Educação Permanente em Saúde: colocando em análise a produção de conhecimento.

Autores

  • Marcia Naomi Santos Higashijima Escola de Saúde Pública Dr. Jorge David Nasser Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul https://orcid.org/0000-0002-4924-5346
  • Alcindo Antônio Ferla Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Programa de Pós-graduação em Saúde da Família
  • Mara Lisiane Moraes dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Programa de Pós-graduação em Saúde da Família

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8nsup1p57-73

Palavras-chave:

Atenção básica. Estratégia Saúde da Família. Sistema Único de Saúde. Educação permanente.

Resumo

A educação permanente em saúde (EPS) é utilizada como estratégia para a transformação das práticas profissionais e da própria organização do trabalho, instituída através da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) no ano de 2004, tornando-se dispositivo de intervenção institucional. No entanto, apesar de mais de uma década da implantação desta política, observa-se dificuldades quanto à concepção e práticas de EPS no Brasil, com a adoção de práticas tecnicistas e instrumentalizadas nomeadas como EPS. Objetivo: Explorar o contexto teórico da PNEPS desde a sua implantação e o forjamento da concepção de EPS, como uma criação brasileira que carrega os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, tendo por campo a Atenção Básica. Método: Foram realizadas buscas na literatura que traziam como tema a educação permanente em saúde e saúde pública, sem restrição quanto ao período de publicação. Conclusões: As produções indicam o uso indiscriminado do conceito de EPS, escolha por nomear EPS ações de educação continuada, desconhecimento da PNEPS por parte de gestores, trabalhadores e usuários. No entanto, é possível observar que não há problematização dos dados coletados, assim como não os coloca em análise histórica, movimento proposto neste ensaio.

Biografia do Autor

Alcindo Antônio Ferla, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Programa de Pós-graduação em Saúde da Família

Essa produção intelectual contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), por meio de bolsa de pesquisador visitante sênior

Referências

Brasil. Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXXVIII, n. 181, p.18055-18059, 19 set. 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa de Saúde da Família (PSF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLVIII, n. 204, p. 48-55. 24 out 2011.

Padilha M. Apresentação / Educação e prática interprofissional no Sistema Único de Saúde: ensino cooperativo e aprendizagem baseada no trabalho em equipes de saúde. In: Ferla AA, Torres OM, Baptista GC, Schweickardt JC. (orgs.). Ensino cooperativo e aprendizagem baseada no trabalho: das intenções à ação em equipes de saúde. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2019, série Vivências em Educação na Saúde.

Ferla AA et al. Ensino cooperativo e aprendizagem baseada no trabalho em equipes de saúde: interações e ações. In: Ensino cooperativo e aprendizagem baseada no trabalho: das intenções à ação em equipes de saúde. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2019, série Vivências em Educação na Saúde.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, Rio de Janeiro, vol.14, n.1, p. 41-65, abr./maio. 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312004000100004.

Machado JFFP, De Carli AD, Kodjaoglanian VL, Santos MLM. Educação permanente no cotidiano da atenção básica no Mato Grosso do Sul. Saúde Debate, Rio de Janeiro, 39 (104): 102-113, jan./mar. 2015. https://doi.org/10.1590/0103-110420151040223.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLI, n. 32, p. 37, 16 fev. 2004.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 443-456, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1981-77462008000300003.

Ferla AA et al. Um paradoxo civilizatório: a pandemia como desafio ao ensino e trabalho na saúde e como afirmação das vidas. Saúde em Redes. 2020;6(Supl.2):1-6. DOI: https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.3215g478

Dawson L. Interim reporto on the future provisiono f medical and allied services 1920 (Lord Dawson of Penn). Present to parliament by comando f his majesty. Ministry of health, 1920.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Segunda conferência mundial de educación de adultos. Paris: Unesco; 1963.

Faure E et al. Aprender a ser: la educación del futuro. 2nd. Madrid. Alianza editorial, S. A. e Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Paris. 1973.

Haddad JQ, Mojica MJ, Chang MI. Processo de educación permanente em salud. Educación Médica y Salud, 1987; n. 21, p.11-29.

