PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS NO PROJETO RESPIRA COMO EIXO PRÁTICO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DA GRADUAÇÃO

Bianca Espinosa dos Santos, Lohanna Chrystina dos Santos Antunes de Macedo, Giovanna Campos Santos, Amanda de Oliveira Arguelho, Brenda Lee Silva Rocha, Leila Simone Foerster Merey, Juliana Teixeira de Almeida

Resumo


Introdução: A relação acadêmico-comunidade voltada ao cuidado social é considerada um dos eixos base da graduação por interferir diretamente no aprendizado prático dos acadêmicos. O Projeto Respira tem como objetivo proporcionar atendimentos de fisioterapia cardiorrespiratória ambulatorial em pediatria nas afecções agudas e crônicas, com a integração entre acadêmicos e profissionais capacitados a fim de contribuir com a prevenção e promoção da saúde das crianças e aproximar os acadêmicos da realidade profissional por meio da autonomia para avaliação fisioterapêutica, elaboração dos planos terapêuticos e execução dos atendimentos até a alta ambulatorial. Descrição: O projeto atende pacientes de 0 a 12 anos, encaminhados de hospitais, ambulatórios e consultórios de médicos pneumologistas parceiros ao projeto, além da demanda espontânea como crianças institucionalizadas e oriundos da divulgação nas mídias. O atendimento é realizado por acadêmicos do curso de fisioterapia que já cursaram a disciplina de Saúde da Criança e do Adolescente, sob a supervisão da docente coordenadora do projeto e/ou da fisioterapeuta da Clínica Escola Integrada - CEI. As sessões são feitas de maneira individualizada onde após o acolhimento é realizada a avaliação para coleta da anamnese, dados vitais, ausculta pulmonar e cardíaca, etc. Para as sessões, são traçados planos terapêuticos com base no diagnóstico e queixa principal, sendo aplicado as condutas necessárias para atingirem os objetivos terapêuticos. Impactos: O primeiro contato prático com crianças gera um disparo na vivência acadêmica, o confronto da trajetória clínica desses pacientes, suas fragilidades e superações desde o nascimento, bem como a necessidade de serem assistidos pós-alta hospitalar por serviços de saúde especializados permitem a ampliação da visão acadêmica acerca da área e a desmistificação de receios. Além disso, o aluno exercita o conteúdo visto em sala de aula, tornando sua aprendizagem significativa. A Fisioterapia Respiratória tende a ser uma barreira na graduação devido a complexidade e densidade teórica, além da vulnerabilidade do caso, quando ocorre a inclusão prática se favorece a criação de afinidade, vínculo e desmistificação de traumas quanto a complexidade dos casos. O contato com esse público sensibiliza os acadêmicos ampliando ainda mais o olhar para as comunidades carentes que precisam desse tipo de serviço e que ainda não foram devidamente atendidas. Considerações: A intervenção fisioterapêutica respiratória precoce permite minimizar os acometimentos na qualidade de vida dessas crianças. O fortalecimento da ação está na união deste projeto junto à melhoria da formação acadêmica pelo contato e conhecimento das práticas educativas modernas e diferenciadas de forma primordial, bem como o serviço gratuito à comunidade local. Sobretudo, foi possível vivenciar a integralidade da saúde, observando todos os níveis de complexidade com o objetivo de fornecer aos pacientes um atendimento qualificado, adequando-o dentro da universalidade do cuidado.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.