DESAFIOS DO ACOLHIMENTO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Camila Vieira Soares de Oliveira, Maria Wanderleya de Lavor Coriolano-Marinus

Resumo


Objetivo: descrever a partir da literatura cientifica os principais desafios relacionados ao acolhimento na Estratégia Saúde da Família, a partir da visão de distintos atores sociais. Fonte de dados: trata-se de uma revisão integrativa da literatura cuja busca dos artigos foi realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS - Bireme), contemplando as Bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde  (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) e posteriormente a Publisher Medline (PubMed). Os resultados encontrados foram categorizados em eixos previamente definidos, norteadores da discussão, os quais foram: (I) acolhimento na perspectiva da acessibilidade e resolutividade, (II) acolhimento na perspectiva do vínculo e da comunicação com usuários e (III) acolhimento na perspectiva de mudança no processo de trabalho da equipe. Resumo das conclusões: dificuldades para referenciar e contrarreferenciar os usuários a partir do acolhimento aos outros níveis de atenção, a infraestrutura precária das Unidades de Saúde, a quantidade insuficiente de profissionais e poucos espaços para discussões e o fortalecimento do trabalho em equipe multidisciplinar são algumas das questões identificadas nos estudos que interferem no acolhimento de forma efetiva aos usuários.



Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Acolhimento; Estratégia Saúde da Família.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar ZN. Sistema Único de Saúde - antecedentes, percurso, perspectivas e desafios. 1ed. São Paulo: Martinari; 2011.

Ministério da Saúde. ABC do SUS - Doutrinas e Princípios. Brasília: MS; 1990.

Rosa WAG, Labare RC. Programa Saúde da Família: a construção de um novo modelo de assistência. Rev Latino-am Enfermagem 2005 nov-dez; 13(6):1027-34.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial União. 2011 out. 24; seção 1.

Ministério da Saúde. Saúde da Família - Avaliação da Implementação em dez grandes centros urbanos. Brasília: MS; 2015.

Sousa MF. O Programa Saúde da Família no Brasil: análise do acesso à atenção básica. Rev Bras Enferm 2007 mar-abr; 61(2):153-8.

Ministério da Saúde. Humaniza SUS - Política Nacional de Humanização. Brasília: MS; 2003.

Ministério da Saúde. Acolhimento com avaliação e classificação de risco. Brasília: MS; 2004.

Ministério da Saúde. Dicas em Saúde. Brasília: MS; 2008.

Lopes GVDO, Menezes TMO, Miranda AC, Araújo KL, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev Bras Enferm 2014 jan-fev; 61(1): 104-10.

Crossetti MGO. Revisão integrativa de pesquisa na enfermagem o rigor que lhe é exigido [editorial]. Rev Gaúcha Enf; Porto Alegre (RS) 2012 jun; 33(2):8-9.

Russell C. An overview of the integrative research review. Progress in Transplantation 2005 mar; 15(1):8-13.

Starfield B. Atenção Primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologias. Brasília; UNESCO, Ministério da Saúde, 2002.

Albuquerque MSV, Lyra TM, Farias SF, Mendes, MFM, Martelli PJL. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde Debate 2014 out; 38:182-194.

Nora CRD, Junges JR. Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Pública 2013 dez; 47(6):1186-200.

Mitre SM, Andrade EIG, Mitre RM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 2012; 17(8): 2071-2085.

Bomfim LA, Esperidão MA. Sentidos e práticas da humanização na Estratégia da Saúde da Família: a visão de usuários em seis municípios do Nordeste. Physis 2010 dez-abr; 20(4):1099-1117.

Brehmer LCF, Verdi M. Acolhimento na Atenção Básica: reflexões éticas sobre a Atenção à Saúde dos usuários. Ciênc saúde coletiva 2010 nov; 15(3):3569-3578.

Macedo CA, Teixeira ER, Daher DV. Possibilidades e limites do acolhimento na percepção de usuários. Rev enferm UERJ 2011 jul-set; 19(3): 457-62.

Tesser CD, Neto PP, Souza GW. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc saúde coletiva 2010 nov; 15(3):3615-3624.

Silva LMV, Esperidião MA, Viana SV, Lemos DVS, Caputo MC, Cardoso MO, et al. Avaliação da implantação de programa voltado para melhoria da acessibilidade e humanização do acolhimento aos usuários da rede básica. Salvador, 2005-2008. Rev Bras Saude Mater Infant 2010 nov; 10(1): 131-143.

Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: MS; 1997.

Ministério da Saúde. Humaniza SUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: MS; 2010.

Santos IMV, Santos AM. Acolhimento no Programa Saúde da Família: revisão das abordagens em periódicos brasileiros. Rev salud pública 2011 ago; 13(4):703-716.

Baião BS, Oliveira RA, Lima VVPC, Matos MV, Alves KAP. Acolhimento humanizado em um posto de saúde urbano do Distrito Federal, Brasil. Rev APS 2014 jul-set; 17(3):291-302.

Alves MG, Casotti E, Oliveira LGD, Machado MTC, Almeida PF, Corvino MPF, et al. Fatores condicionantes para o acesso às equipes da Estratégia Saúde da Família no Brasil. Saúde Debate 2014 out; 38:34-51.

Uchoa AC, Souza EL, Spinelli AFS, Medeiros RG, Peixoto DCSP, Silva RAR, et al. Avaliação da satisfação do usuário do Programa de Saúde da Família na zona rural de dois pequenos municípios do Rio Grande do Norte. Physis 2011 nov-abr; 21(3):1061-1076.

Nery AA, Carvalho CGR, Santos FPA, Nascimento MS, Rodrigues VP. Saúde da Família: visão dos usuários. Rev enferm UERJ 2011 jul-set; 19(3):397-402.

Santos SAS, Souza AC, Abrahão AL, Marques D. A visita domiciliar como pratica de acolhimento no Programa Médico de Família/Niterói. R. pesq.: cuid. fundam. online 2013 abr-jun; 5(2):3698-3605.

Franco TB, Bueno, WS, Merhy EE. O acolhimento e o processo de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública 1999 abr-jun; 15(2):345-353.

Takemoto MLS, Silva EM. Acolhimento e transformações no processo de trabalho de enfermagem nas unidades básicas de saúde de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Coletiva 2007 fev; 23(2):331-340.

Lopes GVDO, Menezes TMO, Miranda A, Araújo KL, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev bras enferm 2014 jan-fev; 67(1): 104-110.

Baraldi DC, Souto BGA. A demanda do Acolhimento em uma Unidade de Saúde da Família em São Carlos, São Paulo. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde 2011 jan-abr; 36(1):10-17.

Sampaio DMN, Vilela ABA, Simões AV. Representações sociais e prática do Enfermeiro: limites, avanços e perspectivas. Rev enferm UERJ 2012 out-mai; 20(4):481-487.

Silva ACMA, Villar MAM, Cardoso MHCA, Wuillaume SM. A estratégia saúde da família: motivação, preparo e trabalho segundo médicos que atuam em três distritos do município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil. Saúde Soc São Paulo 2010; 19(1):159-169.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n2p211-225

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n2.678g97

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS