REVISÃO DA LITERATURA: SALA DE AULA INVERTIDA OU FLEEP CLASSROON

Leticia Monclaro Mouteira, Andrea Serra Graniço, Aldo José Fontes Pereira, Rodrigo Henrique Torbis Batista Gonçalves

Resumo


Introdução: A discussão de métodos de ensino aprendizagem que possibilitam o protagonismo do aluno tem sua matriz no século XX com os trabalhos de Ovide Decroly e Jonh Dewey. Segundo os mesmos o aprendizado deve ocorrer a partir de áreas de interesse sendo consoante com a prática. Decorrente de tal movimento em 1991 fora desenvolvida o método da Sala de Aula Invertida por Eric Mazur professor em Havard, sendo implementada e modificada para outros autores como J. Wesley Baker, Jonathan Bergamann e Aeron Sams. Os respectivos autores preconizam que os alunos devem estudar previamente em casa os conceitos para dentro da sala de aula junto aos professores discutir e aplicá-los a pratica. Tendo por vantagens esse método a não obrigatoriedade da presença dos alunos em determinado espaço e tempo para compreender um conceito, elimina-se problemas com transporte, distância, saúde e até mesmo liberando os discentes de cargas emocionais desnecessárias por perderem conteúdo por diversos motivos sejam eles estudar para uma avaliação, participar de eventos acadêmicos, dentre outros, tal método permite auto-gerenciamento do processo de ensino aprendizagem. Nesta metodologia a presença do professor se torna mais eficaz, pois o permite aprofundar as discussões e ampliar o conhecimento dos alunos, instigando-os a pensar, solucionar e aplicar tanto de modo individual quanto em grupo. Objetivo: O presente trabalho tem por objetivos analisar e discutir achados científicos presentes na literatura entre os anos de 2003 a 2017. Metodologia: Este estudo é uma revisão bibliográfica não sistemática da literatura. Sendo realizada busca no através das plataformas da BVS no período de abril de 2019 a agosto de 2019 com o filtro de artigos publicados em português. Utilizei as palavras chave: Metodologia ativa; Sala de aula invertida; Fleep classroon, sendo encontrados 22 artigos que foram submetidos a Escala Pedro, todos que obtiveram pontuação maior de 6 foram utilizados e citados no presente estudo. Resultado: Na literatura a origem dessa metodologia ainda é discutida, contudo o ponto chave entre todos os autores é a antecipação de conteúdos teóricos a fim das aulas presenciais serem voltadas para a prática e discussão ampla dos assuntos previamente conhecidos. O meio utilizado para abordagem previa desse conteúdo pode variar, contudo a premissa é que todos os alunos possam ter acesso e assim terem chances iguais de busca e estudo. Um cuidado fundamental é não transmitir conteúdos de modo tradicional" e sim abusar de possibilidades dentro da ferramenta escolhida colocando o estudante em protagonismo no seu processo de ensino aprendizagem. Conclusão: Como um ramo dentro das várias técnicas de metodologias ativas o modelo Sala de Aula invertida se mostra diretamente dependente de organização, disponibilidade e investimento por parte tanto do docente e do discente. Este método pode ser facilmente construído, contudo se antes não houver a conscientização dos discentes sobre a necessidade de engajamento e dedicação o método não terá êxito.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.