CÍRCULO DE CULTURA JUNTO A AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA VIVÊNCIA NO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

Autores

  • José Jeová Mourão Netto HOSPITAL REGIONAL NORTE
  • Lígia Maria Benevinuto de Sousa Protásio PROGRAMA MAIS MÉDICOS. UNIVERSIDADE FEDERAL D CEARÁ.
  • Natália Frota Goyanna Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Antonia Regynara Moreira Rodrigues Universidade Estadual do Ceará (UECE).
  • Ana Egliny Sabino Cavalcante Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Janice D'Ávila Rodrigues Mendes Faculdades INTA.
  • Maria Aparecida Sousa Vasconcelos Faculdades INTA.
  • Otávia Cassimiro Aragão Hospital Regional Norte.

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n3p301-307

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Educação de Pós-graduação em Medicina, Saúde Pública.

Resumo

Objetivo: sistematizar uma vivência no Programa Mais Médicos. Métodos: trata-se da sistematização de uma experiência, tendo como substrato a operacionalização de um Projeto de Intervenção junto a Agentes Comunitários de Saúde, viabilizada pelo Círculo de Cultura de Paulo de Freire. A intervenção ocorreu nos meses de dezembro de 2015 e janeiro de 2016, em um total de 3 encontros com 5 Agentes Comunitários de Saúde, tendo a médica da Unidade Básica de Saúde como facilitadora. Os três encontros obedeceram à orientação do método proposto por Paulo Freire: Investigação dos temas geradores; codificação e descodificação; desvelamento crítico. Resultados: os encontros iniciaram-se com a distribuição dos temas geradores de forma aleatória. Em seguida, solicitou-se que os participantes discorressem sobre o tema gerador e que relação ele mantinha com o câncer de pele, para em seguida ocorrer o desvelamento crítico, aprofundando a discussão sobre a representação de cada palavra e quais suas implicações para os usuários da Unidade Básica de Sáude e para os profissionais, enfatizando que relação ela mantinha com a prevenção e a identificação precoce do câncer de pele. Considerações finais: a intervenção permitiu (re)significar saberes e fazeres, ampliando o olhar e despertando para novas estratégias de ação no território, além de fortalecer vínculos entre a equipe, oportunizando reflexões sobre a formação, o processo de trabalho e o ser profissional médico. 

Biografia do Autor

José Jeová Mourão Netto, HOSPITAL REGIONAL NORTE

MESTRE EM SAÚDE DA FAMÍLIA (UV/RENASF/FIOCRUZ). Orientador do Programa Mais Médicos.

Lígia Maria Benevinuto de Sousa Protásio, PROGRAMA MAIS MÉDICOS. UNIVERSIDADE FEDERAL D CEARÁ.

MÉDICA. ESPECIALISTA EM SAÚDE DA FAMÍLIA.

Natália Frota Goyanna, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Discente do Programa de Mestrado em Saúde da Família. Universidade Federal do Ceará (UFC). Orientadora do Programa Mais Médicos.

Antonia Regynara Moreira Rodrigues, Universidade Estadual do Ceará (UECE).

4Discente do Programa de Mestrado em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde. Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Ana Egliny Sabino Cavalcante, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Discente do Programa de Mestrado em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Janice D'Ávila Rodrigues Mendes, Faculdades INTA.

Mestre em Saúde da Família (UVA/RENASF/FIOCRUZ). Orientadora do Programa Mais Médicos e Docente das Faculdades INTA.

Maria Aparecida Sousa Vasconcelos, Faculdades INTA.

Enfermeira Graduada pelas faculdades INTA.

Otávia Cassimiro Aragão, Hospital Regional Norte.

8Especialista em Gestão de Serviços de Saúde (ESP/CE). Enfermeira do Hospital Regional Norte.

Referências

Pinto HA, Sousa ANA, Ferla AA. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: várias faces de uma política inovadora. Saúde debate [Internet]. 2014 Out. [acesso em 20 abr 2016]; 38(esp): 358-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38nspe/0103-1104-sdeb-38-spe-0358.pdf

Siveira RP, Stelet BP, Pinheiro R. Crise na educação médica? Um ensaio sobre o referencial arendtiano. Interface (Botucatu) [Internet]. 2014 [acesso em 10 Abr. 2016]; 18(48):115-26. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v18n48/1807-5762-icse-18-48-0115.pdf

Freire P. Pedagogia do oprimido. 42ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005.

Holliday OJ. Para sistematizar experiências. 2. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2006.

Vasconcelos ACM, Oliveira KMC de, Rocha NNV, Cavalcante JHV. O protagonismo dos adolescentes na escola: tecendo a rede psicossocial álcool, crack e outras drogas. Sanare [Internet]. 2015 Jul./Dez. [acesso em 10 Abr. 2016];14(2): 117-22. Disponível em: http://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/835

Ferri PA, Gomes RS. Formação situada ou situações do formar: internato médico em questão. Rev bras educ med [Internet]. 2015 [acesso em 10 Abr. 2016]; 39(2): 252-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v39n2/1981-5271-rbem-39-2-0252.pdf

Heckert ALE, Neves CEABN. Modos de formar e modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção de coletivo. In: Pinheiro R et al. (org.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e praticas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ – CEPESC – ABRASCO; 2007.

Chiarella T, Bivanco-Lima D, Moura JC, Marques MCC, Marsiglia RMG. A pedagogia de Paulo Freire e o processo ensino-aprendizagem na educação médica. Rev bras educ med [Internet]. 2015 [acesso em 10 Abr. 2016]; 39(3): 418-25. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v39n3/1981-5271-rbem-39-3-0418.pdf

Frenk J, Chen L, Bhutta ZA, Cohen J, Crisp N, Evans T, et al. Health professional for a new century: transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. Lancet [Internet]. 2010 Dec. [cited form 2016 Abr 10];376(9756):1923-58. Available from: http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(10)61854-5/fulltext

Carneiro CCG, Martins MIC. Novos modelos de gestão do trabalho no setor público de saúde e o trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Trab educ saúde [Internet]. 2015 Jan./Abr. [acesso em 10 Abr. 2016]; 13(1):45-65. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v13n1/1981-7746-tes-1981-7746-sip00029.pdf

Queirós AAL de, Lima LP. A institucionalização do trabalho do agente comunitário de saúde. Trab educ saúde [Internet]. 2012 Out. [acesso em 11 Abr. 2016]; 10(2): 257-81. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v10n2/05.pdf

Downloads

Publicado

2017-02-02

Edição

Seção

Artigos Originais