APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE JOVENS UNIVERSITÁRIAS

Maristella Borges Silva, Fernando Max Lima, Vítor de Melo Borges Neto, Dernival Bertoncello

Resumo


Objetivo: Avaliar e caracterizar a aptidão física relacionada à saúde de jovens universitárias não treinadas de cursos de graduação de uma universidade pública brasileira. Métodos: As participantes responderam a um questionário sobre os seus dados pessoais e realizaram avaliação física abrangendo dados vitais; dados antropométricos; flexibilidade muscular; força de preensão palmar; testes de força e resistência muscular com uso da massa corporal e com o uso de aparelhos de musculação. Resultados: Participaram 28 voluntárias (21,67±1,96 anos) que apresentaram risco moderado para a saúde na avaliação do parâmetro de relação cintura-quadril, alterações no componente flexibilidade, com escore classificado como ruim no teste de sentar e alcançar e valores abaixo da média para flexões de braço. Conclusões: Há necessidade de políticas especificas de promoção de hábitos saudáveis e de prática de atividades físicas, uma vez que, jovens sedentárias são representativas de boa parcela da população brasileira e, a curto prazo, ingressarão na categoria de pessoas economicamente produtivas e mais suscetíveis às doenças crônico-degenerativas em decorrência do avanço da idade.


Palavras-chave


Aptidão física; Estilo de vida sedentário; Perfil de saúde; Saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


Glaner MF. Importância da aptidão física relacionada à saúde. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2003;5(2):75-85.

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thume E, Silveira DS et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidade básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24:39-54.

Zanchetta LM, Barros MBA, César CLG, Carandina L, Goldbaum M, Alves MCGP. Inatividade física e fatores associados em adultos. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(3):387-399.

Telama R, Laakso L, Nupponen H, Rimpelä A, Pere L. Secular trends in youth physical activity and parents’ socioeconomic status from 1977 to 2005. Pediatr Exerc Sci. 2009;21:462-474.

Rankinen T, Bouchard C. Physical activity, Mortalily, and Genetics. Am J Epidemiol. 2007;166(3):260-2.

Dias DF, Reis ICBd, Reis DAd, Cyrino ES, Ohara D, Carvalho FO, et al. Comparação da aptidão física relacionada à saúde de adultos de diferentes faixas etárias. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2008;10(2):6.

Hillman CH, Erickson KI, Kramer AF. Be smart, exercise your heart: exercise effects on brain and cognition. Nat Rev Neurosci. 2008;9:58-65.

Aberg MAI, Pedersen NL, Torén K, Svartengren M, Bäckstrand B, Johnsson T, et al. Cardiovascular fitness is associated wiyh cognition in young adulthood. PNAS. 2009;106(49):20906-11.

Erickson KI, Prakash RS, Voss, MW, Chaddock L, Hu L, Morris KS, et al. Aerobic fitness is associated with hippocampal volume in elderly humans. Hippocampus. 2009;19:1030-1039.

Sibley BA, Etnier JL. The relationship between physical activity and cognition in children: a metaanalysis. Pediatr Exerc Sci. 2003;15:243-256.

Kendall FP. Músculos: provas e funções. 5rd. São Paulo: Manole; 2007.

Santos C. Estatística descritiva: manual de auto-aprendizagem. Lisboa: Silabo; 2007. 264p.

WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation. WHO Technical Report Series 894. Geneva: World Health Organization, 2000.

De Onis, M.; Habicht, J.P. Anthropometric reference data for international use: Recommendations from a World Health Organization Expert Committee. Am. J. Clin. Nutr. 1996;64,650-658.

Canadian Standardized Test of Fitness – CSTF – Operations manual. 3rd. Canada: Minister of Supply and Services Canada; 1987. 40 p.

Corbin CB, Lindsey R. Concepts in physical education. 9rd. Dubuque: WCB Brown and Benchmark; 1997.

Guedes DP, Guedes JERP. Manual prático para avaliação em educação física. Barueri: Manole; 2006. 429p.

IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 2011 [cited 2011 Sep 9]. Available from: http://www.censo2010.ibge.gov.br/.

Pleis JR, Ward BW, Lucas JW. Summary health statistics for U.S. adults: National Health Interview Survey, 2009. Vital and Health Statistics, Series 10, No. 249. Hyattsville, Md: US Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics; 2010. DHHS publication No. (PHS) 2011-1577 [cited 2011 sep 9]. Available from: http://www.cdc.gov/nchs/data/series/sr_10/sr10_249.pdf.

Azevedo Mario R, Horta Bernardo L, Gigante Denise P, Victora Cesar G, Barros Fernando C. Fatores associados ao sedentarismo no lazer de adultos na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS. Rev. Saúde Pública. 2008;42( Suppl 2 ):70-77.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes e recomendações cuidado integral de doenças crônicas nãotransmissíveis. Promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

U.S. Department of Health and Human Services. Physical activity guidelines advisory committee report. Washington, DC: U.S. Department of Health and Human Services; 2008.

World Health Organization. Reducing risks, promoting healthy life. Geneva; 2002. (The World Health Report, 2002).

Schramm JMA, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Gadelha AMJ, Portela, MC, et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2004;9(4):897-908.

Ministério da Saúde. A vigilância, o controle e a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis – DCNT – no contexto do Sistema Único de Saúde brasileiro. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.

Rassilan EA, Guerra TC. Evolução da flexibilidade em crianças de 7 a 14 anos de idade de uma escola particular do município de Timóteo-MG. Movimentum - revista digital de eduação física. 2006;1:1-13.

Araújo SS, Oliveira H, Paz AA, Santos CAS. Avaliação da flexibilidade de adolescentes através do teste de sentar e alcançar. Revista Vida e Saúde. 2002;1(1):1-5.

Broderick CR, Winter GJ, Allan RM. Sport for special groups. MJA. 2006; 184(6):297-302.

Bohannon RW. Muscle strength: clinical and prognostic value of hand-grip dynamometry. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2015;18:465-70.

Sánchez Torralvo FJ, Porras N, Abuín Fernández J, García Torres F, Tapia MJ, Lima F, et al. Normative reference values for hand grip dynamometry in spain. Associantion with lean mass, Nutr Hosp. 2018;35:98-103.

Moreira D; Godoy JR; Júnior WS. Estudo sobre a realização da preensão palmar com a utilização do dinamômetro: Considerações anatômicas e cinesiológicas. Revista Fisioterapia Brasil. 2001;2(5):295-300.

American Heart Association. Heart disease and stroke statistics—2011 update: a report from the American Heart Association. Circulation. 2011; 123:e146.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v5n9.p32

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.