Silva LAA da et al. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, 38 (1): 1-8, mar./2017. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.01.58779.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. 9ª Conferência Nacional de Saúde. Relatório final. 1992. Disponível em http://www.conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/relatorio_9.pdf. Acesso em 12/10/2020.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. 10ª Conferência Nacional de Saúde. Relatório final. 1996. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/10conferencia.pdf. Acesso em 12/10/2020.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 335, de 27 de novembro de 2003. Afirmar a aprovação da “Política Nacional de Formação e Desenvolvimento para o SUS: Caminhos para a Educação Permanente em Saúde” e a estratégia de “Pólos ou Rodas de Educação Permanente em Saúde,” como instâncias locorregionais e interinstitucionais de gestão da Educação Permanente. Diário oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLI, nº 25, p. 62, 05 fev. 2004.

Ceccim RB. Réplica. Interface, Botucatu, 9 (16): 175-177, set./fev. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000100016

Brasil. Ministério da Saúde. Políticas de formação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde. Polos de educação permanente em saúde. Brasília, Ministério da Saúde. 2004.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS nº 363, de 11 de agosto de 2006. Aprovar a Política Nacional de Educação Permanente para o Controle Social no Sistema Único de Saúde-SUS, para implementação nas três esferas de Governo - Federal, Estadual e Municipal. Diário oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLIII, n. 172, p. 76-77, 06 de setembro de 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CXLIV, n. 162, p. 34, 22 ago. 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 278, de 27 de fevereiro de 2014. Institui diretrizes para implementação da Política de Educação Permanente em Saúde, no âmbito do Ministério da Saúde (MS). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CLI, n. 42, p. 59-60, 28 fev. 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n° 3.194, de 28 de novembro de 2017. Dispõe sobre o programa para o fortalecimento das práticas de educação permanente em saúde no sistema único de saúde - PRO EPS-SUS. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano CLI, n. 229, p. 141., 30 nov. 2017.

Lemos FM, Silva GGA. Educação permanente em saúde: o estado da arte. Rev. Interdisciplin. Promoç. Saúde, Santa Cruz do Sul, 1(3): 207-213, jul/set. 2018. https://doi.org/10.17058/rips.v1i3.12867.

Merhy EE. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface, Botucatu, 9 (16): 172-174, sept./feb. 2005. https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100015.

Merhy EE. Educação permanente em movimento: uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes, Porto Alegre, 1 (1): 7-14, jul. 2015. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p07-14

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Actas de la Conferencia General. In: 19a reunión Nairobi. Paris: UNESCO, 1976.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Paz e Terra, 47 ed. Rio de Janeiro, 2005.

Campos KFC, Sena RR, Silva KL. Educação permanente nos serviços de saúde. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, 21(4): 1-10, aug 2017. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0317.

Ribeiro ECO, Motta JIJ. Educação Permanente como estratégia na reorganização dos serviços de saúde. Divulg. Saúde para Debate, Londrina, (12):39-44, jul. 1996. DOI: 10.1590/2177-9465-EAN-2016-0317.

Ezequiel MCDG et al. Estudantes e usuários avaliam ferramenta de educação permanente em saúde - Sieps. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, 36 (1): 112-130, supl. 2, mar. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000300017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacto_saude_volume9.pdf. Acesso: 10/10/2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de saúde da comunidade. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília. Ministério da Saúde, 1997. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf. Acesso: 10/10/2020.

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Contribuições e desafios da estratégia saúde da família na atenção primária à saúde no brasil: revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 21 (5): 1499-1510, maio 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.19602015.

Heimann LS et al. Atenção primária em saúde: um estudo multidimensional sobre os desafios e potencialidades na região metropolitana de São Paulo (SP, Brasil). Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 16 (6): 2877-2887, jun. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000600025.

Silva JAM, Ogata MN, Machado MLT. Capacitação dos trabalhadores de saúde na atenção básica: impactos e perspectivas. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiás, 9 (2): 389-01, mai-ago 2007. https://doi.org/10.5216/ree.v9i2.7173.

