PADRÕES DE MULTIMORBIDADE EM IDOSOS BRASILEIROS: DESCRIÇÃO POR SEXO E FAIXA ETÁRIA COM DADOS DA PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE

Ana Lúcia Danielewicz, Tauana Prestes Schmidt, Janaína Rocha Niehuestalita Tuon

Resumo


Introdução: A multimorbidade vem sendo estudada em padrões de acometimento (cardiopulmonar, vascular-metabólico e mental-musculoesquelético), os quais são definidos conforme as semelhanças clínicas de determinadas doenças crônicas. Especialmente nos idosos, tais padrões têm sido associados à pior qualidade de vida, incapacidade e risco elevado de morte, tornando-se importante a identificação do seu perfil de acometimento com relação ao sexo e faixa etária, a fim de auxiliar em estratégias de prevenção direcionadas e eficazes. Objetivo: Descrever os padrões de multimorbidade de acordo com o sexo e faixa etária em idosos brasileiros. Metodologia: Foram utilizados dados dos indivíduos com com 60 anos ou mais, amostrados na Pesquisa Nacional de Saúde realizada em 2013. Os padrões de multimorbidade foram definidos pela coexistência de duas ou mais doenças crônicas em três grupos:1 - Cardiopulmonar (doenças do coração, asma ou bronquite asmática, doença pulmonar obstrutiva crônica - DPOC); 2- Vascular-metabólico (hipertensão arterial sistêmica, diabetes, hipercolesterolemia, acidente vascular encefálico, câncer, insuficiência renal crônica); 3- Mental musculoesquelético (artrite ou reumatismo, problema crônico de coluna, doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho, depressão, doença mental-esquizofrenia). A idade categorizada em: 60 a 69 anos; 70 a 79 anos; maior ou igual a80 anos; e o sexo (feminino; masculino) foram autorreferidos. As análises descritivas foram realizadas no software STATA, versão 14.0. Resultado: Foram analisados 23.815 idosos (55,7% do sexo feminino) com idade média de 69,8 anos (Desvio Padrão = 8,1). A prevalência de multimorbidade foi maior no padrão vascular-metabólico com 12,35% (IC95%:12,06;12,64), seguido do cardiopulmonar com 0,93% (IC95:0,86;0,10) e mental-musculoesquelético com 0,65% (IC95:0,63;0,67). O padrão cardiopulmonar se mostrou mais elevado nas mulheres com 1,08% (IC95%: 0,97-1,19) e nos idosos com 80 anos ou mais (2,74% IC95%: 2,02;3,69). O vascular-metabólico também foi maior no sexo feminino (14,08 IC95%: 13,69;14,48) e naqueles com idade entre 70 e 79 anos (32,72% IC95%: 31,11-34,37). Igualmente, o padrão mental-musculoesquelético manteve-se maior nas mulheres (8,93% IC95%: 8,63; 9,23), porém, com maior proporção na faixa etária mais jovem, entre 60 e 69 anos (12,55% IC95%: 11,75;13,39). Conclusão: O padrão de multimorbidade vascular metabólico foi o mais prevalente entre os três investigados. Todos os padrões se mostraram mais prevalentes no sexo feminino e variaram conforme a faixa etária, sendo o vascular metabólico mais elevado nos idosos mais velhos (80 anos ou mais) e o mental-musculoesquelético nos idosos mais novos (60 a 69 anos). Esses resultados se mostram importantes para o manejo da multimorbidade nas diretrizes das práticas de saúde, priorizando a prevenção de doenças crônicas com abordagens voltadas ao perfil sociodemográfico dos idosos.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.