PERFIL DE MULHERES HIPOSSUFICIENTES COM INCONTINÊNCIA URINÁRIA PARTICIPANTES DE GRUPO DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO EM SAÚDE

Adilson Mendes, Agda Ramili Sousa, Algerry Rego, Bianca Carvalho Santos, Carina Sena Figueiredo, Edilene de Nazare Monteiro Gomes, Isadora Oliveira Freitas Barbosa, Maggy Atsuko Vilhena GonÇalves, Marília Barros Melo, Kátia Jung Campos, Thaís Seixas Coutinho, Cleuton Braga Landre, Jhone Michel Curti

Resumo


Introdução: Aproximadamente 200 milhões de pessoas no mundo apresentam algum tipo de Incontinência urinária (IU), ocorrendo mais em mulheres. Há vários tipos de IU, mas a de esforço (IUE) é a que mais acomete as mulheres. No estado do Amapá, não há estudos epidemiológicos abrangentes sobre IU. Entre as formas de tratamento desse tipo de IU tem-se destacado o tratamento fisioterapêutico. Objetivos: Traçar o perfil socioeconômico e clínico para um estudo epidemiológico da IU e promoção de ações de educação em saúde, voltadas para fisioterapia ginecológica para minimizar e prevenir a Incontinência urinária (IU). Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa-ação participativa, que se utiliza da educação e promoção de saúde numa perspectiva integralizadora e humanizadora em que os sujeitos são ativos e se empoderam. Duas etapas foram realizadas: 1.Diagnóstico do perfil das mulheres com IU, por meio de questionários e entrevistas. 2. Avaliação fisioterapêutica. As participantes foram selecionadas na maternidade Mãe Luzia, Macapá-AP, totalizando 100 sujeitos, divididas em 4 grupos. Resultados: Do primeiro grupo de participantes, o perfil socioeconômico das mulheres se apresentou com renda inferior a um salário mínimo. A idade varia entre 36 a 72 anos e o número de filhos se apresenta entre 0 (zero) a 14 filhos. O perfil clínico se apresenta entre o grupo de 28 mulheres, 21 (75%) que tiveram apenas partos vaginais, 6 (21,5%) partos com cesariana e 1 (3,5%) não teve filhos. 100% nunca fez nenhum tratamento para a IU. Há 4 casos de prolapso de bexiga e 1 de útero. Após avaliação observou-se 13 (46,43%) casos de Incontinência de esforço (IUE), 11(39,28%) casos de Incontinência urinária mista (IUM) e 4 (14,28%) de incontinência de urgência (IUU). 100% das mulheres relatam ter pouca ou quase nenhuma atenção médica, e nunca receberam orientação ou tratamento fisioterapêutico. Conclusão: Nessa primeira etapa dos estudos os achados feitos com as mulheres pesquisadas no estado do Amapá comprovam pesquisas em outros contextos, que as mulheres com partos vaginais apresentam maior prevalência de IUE. Além disso, demonstram ainda que as mulheres hipossuficientes têm dificuldade no acesso a tratamento da IU por uma série de fatores, entre eles a falta de informação sobre a doença, tendo o seu quadro de IUE agravado com casos de prolapso de bexiga e útero.

Palavras-chave


Incontinência Urinária; Saúde Pública; Saúde da Mulher

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.