Sena RR et al. Educação permanente nos serviços de saúde: atividades educativas desenvolvidas no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Gaúcha Enferm, Porto Alegre, 38 (2): 1–7, 2017. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.02.64031.

Merhy EE, Gomes LB. Colaborações ao debate sobre a revisão da política nacional de educação permanente em saúde. In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA. (orgs.) A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016, p. 67-92. Disponível em http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-atencao-basica-e-educacao-na-saude/a-educacao-permanente-em-saude-e-as-redes-colaborativas-conexoes-para-a-producao-de-saberes-e-praticas-epub. Acesso: 10/10/2020.

Pinto HA. Política nacional de educação permanente em saúde: aprender para transformar. In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA. (Orgs.). A Educação Permanente em Saúde e as Redes Colaborativas Conexões para a produção de saberes e práticas. 1 ed. Porto Alegre: Rede Unida, 2016. p. 143–174. Disponível em http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-atencao-basica-e-educacao-na-saude/a-educacao-permanente-em-saude-e-as-redes-colaborativas-conexoes-para-a-producao-de-saberes-e-praticas-epub. Acesso: 10/10/2020.

Merhy EE Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2002. (Saúde em Debate, 145).

Macêdo NB, Albuquerque PC, Medeiros KR. O desafio da implementação da educação permanente na gestão da educação na saúde. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 12 (2): 379-401, maio/ago 2014. https://doi.org/10.1590/S1981-77462014000200010

Peduzzi M et al. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface, Botucatu, 13 (30): 121-34, jul./set. 2009. https://doi.org/10.1590/S1414-32832009000300011

Peres C, Silva RF, Barba PCSD. Desafios e potencialidades do processo de educação permanente em saúde. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 14 (3): 783-801, set./dez. 2016. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00016.

Ximenes Neto FRG. Política de Educação Permanente em Saúde: impasses, desafios e possibilidades. 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira o Progresso da Ciência-SBPC. Fortaleza: SBPC, 2005, Anais, p. 1-6. Disponível em http://www.sbpcnet.org.br/livro/57ra/programas/CONF_SIMP/textos/franciscoximenesneto.htm. Acesso em 25/10/2020.

Silva LAA et al. Desafios na construção de um projeto de educação permanente em saúde. Rev Enferm UFSM, Santa Maria (RS), 2 (3): 496-506, set./dez. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/217976925364.

Campos GWS, Cunha GT, Figueiredo MD. Práxis e Formação Paideia: apoio e cogestão em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Bomfim ES et al. Educação per¬manente no cotidiano das equipes de saúde da família: utopia, intenção ou realidade? Res. fundam. care. online, Rio de Janeiro, 9 (2): 526-535, abr./jun. 2017. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i2.526-535.

Lima SAV, Albuquerque PC, Wenceslau LD. Educação permanente em saúde segundo os profissionais da gestão de Recife, Pernambuco. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 12 (2): 425-441, ago. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462014000200012.

Mishima SM et al. Perspectiva de gestores sobre educação permanente em saúde em uma região do Estado de São Paulo. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, 49 (4): 0665-0673, ago. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000400018.

Dolny LL et al. Educação permanente em saúde (EPS) no processo de trabalho de equipes de saúde da família (ESF). Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, 3 (1): 15-38, jan./feb. 2020. DOI:10.34119/bjhrv3n1-002.

Alves DM. A experiência da Educação Permanente em Saúde no município de Registro, São Paulo. 2019. Dissertação (Mestrado em Formação Interdisciplinar em Saúde) - Faculdade de Odontologia, Escola de Enfermagem e Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019. doi:10.11606/D.108.2019.tde-23012020-133236. Acesso em: 31/10/2020.

Silva LAA et al. A educação permanente no processo de trabalho de enfermagem. R. Enferm. Cent. O. Min., Minas Gerais, 6 (3):2349-2361, set./dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v6i3.1027.

Barcellos RMS et al. Educação permanente em saúde: práticas desenvolvidas nos municípios do estado de Goiás. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 18:2(1-14) 19 june 2020. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00260.

