IMPLANTAÇÃO DE UMA NOVA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Adriane Pires Batiston, Suely Grosseman, Laís Alves de Souza Bonilha, Fernando Pierette Ferrari, Arthur de Almeida Medeiros, Clayton Duenha, Roberto Zonato Esteves

Resumo


O curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul foi criado em 2008; desde então, vem se construindo permanentemente a fim de aproximar-se das necessidades das pessoas e dos serviços de saúde. O estágio de Fisioterapia na atenção básica realizado nas Unidades Básicas de Saúde da Família sempre se configurou como um desafio pela inexistência do profissional fisioterapeuta na Estratégia Saúde da Família em Campo Grande/MS e também pelo modelo de trabalho desenvolvido pelas equipes que possuíam uma visão limitada das possibilidades de atuação do fisioterapeuta, incluindo-se as ações de promoção e prevenção de saúde. O cuidado integral pressupõe a realização de ações resolutivas que englobem desde a promoção à saúde até a reabilitação, para tanto, faz-se necessária uma abordagem interprofissional. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família pode ser transformado por estratégias que possibilitem a experiência do aprendizado e do trabalho em equipe tanto aos estudantes dos vários cursos da saúde quanto aos profissionais da Estratégia Saúde da Família, aproximando o mundo da formação do mundo do trabalho. O objetivo deste artigo é relatar a experiência da implantação de uma nova proposta pedagógica para o Estágio Supervisionado em Fisioterapia na Atenção Básica. A experiência, objeto deste relato, constitui-se como uma proposta pedagógica implantada em 2016. A proposta foi construída coletivamente pelos docentes e fisioterapeutas da universidade e equipes de Saúde da Família e foi apoiada em uma nova lógica do trabalho dos estudantes concluintes do curso de graduação em Fisioterapia, durante seu estágio, estando estes inseridos em ações de educação, cuidado, gestão e participação social, tendo uma equipe de referência dentro da qual realizou todas as atividades previstas para o desenvolvimento de competências esperadas para sua formação nesse nível de atenção. A partir da avaliação dos primeiros estudantes participantes da nova proposta implantada, identificaram-se impactos positivos da experiência, com destaque para o sentimento de pertencimento do aluno à equipe de Saúde da Família à qual estava vinculado, avançando na prática interprofissional e na integração do estudante com pacientes e familiares, propiciando cuidado mais resolutivo e contribuindo para a mudança da percepção da equipe sobre as possibilidades de atuação do fisioterapeuta na ESF, aumentando o conhecimento da equipe sobre a importância desse profissional no desenvolvimento de ações de promoção da saúde e prevenção de agravos, além das ações de reabilitação e recuperação já estabelecidas no senso comum.


Palavras-chave


Fisioterapia; Atenção Primária à Saúde; Educação Superior

Texto completo:

PDF

Referências


Salmória JG, Camargo WA. Uma Aproximação dos Signos - Fisioterapia e Saúde - aos Aspectos Humanos e Sociais. Saude soc. 2008; 17(1): 73-84.

Brasil. Decreto-lei 938 de 13 de outubro de 1969. Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, n.197, seção 1, p.3658. 16 out. 1969.

Rocha VM, Câmara AMCS, Ferrari F, Batiston AP. Movimento Associativo e Educativo da Fisioterapia - Abenfisio e o Fórum Nacional de Educação das Profissões da Área da Saúde – Fnepas. Cad.FNEPAS.2012; v. 2: 18-24.

Dean E, Al-Obaidi S, De Andrade, Gosselink R, Umerah G, Al-Abdelwahab S et al. The First Physical Therapy Summit on Global Health: implications and recommendations for the 21st century. Physiother Theory Pract. 2011;27(8):531-47.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf. Acesso em 20 de março de 2015.

Peduzzi M. O SUS é interprofissional. Interface (Botucatu). 2017; 20(56): 199-201.

Trelha CS, Silva D W, Iida LM, Fortes MH, Mendes TS. O fisioterapeuta no programa de saúde da família em Londrina (PR), Rev Esp Saude 2007; 8(2): 20-25.

Rezende M, Moreira MR, Amâncio Filho A, Tavares MFL. A equipe multiprofissional da 'Saúde da Família': uma reflexão sobre o papel do fisioterapeuta. Ciênc. saúde coletiva. 2009; 14(Suppl 1): 1403-1410.

Santos MLM, Medeiros AA, Batiston AP, Pontes ERJ, Ferrari FP, Fernandes JM, Rios TA, Muzili NA, Sanches VS. Competências e atribuições do fisioterapeuta na Atenção Primária à Saúde. Fisioter Bras 2014; 15(1):69-76.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução n. 4. aprovada em 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Diário Oficial da União, de 4 de março de 2002. Seção 1, p. 11.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Rev. de Saúde Coletiva. 2004;14(1):41-65.

Novais BKLO, Brito GEG. Percepções sobre o trabalho do fisioterapeuta na atenção primária. Rev. APS. 2011;14(4): 424-34.

Fernandes JM, Rios TA, Sanches VS, Santos MLM. NASF's tools and practices in health of physical therapists. Fisioter. mov. 2016; 29(4): 741-750.

Braghini CC, Ferretti F, Ferraz L. Physiotherapist's role in the NASF: perception of coordinators and staff. Fisioter. mov. 2016; 29(4): 767-776.

Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 12(2): 455-464.

Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do fisioterapeuta na atenção básica: uma analogia entre experiências acadêmicas e a proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). R Bras Ci Saúde. 2012; 16(2):113-122.

Bispo Júnior JP. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Cien Saude Colet 2010; 15(Supl 1): 1627-36.

Rocha VM, Caldas MAJ, Araújo FEO, Ragasson CAP, Santos MLS, Batiston AP. As diretrizes curriculares e as mudanças na formação de profissionais fisioterapeutas (ABENFISIO). Fisioterapia Brasil 2010; (Supl 1): 4-8.

Neves LMT, Aciole GG. Desafios da integralidade: revisitando as concepções sobre o papel do fisioterapeuta na equipe de Saúde da Família. Interface. 2011; 15(3 ): 551-564.




DOI: https://doi.org/10.18310/2358-8306.v4n8.p48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia foi avaliada como B2 na área de Ensino, B3 na área de Serviço Social, B4 nas áreas de Saúde Coletiva, Interdisciplinar, Enfermagem e Educação Física e B5 na área de Medicina II e Arquitetura, Urbanismo e Design no QUALIS/CAPES - Quadriênio 2013-2016.