PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO ATIVO: UMA EXPERIÊNCIA COM UM GRUPO DE IDOSOS EM UM CENTRO DE CONVIVÊNCIA

Rachel Cavalcanti Fonseca Pereira, Márcia de Oliveira Delgado, Ivaldo Menezes Júnior, Isabella De França Moura, Rosa Camila Gomes Paiva

Resumo


INTRODUÇÃO: Atualmente observa-se uma preocupação maior com o envelhecimento populacional visto que o número de pessoa idosa vem crescendo em todo o mundo em relação às outras faixas etárias da população, estreitando a base da pirâmide populacional. Esse fenômeno pode ser explicado pela diminuição da mortalidade, aumentando a expectativa de vida e pela diminuição da taxa de fecundidade. Com o processo de envelhecimento, surgem modificações anatomofisiológicas, tornando a pessoa idosa mais vulnerável a ter problemas de saúde, e juntamente com o aumento da expectativa de vida, a população idosa está sujeita as essas alterações, afetando tanto a capacidade funcional, podendo ser acometido por doenças crônico-degenerativas, as quais precisam ser prevenidas. Diante desta perspectiva, surge o envelhecimento ativo, o qual é citado pela Política Nacional da Pessoa Idosa (PNPI) como estratégia que deve guiar as ações dos profissionais envolvidos no cuidado a esta população, incluindo o fisioterapeuta. O envelhecimento ativo pode ser conceituado como um processo que otimiza oportunidades de saúde, melhorando a participação e a segurança das pessoas idosas, tendo como finalidade melhorar a qualidade de vida no decorrer do processo de envelhecimento. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Esta atividade é fruto da parceria entre a equipe da Unidade de Saúde da Família (USF) do Castelo Branco I com a disciplina ESI fisioterapia na atenção básica. Este projeto foi iniciado em fevereiro de 2012, pelo Curso de fisioterapia do UNIPÊ e em Fevereiro deste ano foi dado continuidade pela FCM, sob supervisão da mesma docente. O Centro de Convivência da Pessoa Idosa (CCI) faz parte do território do Castelo Branco I e atualmente conta com 150 idosos cadastrados, os quais realizam atividades junto a equipe multiprofissional do local. As atividades da fisioterapia ocorrem todas as sextas feiras das 14:30 as 16:00 h, envolvendo em média 28 idosos, sendo a maioria mulheres (90%) e com idade média de 71 anos. Todos os idosos participantes, foram previamente avaliados pelos discentes, caracterizando o perfil funcional, para iniciarem no programa de exercícios em grupo. A metodologia utilizada conta com roda de conversa sobre temas diversos incluindo: saúde, educação, direitos e qualidade de vida. Bem como, a verificação dos Sinais Vitais e prática corporal em grupo (aquecimento por 10 min; alongamento global por 10 min; exercícios ativo-livre e resistido por 15 minutos; relaxamento por 5 min). IMPACTOS: Observa-se ao longo do tempo que os envolvidos no projeto, mostram-se mais independentes funcionalmente, principalmente para a marcha; mais ativo socialmente; e com ganhos na sociabilização e vínculo com os outros idosos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As ações de saúde desenvolvidas pelo fisioterapeuta podem proporcionar uma melhor qualidade de vida para as pessoas idosas através de atividades que promovam vida saudável e ativa. A pesquisa e extensão permitem a atuação em diversos cenários práticos, existindo um rica troca de saberes entre os envolvidos.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.