PERSPECTIVA DO CUIDADO À SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SOB O OLHAR DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Lilian Lira Lisboa, Maria Aneilma Ribeiro de Azevedo, Cléa Emanuela Barreto de Medeiros

Resumo


Introdução: A discussão quanto à necessidade de mudanças no cuidado à saúde da pessoa com deficiência é crescente no Brasil. Desde de 2002, a Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência está voltada para a inclusão das pessoas com deficiência em toda a rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e caracteriza-se por reconhecer a necessidade de implementar o processo de respostas às complexas questões que envolvem a atenção à saúde das pessoas com deficiência no Brasil. Nesse contexto, foi criada em 2017 a primeira Residência Multiprofissional no Cuidado à Saúde da Pessoa com Deficiência, localizada em Macaíba/RN, no Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (CEPS), tendo como unidade formadora o Instituto de Ensino e Pesquisa Alberto Santos Dumont, habilitado desde 2016 como Centro Especializado em Reabilitação pelo Ministério da Saúde. O objetivo deste estudo é relatar a experiência em um programa de Residência Multiprofissional para a formação profissional qualificada e humanizada. Descrição: Pioneira no país, a residência multiprofissional no cuidado à saúde da pessoa com deficiência, constituiu-se por 4 especialidades: Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia e Serviço Social; e prevê a atuação conjunta em nove clínicas especializadas de atuação: Lesão Medular, Bexiga Neurogênica, Doença de Parkinson, Epilepsia, Transtorno do Espectro Autista, Neurodesenvolvimento/Microcefalia, Prematuridade, Triagem Auditiva e Deficiência Auditiva. O início dessa residência foi condizente com o que propunha o Ministério da Educação, fortalecendo tanto a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no contexto do SUS, quanto o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, configurando-se, portanto como implementação de um apoio necessário ao pleno e efetivo exercício da capacidade legal por todas as pessoas com deficiência. Nesse contexto, a multidisciplinaridade do programa é indispensável na formação dos profissionais de saúde para o cuidado integral à saúde dessas pessoas e não pode estar dissociada da articulação social, para tanto cada saber tem a oportunidade de dialogar com diferentes núcleos profissionais, aprendendo sobre os outros, com os outros e entre si, colaborando para o objetivo final de aprimorar o cuidado em saúde por meio do trabalho em equipe. Impactos: A perspectiva da integralidade na atenção à saúde da pessoa com deficiência, para além da assistência específica à sua condição, deve também incluir a assistência às comorbidades e aos agravos potencializados pelos mais diversos determinantes sociais do processo saúde-doença. Por sua vez, pensar na formação de profissionais em saúde para dar respostas a essas demandas nos remete a reflexões sobre a necessidade do trabalho em equipe, práticas colaborativas e educação interprofissional, opondo-se ao reducionismo e fragmentação da visão de uma profissão isolada. Contribuindo também para a formação de profissionais qualificados e comprometidos com as transformações da sociedade. Considerações: A transformação da formação dos profissionais da saúde, bem como de suas práticas é um desafio, pois implica mudanças de paradigmas estruturados nos serviços, instituições de ensino e relações interpessoais, entretanto, o investimento na formação desses profissionais desenvolve competências e habilidades que proporcionam à população o acesso a uma assistência humanizada, integral e qualificada.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.