Educação Permanente em Movimento - uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso

Emerson Elias Merhy

Resumo


Educação Permanente em Movimento - uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso  


Palavras-chave


Pessoal de Saúde; Educação Permanente; Trabalho; Saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


Yuka, M. Entrevista. Rev Cult. (145):16-20 Acessado em: 19 nov 2014.

Merhy, EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educación permanente en salud: una estrategia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud Colectiva. 2006;2(2):147-160.

Gomes, MPC, Merhy, EE, organizadores. Pesquisadores IN-MUNDO: Um estudo da micropolítica da produção do acesso e barreira em saúde mental. Porto Alegre: Rede Unida; 2014: 55-87.

Gomes, MPC, Cipriano, RC, Freire, JT, Merhy, EE, Abrahão, AL, Silva, E, Vianna, L, Tallemberg, C. Acesso às multiplicidades do cuidado como enfrentamento das barreiras em saúde mental; Histórias de R-. In: Gomes, MPC, Merhy, EE, organizadores. Pesquisadores IN-MUNDO: Um estudo da micropolítica da produção do acesso e barreira em saúde mental. Porto Alegre: Rede Unida; 2014: 55-87.

Merhy, EE. Vista do ponto de vista, cuidado e formação em saúde. Vídeo aula, em Campo Grande, junho de 14. Disponível em: http://saudemicropolitica.blogspot.com.br/2014/06/merhy-video-aula-em-campo-grande-junho.html. Acesso em: 19 nov 2014.

Franco, TB; Merhy, EE. Trabalho, Produção do Cuidado e Subjetividade em Saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Merhy, EE, Feuerwerker, L.C.M. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino, ACS, Gomberg, E. organizadores. Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristovão, Salvador: UFS e UFBA, 2009: 29-56.

Silva, E. As múltiplas linguagens na teatralidade circense. Tese de doutorado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2003.

Foucault, M. Hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes; 2010.

MERHY, EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.

Merhy, EE, Gomes, MPC, Silva, E, Santos, MFL, Cruz, KT, Franco, TB. Redes Vivas: multiplicidades girando as existências, sinais da rua. Implicações para a produção do cuidado e a produção do conhecimento em saúde. Sine data. Disponível em: . Acessado em: 19 nov 2014.

Merhy, EE. A Perda da Dimensão Cuidadora na Produção da Saúde: Uma Discussão do Modelo Assistencial e na Intervenção no seu modo de Trabalhar a Assistência. Disponível em: < www.hc.ufmg.br/gids/perda.doc> Acessado em nov 2014.

Deleuze, G, Guattari, F. Mil platôs - vol. 1 Capitalismo e esquizofrenia, 2ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

Moebus, R. Apresentação em evento. Seminário de Pesquisa do Observatório de Políticas e Cuidado em Saúde. Setembro 2014. Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica UFRJ. Rio de Janeiro – RJ.

Silva, E. O circo sua arte e seus saberes: O circo no Brasil do final do século XIX a meados do XX: Dissertação de mestrado apresentada ao departamento de história do instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas: Universidade de Campinas. 1996.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p07-14

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n1.309g15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS