O FISIOTERAPEUTA COMO ATOR SOCIAL E MULTIPROFISSIONAL NO CONTEXTO DA SAÚDE COLETIVA E NA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: RELATO DA RESIDÊNCIA EM SAÚDE DA FAMÍLIA

Ahyas Sydcley Santos Alves, Ana Raquel de Carvalho Mourão, Vinícius Ramon da Silva Santos, Marylia Santos Pereira, Maria Jasmine Gomes da Silva

Resumo


Introdução: O Sistema Único de Saúde mudou o conceito de saúde para uma visão biopsicossocial. Nesse contexto, o Fisioterapeuta adquiriu crescente expansão nos serviços de Atenção Primária à Saúde (APS), desmistificando sua atuação apenas reabilitadora. Porém, ainda é desafiante sua atuação como ator social e multiprofissional (olhar e atuação ampliados biopsicossocialmente da saúde), seja pelos passos lentos na formação acadêmica ou pelas muitas dúvidas do seu papel para população ou o meio científico, visto escassa literatura, e, sua inserção nas residências multiprofissionais vem para alterar esse contexto. Descrição: Este relato justifica-se na apresentação da vivência em serviços de saúde, território e comunidade do Fisioterapeuta na Residência Multiprofissional em Saúde da Família e sua importância para formação como ator social e multiprofissional na APS no contexto da Saúde Coletiva (SC), de forma descritiva e observacional, num bairro na cidade de Maceió-Alagoas, no período de março a maio de 2018. Impactos: A Fisioterapia é uma Ciência que estuda, diagnostica, previne e recupera pacientes com distúrbios cinéticos funcionais nas condições psico-físico-social. Entretanto, a partir da vivência apresentada, verificou-se que uma parcela dos Fisioterapeutas, contraditoriamente, ainda tendem a ver os problemas de saúde solucionados apenas pelo setor saúde, com lógica curativista e valorização excessiva da doença, limitando seu lugar social. A partir do vivenciado na realidade da residência do Fisioterapeuta na APS e SC, resultou-se vários questionamentos e inquietações acerca de sua atuação, que seguem: o que se aprende sobre ser Fisioterapeuta na APS e SC? O que a Universidade, as técnicas, os cursos não ensinam sobre o papel social do Fisioterapeuta? Constatou-se, que: o Fisioterapeuta como profissional de saúde, deve ser aquele que cuida de gente, não apenas se especialize em lesão ou em joelho, mas especialista em gente; Como ator social e multiprofissional, deve refletir nas diversas casualidades e determinantes sociais no processo saúde-doença e todas as interseccionalidade atravessantes, seja gênero, etnia, a renda, a religião; O Fisioterapeuta vive e faz parte atuante de uma sociedade sendo acima de tudo uma profissão social; É preciso ler, aprender, refletir e sair da caixa do desconhecimento, e reconhecer o/a usuário/paciente/comunidade como o maior detentor (a) do conhecimento sobre sua saúde; Se faz necessário que o Fisioterapeuta reconheça que o paciente/usuário tem pulmão e também tem sentimentos, tem ossos e também tem família, tem músculos e também pode ser bissexual e que o cuidar Fisioterapêutico vai além, vai do acolher ao fazer um exercício, de fazer uma técnica de reexpansão ao criar vínculos, do levantar halteres ao escutar; Os contextos mudam, pessoas mudam, opiniões mudam, saúde muda, ciências mudam e a Fisioterapia também muda. Considerações: Considera-se que a participação do residente Fisioterapeuta na APS e SC, é essencial, tendo em vista que o mesmo se encontra habilitado para desenvolver cuidados em promoção, prevenção, educação em saúde e transformação social, sem perder a sua relevância na reabilitação, e que essa atuação impacta grandemente na sua profissionalização, pensamento social, capacitação e humanização.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.