PRÁTICA EXTENSIONISTA EM FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Charlise Comoretto Tolfo, Erisvan Vieira da Silva, Diênifer Zilmer Rodrigues, Kimberly Fontoura do Nascimento, Elidiane Emanueli Ficanha, Viviane Cristina Staevie, Fernanda Alves Carvalho Miranda

Resumo


Introdução: A atuação do fisioterapeuta no âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS) vem crescendo no país de forma lenta e sem definição política especifica. Na graduação, geralmente, é priorizada a formação para os níveis secundários e terciários, ainda pouco exploradas as práticas e impactos da fisioterapia à saúde das pessoas no contexto da APS, sobretudo no processo do envelhecimento. Assim, a extensão permite ao acadêmico uma visão diferenciada da intervenção profissional e iteração dialógica com a comunidade, identificando suas necessidades. Desta forma, este estudo se caracteriza como um relato de experiência discente em que são avaliadas as possíveis contribuições para os discentes envolvidos em um projeto de extensão desenvolvido pela UFSM. Descrição: O projeto de extensão intitulado Fisioterapia na atenção primária à saúde" está em execução no município de Silveira Martins - RS, com o público alvo de idosos e adultos acima de 40 anos. As atividades são desenvolvidas em associação com as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) de forma semanal. A equipe do projeto é composta por docentes e acadêmicos do curso de fisioterapia - UFSM, fisioterapeuta da Rede de Atenção em Saúde da 4ª e 8ª Regional Estadual de Saúde, especializanda, residente e uma terapeuta em PICs. Por meio da cinesioterapia em grupo e educação em saúde, as ações fisioterapêuticas englobam as condições cinéticos funcionais do corpo humano, complementadas com as PICs para atender as necessidades psicoemocionais. Os objetivos envolvem a promoção e recuperação da saúde, além da prevenção de alterações funcionais desses usuários, bem como a melhoria da qualidade de vida, mobilidade, independência funcional na realização das AVDs, autocuidado e corresponsabilização sobre a própria saúde. Sempre que identificada a necessidade, o usuário é encaminhado para assistência fisioterapêutica individual e outros profissionais que possam contribuir para o diagnóstico e tratamento. Os encontros ocorrem duas vezes por semana com duração de uma hora cada um, o grupo é heterogêneo e aberto. Impactos: Através da participação ativa, contempla-se a formação em saúde para um profissional generalista, critico-criativo e reflexivo, sensibilizado para escuta e atenção integral às necessidades dos usuários, capacitando-o a desenvolver ações coerentes ao modelo ampliado de saúde em conformidade ao olhar do sujeito como um ser biopsicossocial e a vivência com outras modalidades terapêuticas, contribuindo para um profissional apto ao trabalho multi e interdisciplinar, consoante ao preconizado pelo SUS. Além destes, permite a integração na área da pesquisa e extensão. Considerações: Este projeto tem proporcionado uma qualificação na formação dos estudantes com a possibilidade de atuar em convergência com os princípios do SUS, ampliando conhecimentos teóricos e práticos, bem como a oportunidade de troca de experiências com os usuários participantes do trabalho e, ainda, apresenta a atuação fisioterapêutica na APS e suas repercussões na saúde destas populações. Destacando o compromisso da universidade em concordância com as diversas práticas e desenvolvimento da extensão e fomentando a pesquisa, ambas voltadas à fisioterapia na APS.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.