COMPARTILHANDO SABERES NA DISCIPLINA DE SAÚDE E SOCIEDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Ana Marlusia Alves Bomfim, Ana Raquel de Carvalho Mourão, Leiliandry de Araújo Melo

Resumo


INTRODUÇÃO: A proposta de repensar a formação acadêmica, sob uma perspectiva interdisciplinar e integrada, tem sido um grande desafio em diversas universidades brasileiras na área da saúde. Percebe-se o momento ímpar, que a Academia tem atravessado e, principalmente, a Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL que se encontra em um período de reforma dos currículos dos seus cursos de Bacharelado. Segundo Morin (1999), a interdisciplinaridade significa troca e cooperação. Para Calloni (2006, p.48) trata-se de uma “atitude pedagógica continuada do processo educacional”. Desta forma, compreende-se que é um processo inerente à formação do discente, como pessoa e profissional. Deste modo, cada profissional deve aplicar seu conhecimento com vistas a trabalhar de forma integrada, numa perspectiva que contemple as várias dimensões do ensino-aprendizagem. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: A disciplina é ministrada por docentes da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas – UNCISAL. de várias categorias profissionais da área da saúde e um Sociólogo As aulas foram ministradas no período de fevereiro a junho de 2015, para os alunos do primeiro ano dos cursos de Fisioterapia, Enfermagem e Fonoaudiologia. Entre os temas abordados, estão o Sistema Único de Saúde, a Estratégia de Saúde da Família e o papel do profissional de saúde na comunidade. Foram utilizados artigos, filmes e aulas expositivas para mediar às aulas. Os discentes foram divididos em grupos, e passaram a trabalhar juntos nas comunidades de Maceió/AL, onde existia Estratégia de Saúde da Família. IMPACTOS: A experiência permitiu aos docentes atentarem para importância de integrar os cursos e discutirem de forma integral a saúde e sua relação com a população. Para os discentes foi uma oportunidade de ampliar suas visões para a nova estratégia da educação, que os prepara para atuarem com os diversos profissionais de saúde.Puderam fazer a territorialização das comunidades, a partir de observações primárias, e encabeçar ações que trouxessem benefícios para as pessoas nas áreas que identificaram como carentes. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A interdisciplinaridade na graduação deve ser uma proposta implementada por docentes em suas atividades. Permite que o aluno amplie sua visão, preparando-o para ser um profissional que saiba trabalhar em equipe, buscando atender integralmente o paciente.A experiência descrita foi importante para as três esferas envolvidas: docente, discente e comunidade. Na verdade, a saúde está alicerçada nesse tripé, pois o docente é o profissional de saúde de hoje, enquanto que o discente é o trabalhador de amanhã.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.