CONHECIMENTO E PERCEPÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DA SAÚDE

Fernando Augusto Lavezzo Dias, Lunny Cecere de Sousa, Larissa da Silva Moller

Resumo


Introdução: As Doenças Cardiovasculares (DCVs) são a principal causa de mortalidade global. Segundo Abdela (2019), as DCVs podem ser evitadas quando o indivíduo conhece os fatores de risco. Porém, é necessário que ele tenha percepção dos fatores de risco a que está sujeito para que, busque alternativas apropriadas que resultarão na diminuição ou desaparecimento destes (BONOTTO, SASSI e SUSIN, 2016; TRAN et al., 2016). Dentre os fatores de risco o estresse pode ser ou tornar a ser prevalente no universitário (LIPP, 2010). A identificação do conhecimento e percepção em universitários da área da saúde em relação aos fatores de risco cardiovascular, assim como do estresse percebido é importante, pois são escassos os estudos que mensuram estas variáveis nesta população específica (BONOTTO, SASSI, SUSIN, 2016). Objetivo: Avaliar o conhecimento e a percepção sobre fatores de risco cardiovascular e o estresse percebido em estudantes universitários ingressantes e concluintes dos cursos da área da saúde, da UFPR, avaliando a prevalência e evolução da intensidade destes fatores ao longo da vida acadêmica. Metodologia: Foi realizado um estudo transversal, descritivo, com 320 universitários da área da saúde da UFPR, destes 226 eram iniciantes e 94 concluintes. O recrutamento da pesquisa se deu através de convites via e-mail, redes sociais e pessoalmente nas salas de aula. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Paraná/ Hospital de Clínicas UFPR, Curitiba, PR, Brasil, pelo parecer número 2.435.264. Para avaliação do conhecimento sobre fatores de risco para DCVs foi utilizado o questionário HDFQ, para avaliar a incidência dos fatores de risco questões foram elaboradas pelas autoras, para avaliar a percepção dos fatores de risco para DCVs foi utilizado o questionário PRHDS. O estresse psicológico foi avaliado pela PSS-14. A análise dos resultados e estatística foi realizada utilizando-se o programa SPSS, versão 20. A normalidade dos dados foi analisada pelo teste de Shapiro-Wilk. Os dados paramétricos foram demonstrados como média±desvio padrão, e os dados não paramétricos como mediana (intervalo interquartil). Para comparação entre os grupos foi utilizado o teste de Mann-Whithney, para dados não paramétricos e teste de chi-quadrado ou teste exato de Fisher para comparação de proporções. Resultado: Em relação a pratica de atividade física, os universitários praticam menos que 150 minutos por semana. Dentre os que conhecem a PA 54,7% dos estudantes possuem os valores acima de PA normal estando os demais abaixo. Sobre os que conhecem o CT, os universitários relataram possuir valores menores que 190 mg/dl. Quanto aos que conhecem a glicemia, a maioria apresentam a glicose abaixo de 100 mg/dl. Houve diferença significativa na proporção de respostas corretas, sendo maiores nos concluintes. Conclusão: Os estudantes universitários da área da saúde possuem conhecimento acerca dos fatores de risco para DCVs e este conhecimento aumenta ao longo do curso. A percepção em relação a susceptibilidade a doenças cardiovasculares é insuficiente e ao longo do curso não se altera. Em relação ao estresse percebido, os valores indicam níveis de estresse alto na população geral, e se mantém inalterado ao longo do curso.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.