O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: PERCEPÇÃO DOS DOCENTES DE CURSO DE FISIOTERAPIA

Alana Tamisa Leonel, Luiz Alfredo Braun Ferreira, Rosiane Guetter Mello, Christian Boller

Resumo


As metodologias ativas de ensino e aprendizagem têm ganhado destaque no cenário do ensino superior nos últimos anos. Elas estão baseadas na premissa de que o estudante é o centro do processo educativo, e, para seu sucesso, há a necessidade do preparo técnico do docente. Muitos docentes do Curso de Fisioterapia, assim como de outras áreas da saúde, não receberam a capacitação necessária para trabalhar com essas metodologias ao longo dos seus anos de estudo na graduação ou mesmo em cursos de pós-graduação. Nesse aspecto, é grande a responsabilidade das Instituições de Ensino Superior em preparar esses docentes para atender à nova demanda do mercado educacional. Esta pesquisa teve como objetivo conhecer a percepção de docentes de um Curso de Fisioterapia do interior do Paraná em relação ao uso de metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Caracteriza-se por um estudo de natureza qualitativa e de cunho exploratório e descritivo. A técnica escolhida para abordagem dos docentes foi o grupo focal, cujos encontros permitiram com que seis professores pudessem descrever a sua relação profissional com o uso das metodologias ativas de ensino. Os discursos foram categorizados pelo software MAXQDA, e seu conteúdo, analisado pelo referencial teórico de Bardin. Os resultados apontaram que os docentes se sentem inseguros quanto ao uso das metodologias ativas de ensino, justificado, em parte, pela falta de acesso a informações sobre o assunto e pela pouca oportunidade de praticar as diferentes técnicas em ambiente protegido fora do contexto da sala de aula.


Palavras-chave


Instituições de Ensino Superior; Fisioterapia; Ensino; Metodologia; Pesquisa Qualitativa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v8n17.a2

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.