RESOLUTIVIDADE DA FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE (AB): A PERCEPÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS

Ana Jéssica de Lima, Natália Rennó Lemes, Geraldo Eduardo Guedes de Britto, Sueli Leiko Takamatsu Goyatá, Silvia Lanziotti Azevedo da Silva

Resumo


A atuação da fisioterapia na Atenção Básica à Saúde (AB) é um processo em construção que enfrenta desafios, visto que o fisioterapeuta é formado para a reabilitação. Este estudo teve como objetivo compreender a percepção dos fisioterapeutas atuantes na AB sobre resolutividade de suas ações e possíveis mudanças com a utilização de protocolo de encaminhamentos na organização do serviço. Utilizou-se metodologia qualitativa e descritiva, com análise de conteúdo. Os profissionais entrevistados apontaram a resolutividade das ações a partir de duas perspectivas antagônicas: os fisioterapeutas que consideram a prevenção, a promoção e a educação em saúde como práticas inerentes à Fisioterapia avaliaram a resolutividade das ações como boa, e aqueles que consideram apenas o tratamento de doenças apontaram-na como baixa. Por fim, é importante conscientizar os fisioterapeutas da importância da funcionalidade na definição do acesso a serviços mais complexos, desde a sua formação, buscando maior resolutividade na AB. O investimento na formação desse profissional é fundamental para que, dentro de sua atuação, ele valorize menos a técnica e mais as posturas humanizadas, o diálogo e a funcionalidade de seus pacientes, recursos de grande importância para a atuação dentro do primeiro nível da rede de atenção.


Palavras-chave


Fisioterapia; Atenção Primária à Saúde; Entrevista; Análise Qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil ACO, Brandão JAM, Silva MON, Filho VCG. O papel do fisioterapeuta do programa saúde da família do município de Sobral-Ceará. RBPS. 2005; 18(1):3-6.

Ribeiro KSQ. A atuação da fisioterapia na atenção primária à saúde. Fisioterapia Brasil. 2002; 5(3):311-318.

Resolução CNE/CES 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Brasília, DF. Diário Oficial da União, 4 de março de 2002.

Portaria GM Nº 154, 24 de janeiro de 2008. Criação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Brasília, DF. Diário Oficial da União, 04 mar 2008.

Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília; 2003.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública de Minas Gerais; 2009.

Ministério da Saúde. Endocrinologia e nefrologia. Protocolos de encaminhamento da atenção básica para a atenção especializada. Brasília: MS. [internet], 2016 [acesso em Jun 2016]; 25. Disponível em: http://www.saude.gov.br/bvs.

Farias N, Buchalla CM. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: Conceitos, Usos e Perspectivas. Rev Bras Epidemiol. 2005; 8(2):187-93.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 1a ed. São Paulo: Retórica; 2011.

Campos CJG. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm. 2004; 57(5):611-614.

Camara AMCS. Oficina de Educação Interprofissional para a Residência Multiprofissional. Cad Edu Saude e Fis. 2014; (1):27-34.

Yonamine CY, Trelha CS. O modo de fazer saúde: a fisioterapia na residência multiprofissional em saúde da família em uma unidade básica. Rev. Espaço Saúde. 2009;11(1):17-27.

Silva DJ, Da Ros MA. Inserção de profissionais de fisioterapia na equipe de saúde da família e Sistema Único de Saúde: desafios na formação. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(6):1673-1681.

Teixeira RC. Aderência dos cursos de Fisioterapia da região Norte às Diretrizes Curriculares Nacionais. Fisioter Mov. 2012; 25(1):47-54.

Pain JS, Alves F, Naomar A. Saúde Coletiva: uma nova saúde pública ou campo aberto a novos paradigmas? Rev. Saúde Pública. 1998; 32(4):299-316.

Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 5ª região. Leis e atos normativos das profissões do fisioterapeuta e terapeuta ocupacional. Porto Alegre; 1997.

Augusto VG, Aquino CF, Machado NC, Cardoso VA, Ribeiro S. Promoção de saúde em unidades básicas: análise das representações sociais dos usuários sobre a atuação da fisioterapia. Cienc Saúde Coletiva 2011; 16(supl 1) 957:963.

Neves LMT, Acioli GG. Desafios da integralidade: revisitando as concepções sobre o papel do fisioterapeuta na equipe de Saúde da Família. Interface (Botucatu). 2011; 15(37):551-564.

Savassi, LCM. Qualidade em serviços públicos: os desafios da atenção primária. Rev bras med fam comunidade. 2012; 7(23):69-74.

Brasil. Lei n° 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF. Diário Oficial da União, 19 set. 1990.

Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2007.

Figueiredo EBL, Gouvêa MV, Cortez EA, Santos SCP, Alóchio KV, Silva, LM Alves. Dez anos da educação permanente como política de formação em saúde no brasil: um estudo das teses e dissertações. Trab Educ Saúde 2017; 15(1):147-162.

Silva LAA, Schmidt SMS, Noal HC, Signor E, Gomes IEM. Avaliação da educação permanente no processo de trabalho em saúde. Trab Educ Saúde 2016; 14(3):765-781.

Lima DLF. Movimento para a vida (mpav): proposta de um novo índice de Funcionalidade para o idoso. Rev. CIF Brasil. 2015; 3(3):28-39.

Belmonte LM, Chiaradia LCN, Belmonte LAO. CIF nos cursos de graduação de Fisioterapia da grande Florianópolis. Rev. CIF Brasil. 2015; 2(2):11-24.

Organização Mundial de Saúde /Organização Panamericana de Saúde. CIF classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo; 2003.

Sampaio RF, Mancini MC, Fonseca ST. Produção científica e atuação profissional: aspectos que limitam essa integração na fisioterapia e na terapia ocupacional. Rev Bras Fisioterapia. 2002; 6(3):113-118.

Brockow T, Cieza A, Kuhlow H, Sigl T, Franke T, Harder M. Identifying the concepts contained in outcome measures of clinical trials on musculoskeletal disorders and chronic widespread pain using the international classification of functioning, disability and health as a reference. J Rehabil Med. 2004; (44):30-36.

Steiner WA, Ryser L, Huber E, Uebelhart D, Aeschlimann A, Stucki G. Use of the ICF model as a clinical problem-solving tool in physical therapy and rehabilitation medicine. Phys Ther. 2002; 82(11):1098-1107.

Silva DJ, Ros MA. Inserção de profissionais de fisioterapia na equipe de saúde da família e Sistema Único de Saúde: desafios na formação. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(6):1673-1681.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v4n8.p14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.