GRUPO DA COLUNA NA ATENÇÃO BÁSICA

Patricia Thurow Bartz, Aline Felício Bueno, Adriane Vieira

Resumo


A Escola Postural é um programa teórico-prático direcionado para o tratamento de dores crônicas e é foco de pesquisas que indicam sua eficácia na diminuição da dor após a sua realização. Poucos estudos avaliam sua eficácia em médio prazo e são desenvolvidos na atenção básica. O objetivo deste estudo foi verificar o efeito do Grupo da Coluna na dor, qualidade de vida e funcionalidade a curto e médio prazo em usuários com dores musculoesqueléticas crônicas. O Grupo da Coluna é uma ação de educação em saúde destinada a usuários da UBS-HCPA, sendo embasado na metodologia das Escolas Posturais. A amostra foi composta por 21 indivíduos, com idades entre 41 e 68 anos. Os instrumentos utilizados foram o ODI, SF-36 e uma anamnese, contendo a EVA, para mensurar respectivamente a funcionalidade, qualidade de vida e intensidade da dor. As avaliações ocorreram em três momentos: pré, pós imediato e pós quatro meses. Foi utilizado o teste de Friedman e o teste de Dunn como post hoc, sendo p<0,05. Os resultados apontam diminuição significativa da intensidade da dor na coluna dorsal e nos membros inferiores. Na qualidade de vida, houve melhora significativa nos domínios capacidade funcional, dor, aspectos físicos, vitalidade, aspectos emocionais e saúde mental. Na análise do ODI, os resultados demonstram melhora significativa da funcionalidade. Conclui-se que o Grupo da Coluna é uma ação de educação em saúde capaz de interferir no processo de saúde-doença, contribuindo positivamente para a diminuição da dor e melhora da qualidade de vida e funcionalidade.


Palavras-chave


dor crônica; qualidade de vida; postura; educação em saúde; atenção básica a saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil, Ministério da saúde (Brasil), Secretaria Executiva. Mais saúde: Direito de todos: 2008-2011. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Starfield B. Atenção Primária: Equilíbrio entre as necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco. Ministério da Saúde; 2002.

Ferreira MS, Navega MT. Efeitos de um programa de orientação para adultos com lombalgia. Acta Ortop Bras. 2010; 18(3): 127-3.

Almeida RM, Crispim EVN, Melo VM, Cardia MCG. Análise comparativa entre diferentes meios terapêuticos nas algias da coluna vertebral. Rev. Bras. Cienc. Saúde. 1999; 3(1): 29-36.

Knoplich J. Enfermidades da coluna vertebral: uma visão clinica e fisioterápica. 3.ed. São Paulo: Robe Editorial; 2003.

Pimenta CAM, Cruz DALM. Crenças em dor crônica: validação do Inventário de Atitudes frente à Dor para a língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP. 2006; 40(3): 365-73.

Vigatto R, Alexandre NM, Correa Filho HR. Development of a Brazilian Portuguese Version of the Oswestry Disability Index: Cross-Cultural Adaptation, Reliability, and Validity. Spine. 2007; 32(4): 481-6. PubMed; PMID 17304141.

Andrade SC, Araújo AGR, Vilar MJP. Escola de coluna para pacientes com lombalgia crônica inespecífica: benefícios da associação de exercícios e educação ao paciente. Acta Reumatol. 2008; 33:443-50.

Tobo A, Khouri ME, Cordeiro Q, Lima MC, Brito Junior CA, Battistella LR. Estudo do tratamento da lombalgia crônica por meio da Escola de Postura. Acta fisiatr. 2010; 17(3): 112-16.

Cohen JE, Goel V, Frank JW, Bombardier C, Peloso P, Guillemin F. Group Education Interventions for people with low-back-pain – an Overwiew of the Literature. Spine. 1994; 19: 1214-22. PubMed; PMID 8073312

Martins MRI, Foss MHD, Santos Junior R; Zancheta M, Pires IC, Cunha AMR, et al. A eficácia da conduta do Grupo de Postura em pacientes com lombalgia crônica. Rev Dor. 2010; 11(2): 116-21.

Borges RG, Vieira A, Noll M; Bartz PT, Candotti CT. Efeitos da participação em um Grupo de Coluna sobre as dores musculoesqueléticas, qualidade de vida e funcionalidade dos usuários de uma Unidade Básica de Saúde de Porto Alegre. Motriz. 2011; 17(4): 719-727.

Cesar SHK, Júnior CAB, Battistella LR. Análise da qualidade de vida em pacientes de Escola de Postura. Acta Fisiátr. 2004; 11(1): 17-21.

Tsukimoto GR, Riberto M, Brito CA, Battistella LR. Avaliação longitudinal da Escola de Postura para dor lombar crônica através da aplicação dos questionários Roland Morris e Short Form Health Survey (SF-36). Acta Fisiatr. 2006; 13(2): 63-9.

Tavafian SS, Jamshidi A, Mohammad K, Montazeri A. Low back pain education and short term quality of life: a randomized trial. BMC Musculoskelet Disord. 2007; 8(21). PubMed; PMID 17328809.

Chapman JR, Norvell DC, Hermsmeyer JT, Bransford RJ, DeVine J, McGirt MJ, Lee MJ. Evaluating Common Outcomes for Measuring Treatment Success for Chronic Low Back Pain. Spine. 2011; 36(21S): S54–S68. PubMed; PMID 21952190.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999; 39(3):143-50.

VIGATTO, R.; ALEXANDRE, N. M. C.; CORREA, H. R. Development of a brazilian portuguese version of the oswestry disability index: crosscultural adaptation, reliability, and validity. Spine. 2007; 32(4): 481-86. PubMed; PMID 17304141.

Costa LCM, Maher CG, Mcauley JH, Hancock MJ, Herbert RD, Refshauge KM et al. Prognosis for patients with chronic low back pain: inception cohort study. BMJ. 2009; 339(b3829): 1-8. PubMed; PMID 19808766.

Waddell G. The Back Pain Revolution. 2.ed. New York: Churchill Livingstone; 2004.

Woolf AD, Pfleger B. Burden of major musculoskletal conditions. Bull World Health Organ. 2003; 81: 646-56.

Airaksinen O, Brox JI, Cedraschi C, Hildebrandt J, Klaber-Moffett J, Kovacs F et al. European guidelines for the management of chronic nonspecific low back pain. Eur Spine. 2004; 15(S2): S192–S300. PubMed; PMID 16550448.

Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc saúde coletiva. 2000; 5(1): 7-18.

Ferla L, Rohde L, Paiva L. Fisioterapia em um grupo de reeducação perineal masculino. Fisioterapia Brasil. 2011; 12(2): 107-12.

Waschauer M, D’urso L. Ambiência e Formação de Grupo em Programas de Caminhada. Saúde Soc. 2009; 18(2): 104-7.

Warschauer M. “Lazer e Saúde”: as práticas corporais no sistema público de Santo André [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2008.

Carvalho YM. Promoção da saúde, práticas corporais e atenção básica. In: Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Revista Brasileira Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 p.33-45.

Brasil, Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Rothwell PM. Treating individuals 2. Subgroup analysis in randomized controlled trials: importance, indications, and interpretation. Lancet. 2005; 365(9454): 179-186. PubMed; PMID 15639301.

Furlan AD, Pennick V, Bombardier C, van Tulder M. 2009 Updated Method Guidelines for Systematic Reviews in the Cochrane Back Review Group. Spine. 2009; 34(18): 1929–41. PubMed; PMID 19680101.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v2n3p53

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.