Formação para o cuidado em liberdade: reflexões sobre uma residência multiprofissional em Saúde Mental Coletiva

Ronaldo Rodrigues Pires, Camila Alves Soares, Vanina Tereza Barbosa Lopes Silva, Núbia Dias Costa Caetano, Francisca Márcia Araújo Lustosa Cabral, Maria Janaína Norões de Sousa, Alexsandro Batista de Alencar

Resumo


A formação de profissionais para o trabalho em saúde mental é uma questão importante para a construção de uma política de saúde mental antimanicomial no Sistema Único de Saúde. Os programas de residência multiprofissional mostram-se capazes de instrumentalizar essa mudança ao fomentar uma formação que aposta no trabalho em rede, nas potencialidades do território e na autonomia dos sujeitos como condição essencial para o cuidado. Assim, a reflexão sobre os processos formativos das residências tornam-se relevantes para o aperfeiçoamento e a avaliação destes programas. Nosso objetivo é apresentar o relato da experiência de formação de uma residência multiprofissional com ênfase em Saúde Mental Coletiva. Abordamos neste relato as atividades vivenciadas, refletindo sobre avanços e desafios encontrados. Concluímos que, apesar das dificuldades apresentadas, a residência se mostrou agenciadora de mudanças positivas no cotidiano dos serviços e colaborou na formação de profissionais implicados com o cuidado em liberdade.

Palavras-chave


saúde mental; educação continuada; internato não médico.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


- Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília-DF, 2011.

- Pereira EC, Costa-Rosa A. Problematizando a Reforma Psiquiátrica na atualidade: a saúde mental como campo da práxis. Saúde Soc., 2012; 21(4): 1035-1043.

- Rosa MSG, Souza AC, Abrahão AL, Marques, D. Inovações na formação em saúde: O programa de educação pelo trabalho - saúde mental. Rev. port. enferm. saúde mental. 2016; (4): 39-44.

- Argiles C, Kantorski LP, Willrich, JQ, Coimbra V. Processos de singularização no modo psicossocial. Physis. 2017; 27 (1): 61-77.

– Feuerwerker LC. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. 1ªed. Porto Alegre: Rede Unida; 2014.

- Rottelli F, Leonardis O, Mauri D. Desinstitucionalização, uma outra via: a reforma psiquiátrica italiana no contexto da Europa Ocidental e dos “países avançados”. In: Nicácio F, (org.). Desinstitucionalização. 2ªed. São Paulo: Hucitec; 2001.

- Lancetti A, Amarante P . Saúde mental e saúde coletiva. In: Campos GWS et al. Tratado de Saúde Coletiva. 2ªed. São Paulo: Hucitec, 2014. p.661-680.

- Yasui S. Entre o cárcere e a liberdade: apostas na produção cotidiana de modos diferentes de cuidar. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caderno HumanizaSUS. v. 5, Brasília, Ministério da Saúde, 2015. p.13-22.

- Abou-Yd M. Por uma clínica antimanicomial: a ousadia de um projeto. Saúde loucura 9. São Paulo: Hucitec; 2010.p. 91-99.

- Furtado JP Campos RO. A transposição das políticas de saúde mental no Brasil para a prática nos novos serviços. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. 2005; 8(1): p. 109-122.

- Retamal P, Markkula N, Peña S. Salud mental en Chile y Finlandia: desafíos y lecciones. Rev. méd. Chile. 2016; 144(7): p. 926-929.

- Ceccim RB, Silva MCC, Lima A, Palombini SMSF. Residência integrada multiprofissional em Saúde Mental Coletiva: educação pós-graduada em área profissional da saúde realizada em serviço, sob orientação docente-assistencial. In: Fajardo AP, Rocha CMF, Pasini VL (org.) Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição: 2010; p.127-144.

- Sampaio JJC, Garcia Filho, C. Saúde mental: política, trabalho e cuidado. Fortaleza: EdUECE; 2015.

- Fagundes SMS. Águas da pedagogia da implicação: intercessões da educação para políticas públicas de saúde (Dissertação de Mestrado). Porto Alegre, RS: Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação/UFRGS; 2006.

- Gama JA, Zanerato E. Cursos de especialização e residências multiprofissionais em saúde mental. In: Lobosque AM (org.) Cadernos de saúde mental: os desafios da formação, v. 3. Belo Horizonte: ESP-MG; 2010. p.187-195.

- Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 2ªed. São Paulo: Hucitec; 2005.

- Campos GWS. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Cien Saude Colet. 2000; 5 (2): p. 219-230.

- Santos AL, Rigotto RM. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab. Educ. Saúde. 2010; 8(3): p. 387-406.

- Silva ALF, Sousa RM. A roda como espaço de co-gestão da Residência multiprofissional em saúde da Família do município de Sobral–CE. Sanare. 2010; 9(2): p.07- 13.

- Feuerwerker LC. As identidades do preceptor: assistência, ensino, orientação. In: Ribeiro MVB (Org.) Formação Pedagógica de preceptores do Ensino em Saúde. Juiz de Fora: Editora UFJF. 2011; p.29 - 36.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n1.1798g349

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS