PERFIL DOS CUIDADORES DE USUÁRIOS RESTRITOS AO LAR DE UM DISTRITO SANITÁRIO DE CAMPO GRANDE/MS

Arthur de Almeida Medeiros, Adriane Pires Batiston, Lais Alves de Souza Bonilha, Fernando Pierette Ferrari, Gustavo Christofoletti

Resumo


Introdução: A atual situação de saúde do Brasil marcada pela elevação das condições crônicas de saúde e da violência urbana tem gerado um cenário preocupante de aumento no número de situações de saúde incapacitantes, sejam temporárias ou permanentes. Tais situações contribuem para o incremento do número de usuários que se tornam restritos ao seu próprio lar. A condição de restrito ao lar, muitas vezes, gera a necessidade de acompanhamento permanente de uma pessoa cuidadora, e esta realidade é preocupante visto que a responsabilidade do cuidado é somada as atividades do dia-a-dia gerando uma sobrecarga biopsicossocial. Objetivo: Descrever o perfil dos cuidadores de usuários restritos ao lar assistidos pelas equipes da Estratégia Saúde da Família em um distrito sanitário de Campo Grande/MS e avaliar o nível de sobrecarga destes cuidadores. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal realizado com cuidadores de usuários restritos ao lar assistidos pelas equipes de saúde da Estratégia Saúde da Família do distrito sanitário norte de Campo Grande/MS. Após a identificação dos usuários restritos ao lar pelos agentes comunitários de saúde procedeu-se visita domiciliar para realização de entrevistas com os cuidadores e avaliação da funcionalidade dos usuários restritos. O nível de sobrecarga dos cuidadores foi avaliado utilizando-se a escala Burden Interview e a funcionalidade foi avaliada através da MIF (medida de independência funcional). Para a análise dos resultados constituiu-se um banco de dados no software SPSS 23.0, onde foi realizada análise estatística descritiva e para verificação da associação entre nível de sobrecarga e funcionalidade utilizou-se o teste de Correlação linear de Spearman com nível de significância de 5%. Resultado: Foram entrevistados 218 cuidadores sendo a maioria mulheres (n=190/87,2%), com idade média de 52,2±13,6 anos, que não receberam orientações de como prestar o cuidado (n=131/60,1%) e que apresentam nível de sobrecarga entre moderada e severa (n=134/61,5%). O cuidado em grande parte é ofertado pelas filhas (n=71/32,6%) ou mães (n=46/21,1%) e verificou-se que há associação inversamente significativa entre o nível de sobrecarga e a funcionalidade dos usuários restritos que recebem o cuidado. Conclusão: Os dados apontam que ainda há a cultura de que a mulher é quem desempenha o papel de cuidadora, no entanto, não recebem nenhum tipo de apoio para a realização desta função e diante das especificidades, com o passar do tempo, apresentam nível de sobrecarga elevado, principalmente quando o usuário a ser cuidado tem redução de sua funcionalidade. Assim, verifica-se que os cuidadores passam a constituir-se em uma população que apresenta riscos sociais, econômicos e de saúde e que, portanto, necessitam de atenção especial no processo de formulação de políticas públicas.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.