RELATO DE EXPERIÊNCIA DE PÓS-GRADUANDOS EM NEUROFUNCIONAL NO ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA BEXIGA NEUROGÊNICA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

Lilian Lira Lisboa, Girlaine Gomes de Melo, Keven Anderson de Oliveira Araújo, Valéria Azevedo de Almeida, Maria Aneilma Ribeiro de Azevedo

Resumo


Introdução: Embora a doença de Parkinson (DP) seja frequentemente caracterizada por sintomas motores, os sintomas não motores, incluindo sintomas urinários, correlacionam com o bem-estar prejudicado à medida que a doença progride. Sintomas do trato urinário inferior ocorrem em 7% a 70% dos pacientes durante o curso da doença. Sintomas de bexiga hiperativa (BH), incluindo urgência, frequência e noctúria, com ou sem incontinência urinária de urgência, são os sintomas urinários mais comum da DP. Atualmente o tratamento da BH baseia-se numa combinação de recursos farmacológicos e não farmacológicos. Os tratamentos não farmacológicos tem passado de coadjuvantes a tratamentos principais, entre eles a neuromodulação não invasiva que tem sido proposta por ser capaz de modular os componentes excitatórios e inibitórios do controle da bexiga, apresentando resultados satisfatório nas disfunções do trato urinário. Descrição: Foi vivenciado a intervenção fisioterapêutica em pacientes com DP que apresentavam Bexiga Neurogênica (BN) e Intestino neurogênico (IN). Foi realizado a terapia comportamental (TC) seguido de neuromodulação parasacral. A TC compreende-se na análise, alteração da relação do sintoma do paciente e seu ambiente para modificação de maus hábitos miccionais e evacuatórios. A terapêutica envolve educação do paciente em relação ao hábito urinário, reeducação vesical, estratégias para o controle do desejo miccional, posicionamento e treino evacuatório, orientações para dieta e ingestão hídrica. A intervenção foi feita por fisioterapeutas, duas vezes por semana, no período de abril à julho de 2019. A terapia foi proposta a partir da observação de que a disfunção vesical e intestinal é comum nos pacientes com a doença e podem aumentar a chance de comprometimento do trato urinário superior, qualidade de vida e independência funcional desses indivíduos, interferindo, de forma negativa na vida diária, sendo comum a privação da participação social por medo de perda de urina em ambientes públicos, como também queixa de mal estar decorrente da constipação funcional. A TC e a neuromodulação, proporcionaram melhora significativa do quadro clínico dos pacientes submetidos ao tratamento de BN e IN, houve o aumento do intervalo entre as micção e melhora no quadro da constipação, proporcionando aos pacientes melhor qualidade de sono, participação social e melhora no bem estar. Impactos: O acompanhamento da intervenção permitiu aos pós-graduandos refletir sobre importância do tratamento da BN e do IN nos pacientes com Parkinson, contribuindo para aquisição de conhecimentos técnico-científicos pertinentes ao tratamento, colaborando para o desenvolvimento de habilidades, e direcionamentos de raciocínio clínico. Considerações: A vivência oportunizou uma aproximação dos pós-graduandos no manejo da BN e do IN, possibilitando expandir seus conhecimentos sobre as possibilidades de intervenção fisioterapêutica na DP, contribuindo para qualificação em saúde e melhora a qualidade de vida dos indivíduos envolvidas nesse processo. É válido salientar que ampliação das áreas de atuação da fisioterapia, possibilita uma visão mais global de saúde, dando enfoque não só para a reabilitação, mas promoção e na educação em saúde, além disso o tratamento adequado é fundamental para minimizar as seqüelas, sobretudo para lesão renal e melhorar a qualidade de vida de pacientes e seus familiares.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.