UTILIZAÇÃO DA FICHA A COMO FERRAMENTA PARA ESTUDO DOS DOMICILIOS DE IDOSOS NA COMUNIDADE DO MARCOS FREIRE I - SE

Déborah Oliveira Damacena, Ledna Alves da Silva, Heloisa Suzane de Sá Matos, Jader Pereira de Farias Neto, Manuela Andrade de Albuquerque, Thiago Silveira Prado Dantas, Mauricio Lima Poderoso Neto, Leonardo Yung Dos Santos Maciel

Resumo


INTRODUÇÃO: De acordo com os estudos sociodemográficos a população idosa no Brasil vem crescendo assustadoramente, fazendo com que o país se mobilize em criar políticas públicas para esse segmento, tendo surgido a elaboração da Política Nacional de Saúde do Idoso, o Estatuto do Idoso, além da criação do NASF através da portaria nº 154/GM de 24 de janeiro de 2008 formado por uma equipe multidisciplinar com o objetivo de apoiar a Estratégia de Saúde da Família na Atenção Básica com foco na proteção e promoção da saúde, além de atendimento domiciliar, participação comunitária, controle social e realização de diagnóstico local com ênfase nas ações locais, visando reduzir a demanda sobre centros de saúde e hospitais. Assim o fisioterapeuta como membro integrante da Equipe de Saúde da Família tem um papel significativo, promovendo saúde e prevenindo doenças através de informações e orientações. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O trabalho foi desenvolvido por estudantes de Fisioterapia da Faculdade Estácio-FASE do 9º período no estágio da comunidade localizado no Marcos Freire I Município de Socorro/SE, na UBS Albert Sabin com o apoio dos Agentes Comunitários de Saúde, no período de Março, Abril e Maio de 2014 pela manhã de segunda a quinta das 10h às 12h, tendo como professora orientadora do estágio Heloísa Matos. Foi realizada uma coleta de dados domiciliares através da Ficha A, que é um instrumento de cadastramento muito utilizado pelos Agentes Comunitários de Saúde podendo ser utilizada por qualquer profissional de saúde, com o objetivo de identificar a família e seus membros além da situação da moradia para que a equipe de saúde possa atuar de forma planejada suas ações. Os estagiários foram divididos em grupos e cada grupo abrangeu uma rua específica do bairro adscrito com o intuito de cadastrar as famílias e verificar a necessidade de intervenção nas residências com informações e orientações às famílias quanto a modificação de hábitos errados prevenindo quedas e surgimento de doenças. IMPACTOS: As dificuldades mais encontradas na realização do cadastramento eram as residências fechadas, pois as famílias do município adscrito trabalhavam em sua maioria em outra cidade e só voltavam após o expediente de trabalho, ou seja, a noite; e a não aceitação que adentrássemos nas residências por insegurança. Foi percebido também que o instrumento de cadastramento não é completo para abranger outras áreas da estratégia de saúde da Família, se fazendo necessária a criação de um instrumento específico da fisioterapia para que se possam traçar estratégias mais apropriadas. No demais fomos bem recebidos e nosso trabalho pode ser bem elaborado e concluído. CONSIDERAÇÕES FINAIS: No sentido de fortalecer o NASF e ampliar cada vez mais suas ações, com práticas integrativas e complementares agindo também de forma interdisciplinar com outros profissionais se faz necessário o diagnóstico local da área a ser trabalhada. Com isso o presente estudo pode conhecer a população adscrita e suas reais necessidades através do cadastramento com a utilização da Ficha A, além de termos influenciado as pessoas com mudanças em seus hábitos com orientações, sendo que a fisioterapia atua com promoção e prevenção de doenças. A visita domiciliar pode representar uma oportunidade de utilização de técnicas fisioterapêuticas capazes de promover, desenvolver e restaurar a funcionalidade do movimento humano, relacionando as práticas de fisioterapia com as políticas de assistência à saúde dentro dos princípios do SUS.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.