O PROJETO INTEGRADOR COMO FERRAMENTA DE CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIAS EM UM CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA

Vanda Cristina Galvão Pereira

Resumo


Introdução: Atualmente, são consideradas necessárias propostas pedagógicas com utilização de estratégias interdisciplinares. Dentre elas, uma estratégia adequada e aplicável é o Módulo ou Projeto Integrador (PI), no sentido de ser uma estratégia pedagógica de caráter interdisciplinar, constituída de etapas, no sentido da integração curricular. O PI induz o princípio da transversalidade entre os conteúdos de ensino através de um eixo integrador desse currículo, o qual visa estabelecer um ponto de ancoramento comum entre as disciplinas de um mesmo período. No processo aqui apresentado, o Curso considerado foi o de Bacharelado em Fisioterapia. Descrição: Os projetos integradores desenhados para o Curso foram os seguintes: Áreas de Atuação e Possibilidades em Fisioterapia, onde seriam organizadas visitas técnicas e de aproximação com as diversas áreas de atuação e recursos; Análise do Movimento Humano, com atividades práticas direcionadas à compreensão do movimento humano; Avaliação e Recursos Fisioterapêuticos, onde se aproximariam à realidade da avaliação e prescrição de tratamento; Fisioterapia na Atenção Básica, Fisioterapia na Atenção Secundária e Fisioterapia na Atenção Terciária, quando seriam implementadas atividades de atendimento individual e coletivo nos diversos níveis de atenção à saúde. Como diretriz, foi elaborado um Documento Orientador para Elaboração do Plano de Ensino dos Projetos Integradores, que apresentava como conteúdo:Ementa da(s) disciplina(s) de origem: ementa da(s) disciplina(s) que foram modificadas / eliminadas da grade anterior, que viessem a ter o seu conteúdo programático inserido no Projeto Integrador;Demais disciplinas do período: as demais disciplinas ofertadas no mesmo período do PI em questão;Perfil do egresso: a descrição do perfil do egresso, associando as determinações das Diretrizes Curriculares Nacionais com as das Resoluções nº 559 de 2017 e 581 de 2018, que dispõem sobre as recomendações do Conselho Nacional de Saúde à proposta de Diretrizes do curso de graduação em Fisioterapia;Objeto de estudo: esclarecimento sobre o que é, efetivamente, o objeto de estudo da Fisioterapia; Dimensões e domínios: de acordo com as novas orientações que estão servindo de direcionamento para a atualização das DCN, e que contemplam o desenvolvimento da Atenção fisioterapêutica à saúde; Gestão, empreendedorismo e inovação em saúde; e, Educação para vida;Conhecimentos necessários: das Ciências Biológicas e da Saúde; das Ciências Sociais e Humanas; Conhecimentos Investigativos e das Ciências Exatas; da Saúde Coletiva; Conhecimentos Fisioterapêuticos Objetivos de desenvolvimento sustentável: Reconhecimento dos objetivos do desenvolvimento sustentável, na busca de uma contribuição ativa no processo de sua implementação;Competências e habilidades gerais e específicas para a formação em fisioterapia. Impactos: Até o presente momento foram implantados os PIs no 1º, 3º, 5º e 7º período, tendo excelente avaliação por conta dos docentes e discentes do Curso. Considerações: Haverá a necessidade de aplicar a estratégia aqui apresentada nos demais períodos, a fim de considerar a integralidade do Curso. Somente após, com a totalidade do currículo colocada em prática, será possível realizar uma avaliação mais concreta da atividade com o registro adequado do resultado alcançado.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.