DEMOCRACIA NO SUS, COMO ESTAMOS? UM DEBATE SOBRE A PARTICIPAÇÃO SOCIAL A PARTIR DA LITERATURA RECENTE

Autores

  • Rafael Cerva Melo Grupo Hospitalar Conceição - GHC.
  • Lisiane Bôer Possa Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n4p393-408

Palavras-chave:

Controle Social, Participação Popular, Participação Social, Política de Saúde, Sistema Único de Saúde, Democracia

Resumo

O Sistema Único de Saúde (SUS) é forjado em meio ao paradigma de abertura democrática no Brasil na década de 80, no contexto de uma sociedade capitalista em transformação. Dentre os princípios organizativos do SUS, a participação da população é aquele que consolida a expressão da manifestação democrática de um sistema de saúde, que tem sua construção em disputa desde meados da década de 1970. O referencial teórico da  Democracia orientou esta pesquisa, que propõem, a partir de uma revisão sistemática da literatura, descrever e analisar o estado da arte da produção de conhecimento, ou seja, as práticas e discussões atuais acerca das experiências de participação social e Democracia nos espaços do Sistema Único de Saúde. Os estudos analisados demonstraram avanços na consolidação de práticas democráticas, nas instituições participativas do SUS, mas, também, apontaram uma série de desafios para que se alcance a efetiva atuação dos atores nos espaços de participação popular. Destaca-se, ainda, que os estudos têm se concentrado nas instituições participativas, com a ausência de produção sobre outras formas de participação popular. Observou-se, por fim, que a área da saúde tem incorporado poucas referências de outras áreas de conhecimento na análise sobre a participação social e a Democracia. 

Biografia do Autor

Rafael Cerva Melo, Grupo Hospitalar Conceição - GHC.

Enfermeiro e Sanitarista. Especialista em Informação Científica e Tecnológica em Saúde. Enfermeiro do Grupo Hospitalar Conceição.

Lisiane Bôer Possa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Sociologia. Professora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Borba J. Participação Política como Resultado das Instituições Participativas: oportunidades políticas e o perfil da participação. In: Pires RRC. Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea; 2011. p. 65-76.

Cotta RMM, Cazal MM, Rodrigues FC, Gomes KO, Junqueira TS. Controle social no Sistema Único de Saúde: subsídios para construção de competências dos conselhos de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2010; 20(3): 853-72.

Cotta RMM, Cazal MM, Martins PC. Conselho Municipal de Saúde: (re)pensando a lacuna entre o formato institucional e o espaço de participação social. Ciência e Saúde Coletiva. 2010; 15(5): 21379-21458.

Oliveira AMC, Ianini AMZ, Dallari SG. Controle social no SUS: discurso, ação e reação. Ciência e Saúde Coletiva. 2013; 18(8): 2329-2338.

. Conselho Nacional de Secretários de Saúde (BR) As Conferências Nacionais de Saúde: Evolução e perspectivas. 1ª ed. Brasília, 2009.

Escorel S, Moreira MR. Participação social. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/CEBES; 2008.

Moreira MR, Escorel S. S. Conselhos Municipais de Saúde no Brasil: um debate sobre a democratização da política de saúde nos vinte anos do SUS. Ciência e Saúde Coletiva. 2009; 14(3): 795-805.

Martins PC, et al. Conselhos de Saúde e a Participação Social no Brasil: Matizes da Utopia. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2008; 18(1): 105-121.

. Neto AC. Democracia: velhas e novas controvérsias. Estudos de Psicologia. 1997; 2(2): 287-312.

Iasi ML. Processo de Consciência. São Paulo: CPV; 1999.

Fonsceca F. Democracia e participação no Brasil: descentralização e cidadania face ao capitalismo contemporâneo. Katálysis. 2007; 10(2): 245-55.

Lavalle AG. Participação: valor, utilidade, efeitos e causa. In: Pires RRC. Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea; 2011. p. 33-42.

Silva D, Setti G, Paranhos R, Nascimento W. Teoria democrática contemporânea modelo democrático competitivo e modelo democrático popular. Em Tese. 2013; 10(1): 1-27.

. Nobre M. Participação e Deliberação na Teoria Democrática: uma introdução.In: Coelho VSP, Nobre M. Participação e Deliberação - teoria democrática e experiências institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: Ed. 34; 2004.

. Laisner R. A A participação em questão: ponto ou contraponto da representação na teoria democrática? Estudos de Sociologia. 2009; 14(26): 17-35.

Tatagiba LFA. Questão dos Atores, seus Repertórios de Ação e Implicações para o Processo Participativo. In: Pires RRC. Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea; 2011; p. 171-186.

Cortes SMV As Diferentes Instituições Participativas Existentes nos Municípios Brasileiros. In: Pires RRC. Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea; 2011; p. 137-150.

