AVALIAÇÃO E TRATAMENTO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NEUROMOTORA: UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA QUE PROPÕE APROXIMAR A UNB DA COMUNIDADE ONDE ESTÁ INSERIDA

André Pires Moreira, Anderson Lúcio Souza de Andrade, Alisson Rodrigues Lisboa, Guido Fregapani Agner, Ruth dos Santos Pereira, Vittor Michel de Sousa Godoi, Wagner Rodrigues Martins, Ana Clara Bonini-Rocha

Resumo


INTRODUÇÃO: Extensão universitária é uma atividade que permite ao aluno vivenciar uma prévia da sua futura vida profissional com a supervisão de um professor e refletir sobre a teoria e a prática na comunidade. Extrapolando os muros da universidade, o aluno fica predisposto a desenvolver competências para relacionar seu trabalho em saúde com responsabilidades éticas, limitações legais, planejamento e aplicação de técnicas e metodologias direcionadas à cultura, a aspectos sociais e étnicos e demandas da realidade. No outro lado do processo acadêmico está o cidadão que recebe a assistência e é favorecido, informa-se e se educa sobre saúde funcional tendo acesso a informações de diferentes áreas, envolve-se em atividades que melhoram a qualidade de vida, social e culturalmente, convive com universitários e dialoga com seus pares. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: Desde março de 2015, nove extensionistas, dois voluntários, dois fisioterapeutas e dois docentes estão envolvidos no projeto composto por três frentes para atender crianças, adolescentes, adultos e idosos; em ambulatório e domicilio: (1) Paróquia Nossa Senhora da Glória em Ceilândia, duas vezes por semana, manhã e tarde, para pessoas com incapacidades neuromotoras causadas por doenças neurológicas ou dor crônica. A comunidade se inscreve na secretaria da paróquia e os extensionistas fazem contato; (2) Centro Comunitário do Idoso Luísa de Marillac (CCILM) em Ceilândia, duas vezes por semana pela manhã e (3) Associação Parkinson Brasília (APB) aos sábados de tarde no plano piloto, ambos com atividades no âmbito da saúde coletiva e prevenção. Dentre instrumentos de avaliação utilizados: Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF); Medida de Independência Funcional (MIF); Mini Exame do Estado Mental; MDS-UPDRS I – Aspectos Não Motores Das Experiências de Vida Diária; Fear and Avoidence Belief Questionnary (FABQ); Beck Depression Inventory; Roland Morris Disability Questionnare (RMQ); Tampa Scale Kinesiophobia (TSK-11); Algômetro de pressão; Eletrogoniômetro lombar; Eletroencefalográfia. Dentre técnicas de tratamento estão aquelas próprias das especialidades de fisioterapia neurofuncional, traumato-ortopédica e osteopatia. IMPACTOS: Alunos de primeiro a oitavo semestre trocam informações, enriquecendo discussões teóricas uma vez por semana no retorno à sala de aula, onde as experiências que viveram são analisadas, descritas e interpretadas teoricamente, e as informações revertidas em resultados à sociedade. 66 pessoas preencheram ficha na Paróquia, 21 foram chamados e estão em atendimento, 170 atendimentos foram realizados. Cerca de 15 associados da APB e 28 idosos do CCILM foram contemplados com dinâmicas de grupo, palestras, oficinas e eventos. Levantam-se indicadores funcionais de Saúde que servem para aperfeiçoamento das temáticas sobre educação, prevenção, qualificação de técnicas/métodos fisioterapêuticos e de direcionamento para a escolha de recursos tecnológicos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O projeto consolidou-se como momento de aperfeiçoar linguagem, refletir sobre evidências, discutir sobre o ideal e o factível, levantar indicadores e praticar fisioterapia aproximando a universidade pública da comunidade onde está inserida.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.