FISIOTERAPIA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO BRASIL

Isabel Aparecida Porcatti de Walsh, Dernival Bertoncello, Jéssica Carvalho Lima

Resumo


Várias iniciativas da sociedade brasileira vêm procurando avançar nas políticas públicas de atenção integral em Saúde do Trabalhador e o maior avanço foi o reconhecimento constitucional como área contida no âmbito da saúde pública. No entanto, os obstáculos ainda são grandes. Os recursos materiais e quadro de pessoal capacitado ainda é insuficiente e os indicadores nacionais colocam o país em situação crítica em relação às nações socialmente mais desenvolvidas. Nesse sentido, cabe a reflexão respeito da atuação da Fisioterapia nesse campo. Entre as especialidades fisioterapêuticas, a Saúde do Trabalhador e Ergonomia vêm aumentando em relevância, com um crescente número de profissionais atuando nessa área. As Resoluções do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia ocupacional forneceram clareza sobre os papéis dos fisioterapeutas dentro desta especialidade, mas ainda há muito a percorrer para que, cada vez mais, essa área de atuação seja reconhecida pelas empresas, governo, sociedade e, principalmente, pelos trabalhadores, foco dessa atuação. Os órgãos representantes da categoria e as Instituições de Ensino Superior têm papel importante para divulgar, explicitar melhor a área e trabalhar mais as disciplinas relacionadas à saúde do trabalhador, bem como conduzir esses profissionais ao que lhes cabe realizar nessa área.


Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Fisioterapia; Ergonomia.

Texto completo:

PDF

Referências


- Minayo-Gomes CM.; Vasconcellos LCF; Machado JMH. Saúde do trabalhador: aspectos históricos, avanços e desafios no Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1963-1970, June 2018.

- Minayo-Gomes CM, Thedim-Costa SMF. A construção do campo de saúde do trabalhador: percursos e dilemas. Cad Saúde Pública. 1997;13(2):21-32

- Brito J. Trabalho e Saúde Coletiva: o ponto de vista da atividade e das relações de gênero. Ciência e Saúde Coletiva, 10(4):879-890, 2005.

- Lacaz FAC. O Campo da Saúde do Trabalhador: Resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cad Saude Publica 2007; 23(4):757-766).

- Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União 6 out 1988.

- Brasil. Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União 20 set 1990.

- Dias EC, Hoefel MG. O desafio de implementar as ações de Saúde do Trabalhador no SUS: a estratégia da RENAST. Cien Saúde Colet 2005; 10(4):817-828).

- Brasil. Portaria nº 1.679 de 19 de Setembro de 2002. Dispõe sobre estruturação da rede nacional de atenção integral à saúde do trabalhador no SUS e dá outras providências. Diário Oficial da União 20 set 2002.

- Brasil. Portaria nº 2.728 de 11 de Novembro de 2009. Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências sendo inegável o avanço da área, com a criação de

uma identidade comum. Diário Oficial da União 12 nov 2009.

- Brasil, Ministério da Saúde. Portaria Nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a política nacional de saúde do trabalhador e trabalhadora. Brasília, DF, agosto 2012.

- Lacaz FAC. Saúde do trabalhador: um estudo sobre as formações discursivas da Academia, dos Serviços e do Movimento Sindical. 1996. 435 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva)–Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 1996.

- Lacaz FAC. Política Nacional de Saúde do Trabalhador: desafios e dificuldades. In: Lourenço E et al. (Org.). O avesso do trabalho II: trabalho, precarização e saúde do trabalhador. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 199-230.

- Costa D; Lacaz AC; Jackson Filho JM; Vilela RAG. Saúde do Trabalhador no SUS: desafios para uma política pública. Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, 38 (127): 11-30, 2013

- COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?page_id=2344. Acesso em: 30 jan 2019.

- Neves LMT; Aciole GG. Desafios da integralidade: revisitando as concepções sobre o papel do fisioterapeuta na equipe de saúde da família. Interface (Botucatu). 2011;15(37):551-64.

- Padula RS et al. Physical therapy in occupational health and ergonomics: practical applications and innovative research approaches. Braz. J. Phys. Ther., São Carlos, v. 20, n. 5, p. 490-492, Oct. 2016.

- Brasil. Ministério da Saúde do Brasil. Representação no Brasil das doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos OPAS/OMS para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

- Rodrigues RM. A fisioterapia no contexto da política de saúde no Brasil: aproximações e desafios. Perspectivas. 2008;2(8):104-9.

- Melo et al. Atuação do fisioterapeuta nos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador: indicadores das notificações dos Dort. Fisioter Pesqui. 2017;24(2):136-142.

- Bispo Junior JP. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, p. 1627-1636, June 2010.

- Dias EC, Chiavegatto CV, Silva TL, Reis JC, Silva JM. Construção da Renast em Minas Gerais: a contribuição dos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), 2002-2007. Rev Med Minas Gerais. 2010;20(2):66-74.

- Minayo-Gomez CM. Avanços e entraves na implementação da Política Nacional de Saúde do Trabalhador. Rev Bras Saúde Ocup. 2013;38(127):11-30.12.

- Baú LM; Klein AA. O reconhecimento da especialidade em fisioterapia do trabalho pelo COFFITO e Ministério do Trabalho/CBO: uma conquista para a fisioterapia e a saúde do trabalhador.Rev. bras. fisioter., São Carlos , v. 13, n. 2, p. V-VI, Apr. 2009.

- COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. RESOLUÇÃO Nº. 351, DE 13 DE JUNHO DE 2008. Dispõe sobre o Reconhecimento da Fisioterapia do Trabalho como Especialidade do profissional Fisioterapeuta e dá outras providências. Disponível: Acesso em 24 jan 2019.

- Baú LMS. Fisioterapia do trabalho: ergonomia, legislação, reabilitação. Curitiba. Ed. Clãdosilva, 2002.

- COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - COFFITO nº 403 de 03.08.2011. Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia do Trabalho e dá outras providências. Diário Oficial da União; Brasília; 24 nov 2011

- COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução COFFITO Nº 465 DE 20/05/2016. Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia do Trabalho e dá outras providências. Diário Oficial da União; Brasília; 25 mai 2016

- Maia FES. Fisioterapia do Trabalho: Uma conquista para a fisioterapia e a saúde do trabalhador. Revisão de literatura. Rev Urutágua. 2014;(29):124-34.

- Veronesi Júnior JR. Perícia judicial para fisioterapeutas: perícia cinesiológica funcional, assistência técnica judicial, modelos e legislações. 3. ed. São Paulo: Andreoli; 2009.

- Moser AD; Kerhig R. O conceito de saúde e seus desdobramentos nas várias formas de atenção à saúde do trabalhador. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v.19, n.4, p. 89-97, out./dez., 2006

- COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. ABENFISIO. Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia. Esboço de minuta das diretrizes curriculares nacionais do Curso de graduação, bacharelado, em fisioterapia. 2017. Disponível em: http://abenfisio.com.br/wp-content/uploads/2017/08/ESBO%C3%87O-MINUTA-DCN-FISIOTERAPIA-EM-17.06.2017.-1.pdf. Acesso em 30 jan. 2019

- Vasconcellos LCF; Aguiar L. Saúde do Trabalhador: necessidades desconsideradas pela gestão do Sistema Único de Saúde. Saúde debate, Rio de Janeiro. v. 41, n. 113, p. 605-617, Apr. 2017




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v5n9.p69

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.