VAZ, A. C. N. Da Participação à Qualidade da Deliberação em Fóruns Públicos: o itinerário da Literatura sobre conselhos no Brasil. In.:PIRES, R. R.C. (org) Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011, p. 91-108.

. Avritzer L. A Qualidade da Democracia e a Questão da Efetividade da Participação: mapeando o debate. In: Pires RRC. Efetividade das Instituições Participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea; 2011; P. 13-25.

. Pereira MA. Movimentos Sociais e Democracia: a tensão necessária. Opinião Pública. 2012; 18(1): 68-87.

Miguel LF.Deliberacionismo e os Limites da Crítica: uma resposta. Opinião Pública. 2014; 20(1): 118-31.

Luchmann LHH. Modelos Contemporâneos de Democracia e o Papel das Associações. Rev. Sociol. Polít. 2012; 20(43): 59-80.

Sipioni ME. Participação e a Representação em Conselhos Gestores de Políticas Públicas. Rev. Sociol. Pólit. 2013; 21(46): 147-58.

. Sampaio RF, Mancini MC. . Estudos de Revisão Sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2007; 11(1): 83-9.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2012.

Stotz EM. Trajetória, limites e desafios do controle social no SUS. Saúde em Debate. 2006; 30 (73):149-60.

Amorim CR, et al. Participação e mobilização social no SUS: entraves, desafios e perspectivas. Revsita de APS. 2012; 15(3): 294-98.

Soratto J,Witt RR, Faria EM. Participação popular e controle social em saúde: desafios da Estratégia de Saúde da Família. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2010. 20(4):1227-43.

Bispo Júnior JP, Geschman NS. . Potencial participativo e função deliberativa: um debate sobre a ampliação da democracia por meio dos conselhos de saúde. Ciência e Saúde Coletiva. 2013; 18(1) :7-16.

Ribeiro F.B, Nascimento MAA. Exercício de cidadania nos Conselhos Locais de Saúde. Revista Baiana de Saúde Pública. 2011; 35(1): 151-66.

Shimizu HE, Pereira MF, Cardoso AJC, Bermudez PCD. Representações sociais dos conselheiros municipais acerca do controle social em saúde no SUS. Ciência e Saúde Coletiva. 2013; 18(8): 2275-84.

. Vieira DR. Participação, cidadania e políticas públicas: a construção da saúde em espaços de organização popular. Trabalho, Educação e Saúde. 2013; 11(3): 591-609.

Duran PRF, Gerschman NS. Desafios da participação social nos conselhos de saúde. Saúde e Sociedade. 2014; 23(3): 884-96.

Santos CCS, Bastos RL. Participação social: a construção da democracia na saúde brasileira. Revista Brasileira de Promoção da Saúde. 2011; 24(3): 266-73.

Cotta RMM. O constrole social em cena: refletindo sobre a participação popular no contexto dos Conselhos de Saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2011; 21(3): 1121-37.

. Pereira Neto AF. A representação dos usuários nos conselhos de saúde: uma contribuição para o debate. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2012; 22 (2): 441-62.

Batagello R, Benevides L, Portillo JAC. Conselhos de saúde: controle social e moralidade. Saúde e Sociedade. 2011; 29(3): 625-34.

Grisotti M, Patrício ZM, Silva A. A participação de usuários, trabalhadores e conselheiros de saúde: um estudo qualitativo. Ciência e Saúde Coletiva. 2010; 15(3):831-40.

Guizardi FL. A autocrítica necessária: notas sobre os desafios do controle social na saúde. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde. 2015; 9(3):1-7.

. Cortes SMV. Construindo a possibilidade de participação dos usuários: conselhos e conferências de saúde. Sociologias. 2002; 7: 18-49.

Coelho VSP, Ferraz A, Fanti F, Ribeiro M. Mobilização e participação: Um jogo de Soma Zero? Um estudo sobre as dinâmicas de conselhos de saúde da cidade de São Paulo. Novos Estudos. 2010; 86: 121-39.

. Bravo MIS, Correia MVC. Desafios do controle social na atualidade. Serviço Social e Sociedade. 2012; 109: 126-50.

- Kleba ME. O papel dos conselhos gestores de políticas públicas: um debate a partir das práticas em Conselhos Municipais de saúde de Chapecó (SC). Ciência e Saúde Coletiva. 2010; 15(3): 793-802.

. Batista AA. A contribuição da Pesquisa de Avaliação para o processo de implementação do controle social no SUS. Saúde e Sociedade. 2011; 19(4): 784-93.

- Zambon VD, Ogata MN. Controle social do Sistema Único de Saúde: o que pensam os conselheiros municipais de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. 2013; 66(6): 921-27.

Downloads

Publicado

2017-05-09

Edição

Seção

Artigos Originais