EXIGÊNCIAS MUSCULOESQUELÉTICAS DO TRABALHO DOCENTE EM UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

Gabriela Carrascosa Molina, Gabrielle Cordeiro de Araujo, Gabriel Sartori Klostermann, Arlete Ana Motter

Resumo


O presente estudo aborda as condições de trabalho dos docentes de uma instituição pública e suas necessidades físicas e psicológicas para/com a docência. O objetivo do estudo foi analisar as condições de trabalho dos docentes e analisar as exigências físicas que essas condições apresentam. Estudo transversal, exploratório e descritivo. O estudo foi realizado no setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná e participaram os docentes pertencentes à 11 departamentos. Para tal, foram selecionados questionários como o QSATs 2015 (Questionário Saúde e Trabalho em Atividades de Serviço, BRITO et. al., 2015) que foi adaptado e o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO) que abordaram o processo-saúde doença, sua relação com o trabalho docente, condições ambientais de trabalho e sua relação com os alunos. Foram analisados 62 questionários e 32 docentes foram orientados individualmente em seus postos de trabalho. Os dados obtidos nos permitiram analisar as condições de trabalho dos docentes universitários e como isso afeta em sua saúde e pudemos realizar orientações dos postos de trabalho para um melhor aproveitamento docente. A amostra foi composta por sua maioria do sexo feminino (64,52%), a carga horária média semanal em sala de aula foi de 9,8 horas, 72,58% dos participantes relataram sentir dores nas costas, 96,77% permanecem em posturas cansativas, 93,54% permanecem muito tempo em pé em deslocamento e 82,25% praticam exercícios físicos regularmente. Concluiu-se que grande parte dos docentes possuem chances de desenvolver doenças ocupacionais advindas de condições ergonômicas inadequadas.


Palavras-chave


Fisioterapia. Professor. Dor musculoesquelética.

Texto completo:

PDF

Referências


Mancebo D. Trabalho docente: subjetividade, sobreimplicação e prazer. Psicologia: Reflexão & Crítica. 2007;20(1):77-83.

Vilela EF, Garcia FC, Vieira A. Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: estudo de caso em uma instituição pública. Revista Eletrônica de Administração. 2013;19(2):517-540.

Hugue TD, Pereira Júnior AA. Prevalência de dor osteomuscular entre os funcionários administrativos da Unifebe. Rev Unifebe. 2011;1(9):1-9.

Merhparvar AH, Haydari M, Mirmohammadi SJ, Mostaghaci M, Davari MH, Taheri M. Ergonomic intervention, workplace exercises and musculoeskeletal complaints: a comparative study. Med J Islam Repub Iran. 2014;28:69.

Oliveira MM, Andrade SSCA, De Souza CAV, Ponte JN, Szwarcwald CL, Malta DC. Problema crônico de coluna e diagnóstico de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) autorreferidos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):287-296.

Servilha EAM, Ruela IS. Riscos Ocupacionais à saúde de voz dos professores: especificidades das unidades de rede municipal de ensino. Rev CEFAC. 2010;12(1):109-114.

Bussab WO, Morettin PA. Estatí¬stica Básica. 6. ed. São Paulo, Brasil: Saraiva, 2010. 540 p.

R Core Team (2017). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna.

Dejours C. A loucura do trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Editora Cortez Oboré, 1987. 168p.

Brasil. Secretaria de Inspeção do Trabalho. Norma Regulamentadora nº 17. 30 de março de 2007.

Erick P, Smith D. Musculoskeletal disorder risk factors in the teaching profession: a critical review. OA Musculoskeletal Medicine. 2013;1(3):29.

Yue P, Liu F, Li L. Neck/shoulder pain and low back pain among school teachers in China, prevalence and risk factors. BMC Public Health. 2012;12:789.

Lima MFEM, Lima-Filho DO. Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição. 2009;14(3): 62-82.

Tavares ED, Alves FA, Garbin LS, Silvestre MLC, Pacheco RD. Projeto de qualidade de vida: combate ao estresse do professor. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2007.

Maia ALS, Saito CA, Oliveira JA, Bussacos MA, Maeno M, Lorenzi RL, Santos SA. Acidentes de Trabalho no Brasil em 2013: Comparação Entre Dados Selecionados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), do IBGE, e do Anuário Estatístico da Previdência Social (AEPS), do Ministério da Previdência Social. In: XXII Encontro Nacional da Anipes, 2017, São Paulo. Boletim Estatísticas Públicas-BEP 13, 2017. v. 13.

Pinto ALT. Segurança e medicina de trabalho. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

Lida I. Ergonomia: projeto e execução. Ed. Edgard Blücher, 2005.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v4n7.p07

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.