ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA DOR CRÔNICA ATRAVÉS DO NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UBS DO BAIRRO DE REALENGO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Therezinha Fiorezane, Rafael Magalhães, Jade Duarte, Joaquim Ramos, Vanessa Paes, Luciana Freitas, Karla Dames, Juliana Veiga

Resumo


INTRODUÇÃO: A dor é um fenômeno multidimensional referida como uma "experiência sensorial e emocional desagradável associada a um dano real ou descrita em tais termos". A dor crônica é aquela que permanece por seis meses ou mais. Ocasiona incapacidade para as tarefas domésticas, de trabalho e de lazer, gera custos ao sistema de saúde e compromete a qualidade de vida da população. Os Núcleos de Apoio à Saúde da Família foram criados pelo Ministério da Saúde, com o objetivo de apoiar a consolidação da Atenção Básica, apoiando-se em diretrizes, ferramentas e estratégias. O objetivo desse relato é descrever as vivências e a importância do grupo ‘Terapia pelo Movimento’, direcionado a prevenir e tratar dores crônicas do sistema musculo esquelético em usuários de Clínica de Saúde da Família Nildo Aguiar, localizada em Realengo, no Município do Rio de Janeiro. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: O grupo foi proposto e é coordenado pelas fisioterapeutas do NASF e pelo grupo de estágio em fisioterapia do Instituto Federal do Rio de Janeiro, composto por duas supervisoras docentes e estagiários do sexto período do curso. Os usuários com perfil para compor o grupo são identificados, em sua maioria, pela equipe básica de saúde e orientados a comparecer no dia reservado para avaliação com a equipe de fisioterapia. A avaliação é composta por um questionário semiestruturado para coleta de dados pessoais, histórico de co-morbidades e maior detalhamento acerca da dor crônica. O nível de dor é avaliado através da Escala Visual Analógica (EVA) e a identificação do local da dor é realizada pelo Mapa Corporal. O encontro se dá uma vez por semana e tem enfoque no cuidado integral e na valorização das experiências dos usuários. São realizados semanalmente exercícios respiratórios diafragmáticos e lentos, relaxamento, alongamentos, exercícios proprioceptivos, exercícios posturais e fortalecimento muscular. Os exercícios são organizados em forma de circuito em um ambiente amplo, climatizado e com música. Rodas de conversa também fazem parte do planejamento do grupo. Neste momento que estimula o vínculo entre usuários e profissionais, os usuários podem falar sobre seus incômodos e conquistas, além de receberem orientações mais direcionadas relacionadas a postura, a realização de exercícios domiciliares através de cartilhas e adaptação ergonômica no trabalho e na residência. IMPACTOS: Com o grupo ‘Terapia pelo Movimento’ percebe-se redução dos níveis de dor, da quantidade de pontos de dor no corpo e do uso de medicamentos. Os usuários relatam melhora na qualidade do sono e no estado de bem estar para realizar as atividades diárias, domésticas e ocupacionais. A partir das vivências, os usuários demonstram maior autonomia no manejo da dor e têm assumido papel de multiplicadores do conhecimento na comunidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A autonomia e a corresponsabilização dos usuários por sua saúde são objetivos do Sistema Único de Saúde e tem como um de seus pilares o processo educacional da população. Os relatos descritos revelam o alcance de tais objetivos no grupo. Este trabalho demonstra a relevância da atuação fisioterapêutica na promoção e prevenção da saúde no âmbito da atenção básica.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.