AVALIAÇÃO DOS DÉFICITS NEUROLÓGICOS PERIFÉRICOS EM PACIENTES DIABÉTICOS DO PROGRAMA HIPERDIA NA UNIDADE DE SAÚDE JOÃO PAULO II

Augusto César Alves de Oliveira, Ana Larissa Costa de Oliveira, Vanessa Lôbo de Carvalho, Adriana Bruna Guimarães, Joceliane dos Santos, Mirlla Marques De Albuquerque, Emanuelle Soraya Pereira da Silva

Resumo


INTRODUÇÃO: A diabetes é uma doença crônica, caracterizada pela produção insuficiente de insulina e/ ou pela incapacidade desse hormônio em desempenhar suas funções, levando ao quadro de hiperglicemia que pode atingir múltiplos sistemas do corpo. O quadro de hiperglicemia prolongada que é característico da doença e fator desencadeador das complicações diabéticas, dentre as quais se destacam a neuropatia diabética, sendo também a causa mais comum de amputações não-traumáticas, aumentando as despesas do serviço de saúde. OBJETIVOS: Avaliar os déficits neurológicos periféricos apresentados pelos pacientes diabéticos do programa Hiperdia na Unidade de Saúde João Paulo II. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo observacional transversal realizado com os pacientes com diagnóstico confirmado e cadastrado no programa Hiperdia, no período de junho de 2012 à dezembro de 2012, sendo realizado uma avaliação fisioterapêutica após aprovação do Comitê de ética da Estácio/FAL com o número de parecer 270213/166. RESULTADOS: Foram encontrados 79 pacientes com diagnóstico de diabetes no período de junho à dezembro de 2012. Detectou-se que, 100% são diabéticos do tipo 2, 70% sexo feminino, 30% sexo masculino, idade média de 62,4 anos; tempo de diagnóstico com média de 13,8 anos; 70% apresentam o sintoma de parestesia nos pés e 53,3% nas mãos; 10 pacientes apresentaram hipoestesia dolorosa e hipoestesia térmica; quanto ao grau de força muscular os músculos inversores e eversores, assim como, para dorsiflexores e flexores dos dedos dos pés apresentaram paresia com grau variando de 4 a 0. Após avaliação fisioterapêutica com a identificação dos déficits neurológicos periféricos, houve orientação aos pacientes quanto à importância do controle glicêmico e os cuidados com os membros, buscou-se conscientizar de que a prevenção constitui um papel fundamental na redução de incapacidades e deformidades e na adequação de medidas preventivas e profiláticas para controle da doença. CONCLUSÃO: A conscientização e a colaboração, tanto do paciente quanto da sua família, é fundamental para o sucesso da prevenção de ulceração, além de uma equipe multidisciplinar apta a orientar e diagnosticar precocemente e tratar esta patologia, pois, associado ao controle glicêmico, estudos comprovam a redução das complicações do diabetes. Em suma, tornam-se necessários estudos atualizados no Brasil a respeito da diabetes e suas complicações.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.