DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Rubiana Gambarim da Silva, Adriane Pires Batiston

Resumo


 Introdução: Apesar de esforços envidados, o câncer de mama ainda é considerado um problema de saúde pública e constitui uma das mais importantes causas de morte de mulheres brasileiras. A detecção precoce do câncer de mama é a estratégia utilizada para o diagnóstico de alterações mamárias em tempo oportuno, o que proporciona às mulheres acometidas por esta doença maiores chances de cura e melhores condições no tratamento. Objetivo: O objetivo deste estudo foi analisar as estratégias para a detecção precoce do câncer de mama entre mulheres de 40 e 69 anos, cadastradas na Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Nova Andradina/MS. Metodologia: Foi conduzido um estudo seccional, no qual foram entrevistadas 393 mulheres com idades entre 40 a 69 anos, cadastradas na Estratégia Saúde da Família do município de Nova Andradina-MS. As participantes desta pesquisa foram entrevistadas em suas residências, sendo utilizado para a coleta de dados um formulário estruturado com questões que buscaram investigar as características sócio-demográficas e o conhecimento e a prática acerca dos métodos de detecção do câncer de mama. Os resultados da pesquisa foram analisados por meio de estatística descritiva e as associações entre variáveis estabelecidas pelo emprego dos testes qui-quadrado e exato de Fisher com nível de significância de 5% Resultados: Neste estudo, a idade média das entrevistadas foi de 54,00±0,39 anos (media±erro padrão), sendo que 81,2% já haviam realizado mamografia ao menos uma vez. Os fatores de risco para o câncer de mama mais frequentes foram sedentarismo (80,2%), sobrepeso (29,5%) e obesidade (29,5%). A maior realização da mamografia esteve associada à idade (p<0,001), à realização do Papanicolaou (p<0,001) e à realização do exame clínico das mamas (p<0,001). Não houve associação estatística entre a realização de mamografia e os fatores de risco, exceto a idade. Dentre as participantes deste estudo, 86,3% receberam informações relacionadas ao CM, sendo 52,2% dessas informações fornecidas pela equipe de saúde da família. Sobre os métodos de detecção do câncer de mama, 79,1% palpavam suas mamas ocasionalmente, 43% das mulheres não realizaram o exame clínico das mamas nos últimos 12 meses e 75,6 % nunca solicitou este exame, bem como 53,2% nunca solicitou a realização de mamografia. Conclusões: Dentre os fatores de risco apresentados pelas entrevistadas, somente a idade esteve relacionada a maior realização de mamografia, e constatou-se que aquelas que realizam o exame clínico das mamas e exame Papanicolaou possuem maiores chances para a realização de mamografia. Este estudo também demonstrou que a maioria das mulheres recebeu informação sobre CM, porém muitas ainda não aderem aos programas de detecção do CM, além de não adotarem posturas ativas em seu autocuidado. Os resultados apontados por este estudo poderão ser utilizados para o planejamento de ações dos profissionais da Estratégia Saúde da Família e Secretaria Municipal de Saúde, relacionadas à prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama entre as mulheres de Nova Andradina. 

 

Palavras- chave: Estratégia Saúde da Família, Câncer de Mama, Detecção Precoce de Câncer. 


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família, Câncer de Mama, Detecção Precoce de Câncer.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2014.

Kamineni A, Anderson ML, White E, Taplin SH, Porter P, Barbash SB, et. al. Body mass index, tumor characteristics, and prognosis following diagnosis of early-stage breast cancer in a mammographically screened population. Cancer Causes & Control. 2013 Feb; 24 (2): 305-312.

Tuller LC. Considerações sobre a prevenção do câncer de mama feminino. Rev Bras Cancerol. 2003 Jun; 49 (4): 227–238.

U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF). Medications for risk reduction of primary breast cancer in women: final recommendation statement [internet]. Annals of Internal Medicine. 24 Sep 2013. [acesso em 15 Jan 2014]. Disponível em: http://www.usprev entiv eserv icestaskf orce.org/uspstf 13/breastcanmeds/breastcanmedsrs.htm . Acesso em: 15 Jan. 2014.

National Cancer Institute (NCI). Breast Cancer Risk in American Women [internet]. 24 Sep 2012. [acesso em 17 Jan 2014]. Disponível em: http://www.cancer.gov/cancertopics/factsheet/detection/probability-breast-cancer.

Puliti D, Zappa M. Breast cancer screening: are we seeing the benefit? BMC Medicine. 2012 Sep; 10(106): 1-4.

Calonge N, Petitti DB, DeWitt TG, Dietrich A, Gregory KD, Grossman D, et.al. Screening for Breast Cancer: U.S. Preventive Services Task Force Recommendation Statement. Annals of Internal Medicine. 2009 November 17; 151(10): 716-726.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Raosoft Random Size. [programa de estatistica da internet]. Sample size calculator, 2013 [acesso em 23 abr. 2013]. Disponível em: http://www.raosoft.com/samplesize.html.

Lohr, SL. Sampling: design and analysis. Arizona: Duxbury. Na International Thomson Publishing Company; 2010.

SHOTT S. Statistics for health professionals. London: W.B. Saunders Company, 1990.

Kemp C, Petti DA, Quadros LGO, Sabbaga J, Gebrin LH, Assunção MC et al. Câncer de mama – prevenção primária. Projeto Diretrizes Clínicas na Saúde Suplementar. Associação Médica Brasileira e conselho Federal de Medicina; 2002.

Costa MFL, Matos DL. Prevalência e fatores associados à realização da mamografia na faixa etária de 50-69 anos: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2003). Cad. saúde pública. 2007; 23(7):1665-1673.

Lourenço TS, Mauad EC, Vieira RAC. Barreiras no rastreamento do câncer de mama e o papel da enfermagem: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2013; 66(4): 585-91.

Gonzalez P, Castaneda SF, Mills PJ, Talavera GA, Elder JP, Gallo LC. Determinants of breast, cervical and colorectal cancer screening adherence in Mexican American Women. J community health. 2012 April 1; 37(2): 421–433.

Luciani S, Cabanes A, Lara EP, Gawryszewskia V. Cervical and female breast cancers in the Americas: current situation and opportunities for action. Bull World Health Organ. 2013 September 1; 91: 640–649.

Zonderman A. B, Ejiogu N, Norbeck J, Evans M. K. The Influence of Health Disparities on Targeting Cancer Prevention Efforts. Am Journal Prev Med. 2014; 46(3): 87-97.

Public Health Agency of Canada, Agence de la santé publique du Canadá. Breast cancer your risk. Canadá; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Batiston AP, Tamaki EM, Souza LA, Santos MLM. Conhecimento e prática sobre os fatores de risco para o câncer de mama entre mulheres de 40 a 69 anos. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2011; 11(2): 163-171.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.