PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL EM FISIOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Jessica Perez, Marina Borba de Souza

Resumo


Introdução: Atualmente, é notório o crescente interesse de discentes e docentes na participação de programas de mobilidade acadêmica. O intercâmbio internacional, além de propiciar experiências profissionais ao estudante que sai de seu país em busca do novo, também desencadeia uma série de aprendizados que o levarão ao encontro do amadurecimento pessoal. Após o período no exterior, estudando em uma instituição diferente, convivendo com novos colegas, professores e amigos, a bagagem do jovem estudante se encontra repleta de experiências e lições que o acompanharão ao longo de sua vida. Descrição: As acadêmicas realizaram o programa de mobilidade no período de um semestre, de janeiro à julho de 2019, em Portugal. Uma discente tinha como origem a Universidade Federal do Paraná, e a outra a Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tornaram-se colegas no Instituto Politécnico de Coimbra, mais precisamente na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra/ESTeSC. Este estudo objetivou descrever as vivências das estudantes, tanto no âmbito acadêmico e científico, quanto pessoal e social. Relatar todo o processo, desde a seleção das bolsas de mobilidade até o retorno às universidades de origem. Impactos: Ter a oportunidade de cursar Fisioterapia em outro país foi uma experiência muito enriquecedora. Além de estarem na figura de estudantes intercambistas, as acadêmicas também atenderam a população portuguesa, em dois âmbitos diferentes: uma instituição de longa permanência e um centro neurológico. A proximidade à cultura lusitana proporcionou um novo olhar às discentes, tanto para com a Fisioterapia, quanto para o crescimento e amadurecimento pessoal e profissional. Considerações: Conclui-se que os programas de mobilidade devem ser ainda mais difundidos, visto que estes promovem uma mudança positiva nos acadêmicos, auxiliando no amadurecimento psicológico, científico, pessoal e cultural.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.