AVALIAÇÃO FORMATIVA: PERCEPÇÃO DOS ESPECIALIZANDOS EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA

Alessandro Diogo De-Carli, Vera Lúcia Kodjaoglanian, Leika Geniole, Gisela Maria Azambuja de Oliveira

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer a percepção dos discentes do Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família (Turma 1), a respeito do sistema de avaliação formativa utilizado no curso. Foram aplicados questionários a 318 respondentes. Os dados quantitativos, oriundos das respostas em escala Likert, foram submetidos à análise estatística descritiva, com utilização do software SPSS (versão 13.0). Para a abordagem dos dados qualitativos, utilizou-se a Análise Temática. Em termos gerais, o grau de concordância dos respondentes em relação ao processo de avaliação formativa foi considerado alto (entre 6 e 7 em escala Likert), o que foi ilustrado pelas falas da análise temática. Os participantes da pesquisa reconheceram o sistema de avaliação formativa como instrumento inovador, coerente com a proposta pedagógica do curso e que incitou mudanças, principalmente na ajuda à tomada de decisões na Estratégia Saúde da Família, para um modo mais crítico de ver a realidade. 


Palavras-chave


Programa de pós-graduação em saúde; Avaliação formativa; Formação de recursos humanos

Texto completo:

PDF

Referências


Moura ERF, Holanda Jr. F, Rodrigues MSP. Avaliação da assistência pré-natal oferecida em uma microrregião de saúde do Ceará, Brasil. Cad Saude Publica 2003a; 19 (Supl.6):1791-9.

Moura ERF, Rodrigues MSP, Silva RM. Programa Saúde da Família: impacto na assistência pré-natal. Rev Chil Salud Publica 2003b; 7 (Supl.1):25-32.

Guimarães TMR, Alves JGB, Tavares MMF. Impacto das ações de imunização pelo Programa Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cad Saude Publica 2009; 25 (Supl.4):868-76.

Cyryno EG, Pereira MLT. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizagem por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad Saude Publica 2004; 20 (Supl.3):780-88.

Ceccim RB, Feurwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saude Publica 2004; 20 (Supl.5):1400-10.

Ausubel DP. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes; 1982.

Severiens S, Schmidt H. Academic and social integration and study progress in problem based learning. Higher Educ 2009; 58 (Supl.1):59-69.

Batista N, Batista SH, Goldenberg P, Seiffert O, Sonzogno MC. O enfoque problematizador na formação de profissionais da saúde. Rev Saúde Pública 2005; 39 (Supl.2):231-7.

Perrenoud P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas; 1999.

Torrance H, Pryor J. Developing formative assessment in the classroom: using action research to explore and modify theory. Brit Educacional Res J 2001; 27 (Supl.5): 615-31.

Earl L. Assessment as learning: using classroom assessment to maximize student learning. Thousand Oaks: Corwin Press; 2003.

Otsuka JL. Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente a distância. Actas Virt Educ 2002; 12- 14.

Rosa M, Maltempi MV. A avaliação vista sob o aspecto da educação a distância. Aval Pol Pub Ed 2006; 14 (Supl.50):57-76.

Harazim L, Hiltz S, Teles L, Turoff M. Learning networks: a field guide to teaching and learning online. Cambridge: MIT Pres; 1995.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ª ed. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70; 2002.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec; 2008.

Bourdie P. Ésquisse d’une théorie de la pratique. Paris: Librairie Droz; 1972.

Habermas J. Dialética e hermenêutica. Porto Alegre: L± 1987.

Fernandes D. Para uma teoria da avaliação formativa. Rev Portug Educ 2006; 19 (Supl.2):21-50.

Brasil. Secretaria de Educação a Distância. Indicadores de qualidade para cursos de graduação a distância; Ministério da Educação 2000.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface 1998; 2 (Supl.2):139-54.

Laguardia J, Potela MC, Vasconcellos MM. Avaliação em ambientes virtuais de aprendizagem. Educ Pesq 2007; 33 (Supl.3):513-30.

Guimarães R. Desafios da pós-graduação em saúde humana no Brasil. Rev Saude Publica 2011; 45 (Supl.1):1-13.

Lefevre AMC, Crestana MF, Cornetta VK. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde – CADRHU”, São Paulo – 2002. Saúde e Sociedade 2003; 12 (Supl.2):68-75.

Haddad AE, Morita MC, Pierantoni CR, Brenelli SL, Passarella T, Campos FE. Formação de profissionais de saúde no Brasil: uma análise no período de 1991 a 2008. Rev Saúde Pública 2010; 44 (Supl.3):383-93.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v1n1p19

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.