Rocha NHN, Bevilacqua PD, Barletto M. Metodologias participativas e educação permanente na formação de agentes comunitários/as de saúde. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 13 (3): 597-615, set./dez. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00056

Leite CM, Pinto ICM, Fagundes TLQ. Educação permanente em saúde: reprodução ou contra- hegemonia? Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 18, supl. 1, e0025082, 16 mar 2020. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00250.

Fernandes JN, Rossit RAS. Educação permanente em saúde na perspectiva do trabalho em equipe e da prática colaborativa: cenários e oportunidades de Transformação das práticas. In: Seiffert OMLB, Rossit RAS. (Org.). Educação Permanente em Saúde: Saberes, Trajetórias e Formação - Volume 2. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde (CEDESS), 2020, p. 18-38. Disponível em https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/58427?locale-attribute=es. Acesso: 10/10/2020.

Ribeiro SFR, Heloani JRM. Sofrimento psíquico do agente comunitário de saúde: interfaces entre processo de trabalho, formação e gestão. Revista da RET, São Paulo, 4 (1): 79-96, nov. 2011. Disponível em http://www.estudosdotrabalho.org/RevistaRET09.htm. Acesso em 25/10/2020.

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Educação Permanente em Saúde: educação, saúde, gestão e produção do cuidado. In: Mandarino ACS, Gomberg E. (org.). Informar e Educar em Saúde: análises e experiências. Salvador: Editora da UFBA; v. 1, p. 5-21, 2011. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4448009/mod_resource/content/1/TRABALHO2.pdf. Acesso em 25/10/2020.

Rolim LB, Cruz RSBLC, Sampaio KJAJ. Participação popular e o controle social como diretriz do SUS: uma revisão narrativa. Saúde debate, Rio de Janeiro, 37 (96): 139-147, jan./mar. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000100016.

Silva RCC, Novais MAP, Zucchi P. Permanent education as an inalienable responsibility of health councils: the current scenario in the Unified Health System. Clinics, São Paulo, 75, published online 6 jan 2020. DOI: 10.6061/clinics/2020/e1443.

Malfitano A. P. S.; lopes R. E. Educação Popular, ações em saúde, demandas e intervenções sociais: o papel dos agentes comunitários de saúde. Cadernos CEDES, Campinas, 29 (79): 361-372, set./dez. 2009. https://doi.org/10.1590/S0101-32622009000300006.

Vallegas AB et al. A educação permanente em saúde no processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista (S), 9(4), e129942962, 2020. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2962.

Vendruscolo C et al. A inserção da universidade no quadrilátero da educação permanente em saúde: relato de experiência. Texto contexto - enferm., Florianópolis, 25(1): 1-7, mar. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072016002530013.

Ferreira L et al. Educação Permanente em Saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde debate, Rio de Janeiro, (43) 120: 223-239, may, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201912017.

Stroschein KA, zocche DAA. Educação permanente nos serviços de saúde: um estudo sobre as experiências realizadas no Brasil. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, 9 (3): 505-519, nov. 2011. https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000300009.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro 10 (4): 975-986, out./dez. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400020

Lopes SRS et al. Potencialidades da educação permanente para a transformação das práticas de saúde. Comun. ciênc. saúde, Brasília, 18(2): 147-155, abr.-jun. 2007. Disponível em https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-484725. Acesso: 10/10/2020.

Zinn GR. Educação Permanente em Saúde: de diretriz política a uma prática possível [tese] [internet]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015, p. 147. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7140/tde-11052015-154630/pt-br.php. Acesso em 12/20/2020.

Cardoso M. C. "Rodas de educação permanente" na atenção básica de saúde: analisando contribuições. Saude soc., São Paulo, vol. 21, supl. 1, p.18-28, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902012000500002.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Higashijima, M. N. S., Ferla, A. A., & Santos, M. L. M. dos. (2022). Educação Permanente em Saúde: colocando em análise a produção de conhecimento. aúde m edes, 8(sup1), 57–73. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8nsup1p57-73

Edição

Seção

Artigo de Revisão