A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS INDIVÍDUOS VITIMAS DE UMA TRAGÉDIA AMBIENTAL

Letícia Monclaro Mouteira, Andréa Serra Graniço, Kenia Toledo Nolasco Cabral, Maria Lucia Rebello Marra Smolka, Mariana Beatriz Arcuri, Renata Mendes Barboza, Vinícius Baltar de Araújo, Johnatas Dutra Silva

Resumo


Introdução: Em janeiro de 2011, na Região Serrana do Estado do RJ, ocorreu a maior tragédia climática do país. Segundo a defesa civil o município de Teresópolis 50.500 pessoas foram afetadas onde 6.727 desabrigados, 9.110 desalojados, 355 mortos e 837 feridos. Para solucionar a questão dos desabrigados e desalojados iniciou -se o Projeto do Conjunto Habitacional da Fazenda Ermitage, portanto as unidades habitacionais somente foram entregues as famílias em agosto de 2017, ou seja, 6 anos e 7 meses após o ocorrido. Neste condomínio residem hoje em média 10.000 pessoas cabendo ao local receber em torno de 03 equipes de saúde da família pois o Ministério da Saúde prevê uma equipe para no máximo 4.000 pessoas e recomenda que cada equipe seja responsável por 3.000 pessoas garantindo a equidade. Os moradores do local citado não dispõem de unidade de saúde sendo assim, a Instituição através do COAPES - Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde apresentou um projeto a Secretaria de Saúde que visa reconhecimento de território, cadastramento das famílias, levantamento epidemiológico, promoção a saúde, etc. Descrição: Em março de 2018, o Curso de Fisioterapia iniciou a inserção dos estudantes neste cenário de prática, o primeiro desafio foi para o preenchimento dos cadastros individual/territorial e individual, dados que foram cedidos à Secretaria de Saúde, A fisioterapeuta preceptora escolheu o Condomínio Girassóis composto por 9 blocos para iniciar o cadastramento, Os estudantes sempre estão acompanhados de uma fisioterapeuta e uma enfermeira, no início houve uma certa resistência dos moradores pois, não compreendiam porque uma Instituição de Ensino Superior estava inserida no local, aos poucos foram sensibilizados a ponto de muitos que no início se recusaram a compartilhar informações foram por demanda espontânea solicitar cadastramento. Impactos: Em maio de 2018, 49 famílias estavam cadastradas e um total de 82 cadastros individuais completos, identificamos que dos entrevistados 24% apresentavam diagnóstico de hipertensão arterial, 15 % sobrepeso e 12% se auto afirmaram dependentes químico e 11% relatam problema osteomusculares, uso de tabaco 0% dos entrevistados seguidos 7% de etilistas e 7% de diabéticos, abaixo de 7 % identificamos doença mental, renal e baixo peso.Com este levantamento iniciamos a intervenção de promoção da saúde: aferição de Pressão arterial verificação de glicemia capilar, atividades de alongamento, orientação postural, cinesioterapia ativa livre, assistida e resistida, em alguns momentos ao percebermos crianças no hall dos prédios realizamos atividades psicomotoras de forma lúdicas para facilitar a integração e o convívio social. Considerações: Essa iniciativa vem gerando impacto para a comunidade pois, percebem a preocupação e o compromisso da instituição com a saúde dos moradores e garante a presença de um profissional/informação pelo mesmo 01 vez por semana para orientações e intervenções. Para os acadêmicos a importância de estar inserido em um cenário tão rico contribui para o processo ensino-aprendizagem e para a formação enquanto cidadão.Para o acadêmico é garantido a discussão dos casos vivenciados visando resolutividade e melhora da qualidade de vida dessas pessoas que em 2011 não perderam apenas seus imóveis e sim entes queridos, histórias, conquistas, etc.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.