Vigilância epidemiológica e sua relação com os processos migratórios: obervações do caso dos Venezuelanos em Roraima

Tárcia Almeida Barreto, Fabrício Barreto, Georgia Patricia Silva Ferko, Francilene dos Santos Rodrigues

Resumo


A partir do enfoque etnográfico sobre as redes sociais articuladas em torno da questão do
migrante em Roraima, o artigo reflete sobre como os processos migratórios e a vigilância
epidemiológica, interagem entre si. O foco é o intenso fluxo migratório de venezuelanos rumo ao
Brasil, iniciado em meados de 2014, pelo estado fronteiriço, Roraima, descrevendo alguns
aspectos do período mais crítico da migração, que se deu em meados de 2017, culminando com a
reinserção do vírus do sarampo no Estado e a sua disseminação para o Brasil, em um curto espaço
de tempo. As observações deste artigo refletem uma fragilidade no serviço de vigilância
epidemiológica, no que tange o sistema vacinal e ainda a necessidade de se construir um novo
olhar às populações que migram em busca de melhores condições de vida, sem estigmatizá-los
como responsáveis por novas “tragédias sociais”.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


BARRETTO, Mauro Pereira. Movimentos Migratórios E Sua Importância da Epidemiologia de Doenças Parasitarias No Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. Vol. I — Nº 3

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 15. ed. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2006. 349 p.

TAIL,Pedro Luiz Tauil. Controle de doenças transmitidas por vetores no sistema único de saúde. Inf. Epidemiol. Sus v.11 nº2 Brasília jun. 2002

BRASIL, Secretaria Estadual de Saúde de Roraima. Sala de Situação em Emergência em Saúde Boletim Epidemiológico de Sarampo. Atualizado em 08 de novembro de 2018.

GOLDMAN, Lee; AUSIELLO, Dennis. Cecil Medicina Interna. 24. ed. Saunders Elsevier, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Plano de Contingência para Resposta às Emergências em Saúde Pública Sarampo. 1ª edição – 2016 – versão eletrônica. Acesse pagina: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/agosto/10/plano-contingencia-sarampo-2016-10-ago.pdf. Visitado no dia 20 de março de 2018.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2236g393

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS