APLICABILIDADE DE UMA TECNOLOGIA ASSISTIVA QUE PERMITE INDIVÍDUO CADEIRANTE SE LOCOMOVER EM POSTURA ORTOSTÁTICA NO AMBIENTE DE TRABALHO. RELATO DE CASO

Roberta Ribeiro Batista Barbosa, Andressa Silva Ferreira, Maryah Cuzzuol Alves, Ranielli Prasser, Gabriel Donato Amorim, Cristiana Pitella Cassino, Giovana Machado Souza Simões, Mariangela Braga Pereira Nielsen

Resumo


Introdução: A lesão medular pode causar disfunções em muitos sistemas e órgãos e leva a uma maior morbidade e mortalidade, aumento das taxas de re-hospitalização, perda de empregabilidade e menor qualidade de vida. Estas últimas podem ser explicadas devido à gravidade e irreversibilidade da lesão juntamente com as dificuldades sociais encontradas por essa população. Como forma de minimizar/prevenir as repercussões da lesão medular e os efeitos do uso prolongado da cadeira de rodas, o ortostatismo vem como terapêutica, favorecendo a reorganização da imagem corporal modificada após a lesão e promovendo qualidade de vida. O Up Rose" é um equipamento criado no Brasil em 2010, que permite a postura ortostática e a locomoção através de um joystick, inicialmente criado para ser utilizado em ambiente domiciliar, que permite ao indivíduo uma maior independência e autonomia sobre seu corpo, possibilitando movimentos livres e favorecendo a aquisição de suas habilidades motoras, resistência muscular e equilíbrio." Objetivo: Avaliar a aplicabilidade de uma tecnologia assistiva que permite a mobilidade na postura ortostática nas atividades laborais Metodologia: Para seleção do participante da pesquisa os critérios foram:lesão medular alta, possuir vínculo empregatício com a instituição de ensino,e concordar e assinar o termo de consentimento(de acordo com a Resolução 466/12 do CNS). O indivíduo utilizou o Up Rose" período de 1/3(2 horas) de sua jornada de trabalho e utilizou durante oito semanas seguidas, das quais, o trabalhador adotou a postura ereta por 28 dias.Para avaliar o impacto da utilização do Up Rose na qualidade de vida, foi utilizado o instrumento The World Health OrganizationQualityof Life - WHOQOL-bref contendo 26 questões divididas em quatro domínios: físico, psicológico, relações sociais e meio ambiente.Bem como,ao final da pesquisa foi realizada uma entrevista com o trabalhador a fim de elucidar as suas reais opiniões quanto à tecnologia assistiva e suas repercussões no seu ambiente de trabalho e saúde. Resultados: Participou do estudo indivíduo de 23 anos, sexo masculino com lesão medular C6-C7. Em relação a qualidade de vida, os valores obtidos pelo WHOQOL aumentou de 77,8% para 78,9% ao final do protocolo. O domínio psicológico foi o que obteve maior alteração positiva, seguido pelo domínio físico. Na entrevista realizada após o protocolo, o trabalhador citou que manter-se em equilíbrio no Up Rose para realizar o alcance de determinados objetos foi uma das principais dificuldades no uso do aparelho, relatou também ter uma maior e melhor locomoção e estabilidade em sua cadeira de rodas. Quando questionado sobre o uso da tecnologia como uma ferramenta nas atividades de trabalho, expôs que o aparelho seria mais bem aproveitado em ambiente domiciliar, devido à baixa velocidade, dificultando assim, a agilidade nos processos laborais. Como ponto positivo citou a facilidade em poder respirar" durante o uso do equipamento, além de um maior rendimento em suas atividades laborais e treinos de esporte. Conclusão: A tecnologia assistiva nos parece ser uma boa opção para reduzir os efeitos do confinamento à cadeira de rodas, porém faz-se necessário a criação de novas tecnologias e até mesmo o aprimoramento da citada neste estudo para que se permita uma melhor mobilidade e alcance, a fim de que a mesma possa ser utilizada rotineiramente no ambiente de trabalho.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.