FATORES ASSOCIADOS A VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA CONTRA A PESSOA IDOSA NO ESPÍRITO SANTO

Gracielle Pampolim, Franciele Marabotti Costa Leite

Resumo


Introdução: A violência contra o idoso é considerada um problema mundial, complexo e multicausal, que está presente em todas as esferas geográficas e sociais, e resulta em consequências devastadoras aos idosos, tanto no âmbito físico quanto psicológico e relacional. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a violência é responsável pela baixa qualidade de vida, distúrbios emocionais, estresse psicológico, isolamento, lesões e traumas físicos. E não obstante, ainda aumentam o risco para internações hospitalares ou em casas de repouso e podem resultar em óbito. Objetivo: Identificar os fatores associados a violência psicológica praticada contra a pessoa idosa. Metodologia: Trata-se de um estudo analítico transversal, que utilizou dados notificados da violência contra a pessoa idosa, registrados no Sistema de Informação de Agravos e Notificação do Espírito Santo, entre 2011 e 2018. As notificações foram analisadas segundo tipo de violência, onde foi realizado o recorte dos 193 casos de violência psicológica; as variáveis independentes foram compostas pelas características da vítima faixa etária, sexo, raça/cor, escolaridade, e presença de deficiência/transtorno; as características do agressor - idade em anos, sexo, vínculo e uso de álcool; e características da agressão - se ocorreu na residência, turno, repetição, zona, motivação por intolerâncias. Os dados foram analisados através do Qui-Quadrado e da Regressão de Poisson bruta e ajustada com os valores expressos em Razão de Prevalência. Resultado: Após análise ajustada do modelo de regressão idosos do sexo feminino apresentaram aproximadamente 3,8 vezes mais prevalência de violência psicológica do que os do sexo masculino (RP: 3,83 IC95%: 2,49-5,88). No que se refere às características do agressor, percebe-se que este agravo é mais frequentemente praticado pelo companheiro (RP: 4,86; IC95%: 1,16-20,28), e é mais prevalente no grupo com histórico de violência de repetição (RP: 3,59; IC95%: 2,10-6,13). Conclusão: A violência contra a pessoa idosa rapidamente tem se tornado uma grave questão de saúde pública, principalmente por ser um problema que não apresenta distinção social e cujas consequências exigem a disponibilidade de serviços e causam novos desafios e maiores demandas de atendimento no setor saúde. A identificação das suas nuances é essencial para que seja possível propor e apontar medidas que norteiem as equipes de saúde quanto às melhores formas de gerir os cuidados e orientações para estes indivíduos e seu familiar e/ou cuidador. Além de subsidiar a efetiva implementação e avaliação das políticas de enfrentamento à violência contra o idoso.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.