TROCAS DE OLHARES E EXPERIÊNCIA ENTRE A RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E A GRADUAÇÃO

Bruna Carolina de Araujo, Jéssica Santos Rocha, Ana Carolina Basso Schmitt, Raquel Aparecida Casarotto

Resumo


INTRODUÇÃO: Os Programas de Residência Multiprofissional devem constituir-se de integração ensino-serviço-comunidade, serem orientados pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde e norteados por estratégias pedagógicas capazes de promover cenários de aprendizagem configurados às Redes de Atenção, sobretudo à Atenção Básica (Brasil, 2012). A postura ativa do residente multiprofissional na construção do conhecimento é o princípio norteador do processo de ensino-aprendizagem em sua formação. Cenários de práticas e projetos comuns com residentes e graduandos facilitam a interação professor-aluno e beneficiam vivências didático-pedagógicas, contribuindo à integralidade da sua formação DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: A formação acadêmica do fisioterapeuta pauta-se em ações que possibilitem o desenvolvimento de um profissional capaz de atuar em todos os níveis de atenção (Da Silva et al., 2012). Seguindo este preceito, os alunos de graduação em fisioterapia têm como um dos cenários de prática o estágio supervisionado em Atenção Primária à Saúde. Devido à diversidade de temáticas e focos de atuação, a presença de residentes, atuando como promotores do processo de ensino, faz-se desejável. A interação residente-graduando em fisioterapia teve início em 2014, frente a reflexões de ambos os grupos referente às atividades existentes no cenário da Atenção Básica no qual coexistiam. Os residentes fisioterapeutas, que recentemente haviam passado pela experiência acadêmica, observaram as potencialidades da troca de saberes e experiências que a fusão entre os grupos poderia proporcionar, bem como esta seria uma oportunidade de atuarem como facilitadores de aprendizagem com graduandos. A princípio, foi realizada a observação das práticas dos residentes na Atenção Básica, detectando-se a potencialidade de atuação conjunta em um grupo de caminhada. Este é realizado semanalmente, em dois dias, com atividades conduzidas ora pelos residentes e ora pelos graduandos com cooperação dos residentes. Assim, estes têm oportunidade de compartilhar conhecimentos práticos e teóricos e os graduandos de discutirem suas estratégias de atuação com o grupo IMPACTOS: O impacto desta iniciativa se orienta no sentido da construção de ferramentas e materiais que possibilitem uma melhor compreensão da teoria, assim como o entendimento de sua indissociabilidade da prática, por meio de ações desenvolvidas por residentes e alunos destinadas ao cuidado do usuário. Há também a aproximação do residente como facilitador de ensino e aprendizagem, além do estímulo ao trabalho em grupo. Os graduandos, por sua vez, beneficiam-se de uma vivência mais próxima de seu cotidiano acadêmico, além disso os residentes representam a realidade do seu futuro. Observou-se ainda que o questionamento do graduando ultrapassa o que concerne à prática de fisioterapia e que surgem de forma natural, dúvidas sobre a profissão, anseios e preocupações quanto ao término da formação acadêmica. Dessa maneira, o cenário de prática compartilhada tem favorecido a apreensão da teoria e a autonomia e pró-atividade dos atores envolvidos no processo. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Ainda em fase inicial, as trocas de olhares e experiência da residência multiprofissional e a graduação sobre o grupo de caminhada têm oportunizado ao residente ser facilitador do processo ensino-aprendizagem e ao graduando a aproximação da formação ao mundo do trabalho

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.