RELATO DE EXPERIÊNCIA NO APRENDIZADO EM PESQUISA COM INTERAÇÃO DO ENSINO E EXTENSÃO NA FISIOTERAPIA DA UFPR

Bruna Yamaguchi, Beatriz Komar de Carvalho, Gabriella Ferreira, Giovanna Cristina Leveck, Lucas Gilinski da Cunha, Tainá Christinelli, Juliana Siega, Dielise Debona Iucksch, Vera Lúcia Israel

Resumo


Introdução: Na Universidade Federal do Paraná (UFPR) há o programa de iniciação científica (IC) em que estudantes da graduação podem desenvolver projetos de pesquisa. Desta forma relatamos a experiência de um programa de Fisioterapia aquática por meio da avaliação e intervenção em doença de Parkinson (DP). O aprendizado neste processo de estudos envolve a evidência científica, base da pesquisa, a interação com a extensão, na questão educacional com a população com DP. O objetivo é possibilitar aos estudantes de graduação a vivência da pesquisa ao avaliar os efeitos de uma intervenção em Fisioterapia aquática em pessoas com doença de Parkinson. Descrição: O programa da iniciação científica durante um ano, conta com aproximadamente 600 horas, sendo 12 horas semanais. Nas segundas-feiras realiza-se reuniões nas quais são abordados assuntos relacionados à DP e Fisioterapia, por meio de artigos científicos e apresentação dos mesmos, assim como capacitações nas avaliações, utilizando escalas, testes e questionários específicos e intervenções nos pacientes com DP. Nas terças e sextas-feiras, há os atendimentos em piscina terapêutica, num centro especializado na cidade de Curitiba-PR. Os estudantes da IC fazem a aferição dos sinais vitais pré e pós imersão e auxiliavam a fisioterapeuta na sua intervenção, dentro da piscina, fazendo o acompanhamento dos pacientes durante os exercícios que eram propostos, bem como para dar suporte caso necessário. Também eram elaborados relatórios semanais descrevendo todas as atividades da semana, com o que havia ocorrido no decorrer da semana e buscando atualizações na literatura, com estudos envolvendo a DP. Impactos: Com a experiência, percebe-se como o fisioterapeuta, dentro dos níveis de atenção à saúde, objetiva a visão integral do ser humano. Nesse contexto, por apresentar alguns sinais e sintomas característicos da DP, como bradicinesia, tremor de repouso, rigidez muscular e alteração postural, o paciente pode apresentar uma maior dificuldade na realização das atividades de vida diária (AVDs), acometendo a sua qualidade de vida (QV). Diante disso, tivemos a oportunidade de auxiliar nos exercícios aquáticos realizados durante a intervenção. Já no aprendizado com a tríade ensino-pesquisa-extensão na Universidade, pudemos vivenciar a prática baseada em evidências na interação conhecimento científico, com a experiência profissional e atendendo as demandas dos pacientes com DP. Considerações: Portanto, esta IC proporcionou aos estudantes além da parte prática da Fisioterapia na DP, o contexto da pesquisa no âmbito acadêmico. Isso trouxe uma satisfação tanto aos estudantes da IC, com todo o aprendizado desenvolvido, como também para os pacientes com DP, que receberam uma intervenção inovadora às suas vidas, além de contribuir para produção de conhecimento científico.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.