REFLEXÕES SOBRE O TRABALHO DA PSICOLOGIA NA UTI

Francyelle Marques Lima, Cátia Paranhos Martins

Resumo


Uma internação em Unidade de Terapia Intensiva é um evento potencialmente traumático na vida de um sujeito e de uma família. Pensar em estratégias e tecnologias que minimizam danos é parte integrante do trabalho em saúde. Neste cenário, a Política Nacional de Humanização apresenta-se com o propósito de contribuir para a melhoria da qualidade da atenção e da gestão do Sistema Único de Saúde. Objetivo: refletir sobre as práticas da Psicologia em uma Unidade de Terapia Intensiva adulto, relacionando-as com as propostas da Política Nacional de Humanização. Método: Trata-se de um relato de experiência que dialoga com os autores da Saúde Coletiva. Foram relatadas experiências profissionais registradas em um diário de campo de julho de 2014 a julho de 2015 e a partir desses relatos, foram realizadas reflexões acerca das propostas da Clínica Ampliada, da Ambiência e da Visita Aberta no hospital. A análise da experiência profissional mostrou que o trabalho multiprofissional realizado no Hospital Universitário da Grande Dourados busca compreender o ser humano e o adoecimento de forma ampliada. Há boas práticas já consagradas na rotina do setor, como por exemplo, o espaço para o diálogo entre as equipes, usuários e familiares.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Psicologia; Humanização; Unidade de Terapia Intensiva adulto

Texto completo:

PDF

Referências


¹. SOARES M. Cuidando da família de pacientes em situação de terminalidade internados na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. [internet] 2007. [citado em 15 fev 2016] 19(4): 481-484. Disponível em: .

². BRASIL. Ministério da Saúde. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização. (Ministério da Saúde, 2004).

³. SIMONETI A. Manual de Psicologia Hospitalar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004.

MERHY EE. O ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde? [internet] 1999. [citado em 16 de fev 2016] Disponível em:

FILHO KP, TETI MM. A Cartografia como método para as ciências Humanas e Sociais. Barbarói [internet] 2013. [citado em 16 de fev 2016] (38): 45-59. Disponível em:

BRASIL. Ministério da Saúde. Clínica Ampliada e Compartilhada. (Ministério da Saúde, 2009).

SOARES M. Cuidando da família de pacientes em situação de terminalidade internados na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva [internet] 2007. [citado em 18 de fev 2016] 19(4): 481-484. Disponível em:

RAMOS FJS, FUMIS RRL, AZEVEDO LCP, SCHETTINO G. Políticas de Visitação em Unidade de Terapia Intensiva no Brasil: Um levantamento Multicêntrico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. [internet] 2014. [citado em 18 de fev 2016] 26(4): 339-346.Disponível em:

RAMOS FJS, FUMIS RRL, AZEVEDO LCP, SCHETTINO G. Políticas de Visitação em Unidade de Terapia Intensiva no Brasil: Um levantamento Multicêntrico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. [internet] 2014. [citado em 18 de fev 2016] 26(4): 339-346. Disponível em:

MORITZ, R.D. Conflitos bioéticos do viver e do morrer. Camara Tecnica sobre a Terminalidade da Vida e Cuidados Paliativos do Conselho Federal de Medicina. – Brasilia: CFM; 2011.

MERHY EE. Engravidando palavras: o caso da integralidade. [internet] 2005. [citado em 20 de fev 2016] Disponível em: < http://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/capitulos-06.pdf>

BRASIL. Portaria 2.418. Regulamenta a presença de acompanhante para mulheres em trabalho de parto, parto e pós-parto imediato nos hospitais públicos e conveniados com o SUS. 2005.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Visita aberta e direito a acompanhante. (Ministério da Saúde, 2007).

BRASIL. Ministério da Saúde. Ambiência. (Ministério da Saúde, 2010).

RAMOS FJS, FUMIS RRL, AZEVEDO LCP, SCHETTINO G. Políticas de Visitação em Unidade de Terapia Intensiva no Brasil: Um levantamento Multicêntrico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. [internet] 2014. [citado em 06 de mar 2016] 26(4): 339-346. Disponível em:

MERHY EE. Engravidando palavras: o caso da integralidade. [internet] 2005. [citado em 20 de fev 2016] Disponível em:




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n3p207-213

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n3.858g159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS