QUALIDADE DE SONO E SUA RELAÇÃO COM FADIGA EM INDIVÍDUOS COM ESCLEROSE MÚLTIPLA

Bianca Luteski, Danielle Brandalize, Luciano Pavan Rossi, Michelle Brandalize

Resumo


Introdução: Oitenta por cento dos indivíduos com Esclerose Múltipla (EM) apresentam fadiga, a qual costuma ser um dos sintomas mais debilitantes. Além disso, problemas relacionados ao sono também são comuns nesses indivíduos.  Objetivo: Verificar a relação entre qualidade de sono e fadiga em indivíduos com EM. Método: Dez indivíduos de ambos os sexos com idade média de 35.0 ± 8.77 anos com diagnóstico de EM do tipo remitente-recorrente e que apresentavam fadiga pela escala de severidade da fadiga (≥28) participaram do estudo. Os instrumentos utilizados foram o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (IQSP) e Escala Modificada de Impacto da Fadiga (MFIS), a qual avalia os efeitos da fadiga nas funções físicas, cognitivas e psicossociais. A duração de sono, a siesta e sonolência diurna foram obtidos através do auto-relato. Resultados: 70% dos participantes apresentaram qualidade de sono ruim (IQSP >5), as médias de duração de sono foram maiores nos finais de semana (9,6h) quando comparados aos dias de semana (7,8h). Todos os participantes relataram sonolência diurna e 90% relataram o hábito da siesta. Não houve correlação entre qualidade de sono e o escore total da fadiga (MFIS) (r=0.23, p=0.51), porém foi observada correlação entre qualidade de sono e o dominio fadiga psicossocial (r=0,69, p=0,026). Conclusão: Não houve correlação entre qualidade de sono e escore de fadiga total, entretanto, as formas de compensação do sono como a siesta podem ter influenciado nesse resultado. Contudo, houve correlação moderada entre qualidade de sono e fadiga psicossocial.


Palavras-chave


esclerose múltipla; fadiga; sono.

Texto completo:

PDF

Referências


- Bar-Or A. Immunology of multiple sclerosis. Neurol Clin. 2005; 23:149–75.

- Neves MAO, Mello MP, Dumard CH, Antonioli RS, Botelho JP, Nascimento OJM, Freitas MRG. Abordagem fisioterapêutica na minimização dos efeitos da ataxia em indivíduos com esclerose múltipla. Rev Neurocienc. 2007;15:160-165.

- Moffat M, Bohmert JA, Hulme JB. Fisioterapia do Sistema Neuromuscular: Melhores Práticas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

- Veauthier C, Friedemann P. Sleep disorders in multiple sclerosis and their relationship to fatigue. Sleep M. 2014; 15:5–14.

- Braley TJ, Chervin RD. Fatigue in multiple sclerosis: mechanisms, evaluation, and treatment. Sleep. 2010; 33:1061-1067.

- Mendes MF. Fadiga na esclerose múltipla. Rev Neurocienc. 2007; 15:181.

- Krupp LB, Alvarez LA, LaRocca NG, Scheinberg LC. Fatigue in multiple sclerosis. Arch Neurol. 1988;45:435–7.

- Mendes MF, Tilbery CP, Felipe E. Fadiga e esclerose múltipla: estudo preliminar de 15 casos através de escalas de auto-avaliação. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2000; 58:467-470.

- Brass SD, Duquette P, Proulx-Therrien J, Auerbach S. Sleep disorders in patients with multiple sclerosis. Sleep Med Rev. 2010;14:121–129.

- Lunde HMB, Aae TF, Indrevag W, Aarseth J, Bjorvatn B, Myhr K, et al. Poor Sleep in Patients with Multiple Sclerosis. PLoS One. 2012;7(11):e49996.

- Viana P, Rodrigues E, Fernandes C, Matas A, Barreto R, Mendonça M, Peralta R. et al. InMS: Chronic insomnia disorder in multiple sclerosis – a Portuguese multicentre study on prevalence, subtypes, associated factors and impact on quality of life. Mult Scler Relat disord. 2015;4:477–483.

- Pokryszko-Dragan A, Bilin´ska M, Gruszka E, Biel L, Kamin´ska K, Konieczna K. Sleep disturbances in patients with multiple sclerosis. Neurol Sci. 2013;34:1291–1296.

- Filho HÁ, Carvalho SRS, Dias RM, Alvarenga RMP. Principais testes utilizados na avaliação de fadiga na esclerose múltipla. Rev Bras Neurol. 2010;46:37-43.

- Pavan K, Schmidt K, Marangoni B, Mendes MF. Tilbery, C.P.; Lianza, S. Esclerose múltipla adaptação transcultural e validação da escala modificada de impacto de fadiga. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2007;65:669-673.

- Nogueira LAC, Nóbrega FR, Lopes KN, Thuler LCS, Alvarenga RMP. The effect of functional limitations and fatigue on the quality of life in people with multiple sclerosis. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2009;67:812-817.

- Buysse DJ, Reynolds CF, Monk TH, Berman SR, Kupfer DJ. The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for the psychiatric practice and research. Psychiat Res. 1989;28(2):193-213.

- Almondes KM, Araújo J. Padrão do ciclo sono-vigília e sua relação com a ansiedade em estudantes universitários. Estud. psicol. 2003; 8:37-43.

- Cowam P. Sleep disturbance in multiple sclerosis. (Dissertação). Inglaterra: Leeds Metropolitan University, 2009, 72.

- Tabrizi FM, Radfar M. Fatigue, Sleep Quality, and Disability in Relation to Quality of Life in Multiple Sclerosis. Int J MS Care. 2015;17:268–274.

- Veauthier C, Radbruch H, Gaede G, Pfueller CF, Dörr J, Bellmann-Strobl JP et al. Fatigue in multiple sclerosis is closely related to sleep disorders: a polysomnographic cross-sectional study. Mult Scler. 2011;17: 613-622.

- Bakshi R, Shaikh ZA, Miletich RS, Czarnecki D, Dmochowski J, Henschel K, et al. Fatigue in multiple sclerosis and its relationship to depression and neurologic disability. Mult Scler 2000;6:181–5.

- Haase VG, Lacerda SS, Lima EP, Corrêa TA, Brito DCS, Lana-peixoto MA. Avaliação do funcionamento psicossocial na esclerose múltipla características psicométricas de quatro medidas de auto-relato. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2004; 62:282-290.

- Attarian HP, Brown KM, Duntley SP, Carter JD, Cross AH. The relationship of sleep disturbances and fatigue in multiple sclerosis. Arch Neurol. 2004;61:525–8.

- Stanton BR, Barnes F, Silber E. Sleep and fatigue in multiple sclerosis. Mult Scler. 2006;12:481–6.

- Brooks A, Lack L. A Brief Afternoon Nap Following Nocturnal Sleep Restriction: Which Nap Duration is Most Recuperative? Sleep. 2006; 29:831-840.

- Veauthier C, Gaedec G, Radbruchc H, Gottschalkc S, Wernecked KD, Paulc F. Treatment of sleep disorders may improve fatigue in multiple sclerosis. Clin Neurol Neurosurg. 2013;115:1826– 1830.

- Bamer AM, Johnson KL, Amtmann D, Kraft GH. Prevalence of sleep problems in individuals with multiple sclerosis. Mult Scler. 2010; 14:1127-1130.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v4n7.p40

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.