08 kg, estatura de 161,5±9,5 cm e índice de massa corporal (IMC) de 24,4±5,8 kg/m2. Na avaliação do nível de independência na realização das AVDS, 50% dos indivíduos relataram ser independentes para realizar todas as AVDS propostas segundo índice de Barthel modificado, com escore total de 50 (classificação: independente total). Por outro lado, dois indivíduos relataram que necessitam de assistência para os itens vestir-se e deambulação, sendo que um deles também relatou dificuldade para os itens alimentação e uso de banheiro, e o outro para o item subir e descer escada, ambos com escore total de 46 (classificação: ligeira dependência). Na avaliação da sensação de dispneia, dois indivíduos relataram grau 2 (anda mais devagar do que as pessoas da mesma idade em função da falta de ar ou tem que parar para respirar quando caminha no plano, no próprio eixo) e dois relataram grau 1 (apresenta falta de ar quando anda rápido no plano ou quando sobe ladeira) na escala mMRC. Conclusão: Observa-se que o nível de independência para realização das AVDS apresentou-se com maior prejuízo nas atividades vestir-se e deambulação na população avaliada, sendo esta última atividade também relatada na escala mMRC, quando os indivíduos com DMS referiram dispneia frente ao esforço quando realizam a caminhada.

Palavras-chave


Distrofia Miotônica; Atividades Cotidianas; Dispneia.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.