QUALIDADE DO SONO EM ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA

Paula Lisiane Assunção, Adne Oliveria Lima, Bianca Santiago Meneses, Tailani Mendes de Oliveira, Arlane Brito Barbosa, Daniel Matos Barreto, Karla Rocha Pithon

Resumo


INTRODUÇÃO: A redução da quantidade de horas de sono dos estudantes universitários é um problema emergente. Além disso, há o uso frequente de equipamentos eletrônicos como computadores e celulares que através do estimulo luminoso excessivos podem piorar a qualidade do sono. OBJETIVOS: Objetivo: avaliar a qualidade do sono de universitários. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal com a população de estudantes de fisioterapia. No presente resumo serão apresentados resultados de análise preliminar com 58 estudantes, adultos jovens, de ambos os sexos, com atividades acadêmicas no período diurno. Um questionário on-line foi enviado para os estudantes com perguntas sobre uso de celulares e computadores, índice de qualidade do sono de Pittsburgh e hábitos de vida. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, parecer n. 513.572. Os dados são apresentados em média ± desvio padrão, frequência e odds ratio. RESULTADOS: 27,58% dos estudantes eram do sexo masculino; com média de idade 21,87 ± 3,25 anos; apenas um estudante era fumante, 65,51% negaram ingestão de bebida alcoólica; 55,1% eram sedentários; tempo de uso do computador de 4,5 ± 2,21 horas/dia; 95% usavam o computador no período noturno; faziam uso do celular por 9 ± 4,9 horas/dia; 77,5% foram classificados como mau dormidores; com tempo de sono de 6,25± 1,25 horas por noite; 15,51% relataram latência do sono acima de 30 minutos. Tempo de sono menor do que oito horas aumentou a chance do estudante ser mal dormidor (OR=21,0; p<0,05). Não foi verificado associação entre tempo de uso de computador e qualidade do sono. CONCLUSÃO: Os universitários não apresentaram uma boa qualidade de sono, isso pode ser influenciado pela redução das horas dormidas por noite.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.