AVALIAÇÃO DO EQUILÍBRIO E FUNCIONALIDADE EM PACIENTES COM DOENÇA DE CHARCOT-MARIE-TOOTH TIPO 2

Iandra Maria Pinheiro de França Costa, Paula Santos Nunes, Lidiane Carine Lima Santos Barreto, Paulo Márcio Pereira Oliveira, Catarina Andrade Garcez Cajueiro, Lívio Matheus Aragão dos Prazeres, Adriano Antunes de Souza Araújo, Eduardo Luis de Aquino Neves

Resumo


INTRODUÇÃO: A doença de Charcot Marie Tooth (CMT) é a neuropatia periférica geneticamente herdada mais frequente em todo mundo. As manifestações clínicas usualmente se iniciam acometendo os músculos intrínsecos do pé e podem progredir para os músculos da perna, afetando assim a locomoção. As formas mais comuns da doença de CMT são classificadas como tipo 1 (forma desmielinizante) e tipo 2 (forma axonal). Os déficits motores e o envolvimento somatossensorial podem afetar o tornozelo e o controle postural. OBJETIVOS: Objetivo: Avaliar equilíbrio e funcionalidade em pacientes com doença de Charcot-Marie-Tooth (CMT) Tipo 2 de uma família multigeracional no Município de Tobias Barreto-SE. METODOLOGIA: O estudo é de caráter transversal e contou com um grupo de 12 pacientes com CMT tipo 2 (GCMT) e um grupo controle (GC), formado por 5 indivíduos saudáveis. Todos os indivíduos foram submetidos à avaliação do equilíbrio, através do teste de equilíbrio de Berg; avaliação da funcionalidade através dos testes Time UP and Go (TUG), que avalia o tempo, em segundos, que o indivíduo percorre três metros, a partir de uma posição sentada até a volta à mesma posição inicial; e teste de caminhada de seis minutos, que avalia, entre outras coisas, a distância percorrida pelo indivíduo durante seis minutos. RESULTADOS: 7 (58%) indivíduos foram do sexo feminino e 5 (42%) foram do sexo masculino no GCMT, enquanto 3 (60%) foram do sexo feminino e 2 (40%) foram do sexo masculino no GC. Quanto ao equilíbrio, houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos (p=0,01), GC(56±0) e GCMT (46,5±9,52). Em relação à funcionalidade, houve diferença estatisticamente significativa (p<0,0001) no tempo, em segundos, na realização do TUG, onde os GC e GCMT apresentaram as seguintes médias respectivamente (5,63±0,3) e (9,67±1,78). Quanto ao teste de caminhada de seis minutos houve diferença estatisticamente significativa (p<0,0001) na distância percorrida, em metros, entre os grupos. A média do GC foi de 565,44±47,66 e do GCMT foi de 262,01±98,68. CONCLUSÃO: Os resultados desse estudo demonstram a perda de equilíbrio e da funcionalidade de pacientes com a doença de CMT quando comparados a indivíduos saudáveis sem a doença.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.