FISIOTERAPIA ALÉM DAS ESPECIALIDADES: CONHECIMENTO DO ALUNATO SOBRE A INSERÇÃO DO FISIOTERAPEUTA EM SAÚDE COLETIVA

Elizabeth Leite Barbosa, Tiago Pinheiro Vaz de Carvalho, Miburge Bolívar Gois Júnior, Karina Conceição Gomes de Araújo

Resumo


O objetivo desse estudo foi verificar a expectativa dos alunos do curso de fisioterapia sobre a atuação do fisioterapeuta em saúde coletiva e possíveis informações sobre a inserção deste profissional na Equipe de Saúde da Família. Este estudo foi realizado na Universidade Federal de Sergipe (UFS), com acadêmicos de dois campi, os quais adotam modelos metodológicos educacionais diferentes. Utilizou-se um questionário contendo questões de múltipla escolha. Os dados obtidos sofreram tratamento estatístico descritivo através do programa Microsoft Office Excel 2007 por meio de distribuições absolutas e percentuais. Aproximadamente 90% dos alunos dos dois cursos consideraram entre importante e muito importante a atuação do fisioterapeuta, assim como a preparação e qualificação do atendimento desse profissional na rede pública de saúde. Contudo, a metodologia de ensino, a matriz curricular e a existência de fisioterapeutas no NASF no municipio de Lagarto-SE colaboraram para uma maior imersão do alunato desse curso em relação aos aspectos de saúde coletiva.


Palavras-chave


Saúde Pública. Fisioterapia. Modelos Educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. [site da internet] [acessado 2012 ago 23]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

Almeida AB, Oliveira AMB, Ribeiro KSQS. A fisioterapia na atenção básica a partir de uma experiência de educação popular. V colóquio intern. Paulo Freire; 2005.

Brasil. Portaria n. 648/GM de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União 2006; 28 mar.

Ministério da Saúde. Programa Saúde da Família/ Ministério da Saúde, Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Brasil. Portaria n.154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Diário Oficial da União 2008; 24 jan.

Barros FBM, organizador. O fisioterapeuta na saúde da população: atuação transformadora apud Brasil ACO, Brandão JAM, Silva MON, Filho VCG. O papel do fisioterapeuta do Programa Saúde da Família do município de Sobral-Ceará. RBPS 2005; 18(Supl.1): 3-6.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR, Ribeiro EEN. Experiência da Fisioterapia no Núcleo de Apoio à saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter Mov 2010; 23(Supl.2):323-330.

Naves CR, Brick VS. Análise quantitativa e qualitativa do nível de conhecimento dos alunos do curso de fisioterapia sobre a atuação do fisioterapeuta em saúde pública. Cien e Saúde Colet 2011; 16(Supl.1):1525-1534.

Universidade Federal de Sergipe. Resolução n. 148/2009/CONEPE. Aprova alterações no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Fisioterapia Modalidade. Disponível em: www.sigrh.ufs.br/sigrh/public/colegiados/filtro_busca.jsf. Acesso em: 01 de Agosto de 2012.

Universidade Federal de Sergipe. Resolução n. 08/2011/CONEPE. Aprova alterações no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Fisioterapia Bacharelado do Centro de Ciências da saúde de Lagarto. Disponível em: www.sigrh.ufs.br/sigrh/public/colegiados/filtro_busca.jsf. Acesso em: 15 de junho de 2012.

Carvalho AM. A disciplina de cinesioterapia nos cursos de fisioterapia do estado de São Paulo [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2000.

Ribeiro KSQS. A atuação da fisioterapia na atenção primária à saúde - reflexões a partir de uma experiência universitária. Rev. Fisio Bras 2002; 3(Supl.5):311-318.

Ragasson CPA, Almeida DCS, Comparin K, Mischiati M, Gomes JT. Atribuições do Fisioterapeuta no Programa de Saúde da Família: Reflexões a partir da prática profissional. [site da internet]. [acessado 2012 jul 10]. Disponível em; http://www.crefito5.com.br

Brasil. Portaria Interministerial n. 1.802 de 26 de Agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a saúde - PET - Saúde. Diário Oficial da União 2008; 26 ago.

Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Procradoria Regional do Trabalho- 20ª Região-SE. [site da internet]. [acessado 2013 ago 05]. Disponível em: http://www.prt20.mpt.gov.br/noticias/noticia.php?id=241

Brasil. Resolução n. 387 de 08 de junho de 2011 DOU nº. 115, Seção 1. Fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Fisioterapêuticos nas diversas modalidades prestadas pelo fisioterapeuta e dá outras providências. Diário Oficial da União 2011; 16 jun.

Sindicato dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais da Bahia. Notícias. [site da internet]. [acessado 2012 nov 21]. Disponível em: http://sinfitobahia.org.br

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União 1988; 5 out.

Salmória JG, Camargo WA. Uma aproximação dos signos -fisioterapia e saúde- aos aspectos humanos e sociais. Saúde e Soc 2008; 17(Supl.1):73-84.

Ceccim RB , Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública 2004; 20(Supl.5):1400-1410.

Barros NF. O Ensino da Saúde Coletiva no Método de Aprendizagem Baseado em Problemas. Rev Br Educ Med 2006; 30(Supl.3):136 – 146.

Mezarri A. O Uso da Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) como Reforço ao Ensino Presencial Utilizando o Ambiente de Aprendizagem Moodle. Rev Br Educ Med 2011; 35(Supl.1):114-121

Borges AMP, Salício VAMM, Gonçalves MANB, Lovato M. A contribuição do fisioterapeuta para o PSF – uma revisão de literatura. UNICiências 2010; 14(Supl.1):69-82

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. Physis: Saúde Colet, 2004; 14 (Supl. 1): 41-45.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v2n3p39

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.